Zé Roberto pede aumento no número de jogadoras na Olimpíada



Uma situação incomum antes da partida entre Brasil x Bulgária, nesta tarde, no Maracanãzinho, fez com que o técnico José Roberto Guimarães solicitasse uma alteração no regulamento de próximas edições das Olimpíadas.

Para o tricampeão olímpico, cada país deveria ter direito a inscrever 14 atletas na competição de vôlei dos Jogos. Atualmente são permitidas apenas 12 jogadores.

Zé durante jogo do Brasil com a Bulgária (Wander Roberto/Inovafoto/CBV)

Zé durante jogo do Brasil com a Bulgária (Wander Roberto/Inovafoto/CBV)

O pedido de Zé Roberto (que é o mesmo de outros treinadores) é antigo, mas voltou a ser feito após um  problema que o Brasil teve no aquecimento da partida desta tarde. A meio de rede Bárbara, titular no jogo de sexta-feira com a Alemanha, teve um mal estar. Ela foi atendida e não participou do jogo. Adenízia, que vinha de uma lesão muscular na panturrilha e se recuperou em tempo para a partida de hoje, era a única opção para fazer dupla com Carol.

– Por isso que a gente deve reivindicar que possamos ter 14 jogadoras nos Jogos Olímpicos. Hoje 12 é muito perigoso. Se você perde uma central ter que jogar apenas com duas é difícil. É o ditado que eu sempre digo: quem tem duas tem uma. Quem tem uma não tem nenhuma. A Federação Internacional tem que brigar muito com o Comitê Olímpico Internacional para aumentar para 14 o número. Só assim para você não ter esse tipo de problema. Hoje, dentro do vôlei, 12 é um risco muito grande – reclamou o treinador.

Historicamente o COI não aceita o aumento para 14 jogadoras pois não quer “inflar” uma competição já gigantesca, que costuma ter 15 mil atletas e uma logística complicada em duas semanas dentro da Vila Olímpica. Fazendo uma conta rápida, como são 24 seleções disputando os torneios masculino e feminino no total, alterar a regra acrescentaria 48 atletas. Nem é tanta gente assim…

O limite de 12 atletas na Olimpíada gera uma dor de cabeça extra para os técnicos de vôlei antes da definição da lista de convocados. Acostumados com 14, eles costumam levar, geralmente, para as demais grandes competições três levantadores, dois opostos, quatro pontas, três centrais e dois líberos. Alguns optam por dois levantadores e quatro centrais. Varia um pouco de acordo com a característica do time, situações físicas ou de lesão, etc. Já na Olimpíada, com a limitação de 12, é mais comum ver times com dois levantadores, dois opostos, quatro pontas, três centrais e um líbero. Ou seja: seleções bem mais engessadas e com menor capacidade de reposição.

PS: Zé revelou que oposto Sheilla seria a opção para improvisação no meio de rede caso Adenízia não pudesse jogar ou sentisse a lesão muscular durante o jogo de hoje.



MaisRecentes

Dentil/Praia Clube e Sesc abrem vantagem



Continue Lendo

Corinthians faz melhor jogo na Superliga



Continue Lendo

Coluna: A imprevisível Superliga feminina



Continue Lendo