Zé Roberto fala ao blog sobre 2015 da Seleção sem a Copa do Mundo



Zé Roberto orienta o time (Divulgação/FIVB)

Zé Roberto orienta o time (Divulgação/FIVB)

Falei com José Roberto Guimarães, no início da tarde desta quarta-feira, sobre a programação da Seleção Brasileira feminina em 2015, depois da oficialização da ausência verde-amarela na Copa do Mundo, que acontecerá no fim de agosto, no Japão.

O treinador havia acabado de sair da sede da CBV, no Rio, onde se reuniu com dirigentes para, entre outros assuntos, tratar deste planejamento. Abaixo uma transcrição do papo com o tricampeão olímpico sobre este assunto.

“A parte técnica (da Seleção) havia montado um planejamento contando com a participação na Copa do Mundo e outro com a ausência. Estava na expectativa sobre o que ia acontecer. Tecnicamente seria muito importante disputar a Copa do Mundo, é claro. Mas a Confederação Sul-Americana nos mandou um comunicado falando da ausência do Brasil, por já termos vaga na Olimpíada. Houve uma tentativa de mudar, a gente tentou…

Agora, estamos tentando fechar amistosos ou pequenos torneios para manter o time em atividade em um ano importante. Por enquanto temos a certeza de enfrentar a Holanda, aqui no Brasil e lá na Europa também. Mandamos convites e estamos esperando resposta de Rússia, China, Polônia, Itália e Turquia. Existe a possibilidade de enfrentar também o Japão, em comemoração aos 120 anos de imigração. Vamos tentar preencher esse período. Os locais dos jogos ainda são incertos. O pessoal da logística e do marketing vai discutir isso agora. Sobre jogar no Maracanãzinho (local da Olimpíada) seria bom, mas existe a questão do custo do aluguel. Vamos ver. O que é certo também é que trabalharemos com duas seleções em 2015, tentando dividí-las entre Grand Prix e Jogos Pan-Americanos. Ainda vamos definir algumas coisas, mas será uma oportunidade de ver um leque maior de atletas”.

Acho que isso responde a várias perguntas que tenho recebido no blog e no Twitter sobre o tema. Inicialmente, a programação da Seleção feminina em 2015 ficará assim:

Abril e maio – treinamentos
Junho – amistosos
Julho – Grand Prix e Pan-Americano
Setembro – Sul-Americano

Na próxima semana, Zé embarca para a Europa. Ele fará uma escala na Turquia para observar alguns jogos, incluindo alguns da oposto Sheilla, que defende o Vakifbank. Na sequência, irá para a Polônia, sede da fase final do Europeu.

Ainda sobre o tema Copa do Mundo, um esclarecimento que acho importante registrar aqui, após ter escrito bastante no post anterior sobre o tema. Se vocês repararem lá no início, Zé cita a Confederação Sul-Americana como responsável pelo “veto” ao Brasil. Em contato com a assessoria da FIVB, recebi a mesma informação. A CSV não achou justo usar uma de suas duas vagas na Copa com o Brasil, que, como todo mundo sabe, já tem lugar certo na Olimpíada de 2016. Assim sendo, optou por impedir o Brasil de participar, deixando outros dois filiados terem a chance de disputar a vaga olímpica via Copa. Minha resposta a tal explicação foi:  “Qualquer substituto do Brasil na Copa irá apenas participar, sem chance de terminar em primeiro ou segundo e ficar com a vaga”. Registro feito, continuo com a mesma opinião: o vôlei e a Copa do Mundo perdem muito com a ausência brasileira.



MaisRecentes

Vaivém: “Livre”, Thaisa seguirá atuando no Brasil



Continue Lendo

Jaqueline chega ao Japão para substituir Drussyla



Continue Lendo

Vaivém: Abouba espera aproveitar chance da vida no EMS/Taubaté



Continue Lendo