Yes, they can!



A seleção dos Estados Unidos é a nova campeã da Liga Mundial. Vitória, neste domingo, em Florença (ITA), sobre o Brasil por 3 sets a 1, parciais de 31-29, 21-25, 25-20 e 25-23.

Título merecido pela apresentação de hoje. Merecido também pelo conjunto da obra em toda a competição.

O ponta Sander, talvez a grande revelação do vôlei mundial, foi o maior pontuador: 24 acertos. Tem muito potencial ofensivo o garoto de 1,96m. Em alguns lances, tinha a impressão de estar vendo Giba, em seus melhores dias, tamanha a explosão e a velocidade do ataque.

Fiquemos de olho também no levantador Christenson, outro novato com excelente potencial.

Entre os mais rodados, Matt Anderson terminou com 23 pontos. Bela atuação também. E David Lee, central meio marrento, que marcou sete pontos de bloqueio. Tirou Lucão do jogo e foi decisivo em vários momentos.

E vale uma menção do técnico John Speraw. Ele montou uma linha de passe com quatro jogadores diante dos principais sacadores brasileiros. Shoji, Sander, Rooney (depois Muagututia) e Anderson, um oposto que sabe passar. E, justiça seja feita, a bola chegou redonda na mão do levantador Christenson em grande parte da decisão.

E assim foi adiado o sonho brasileiro do decampeonato, que está batendo na trave desde 2010. Mas, sejamos honestos: estar na final já foi uma conquista para um time, que teve um aproveitamento de 50% nesta edição: 8 vitórias e 8 derrotas. O Brasil evoluiu bastante no fim da fase de classificação, teve belas atuações contra Rússia e Itália, voltando a ter performances dignas de tudo o que representa no cenário internacional. Ficam ensinamentos para o Mundial da Polônia, a meta da temporada.



MaisRecentes

Copa altera o status da Seleção Brasileira masculina



Continue Lendo

Coluna: Vale prestar atenção na vizinhança



Continue Lendo

Coluna: Já esperava ver a Seleção em outro patamar



Continue Lendo