Yes, they can!



A seleção dos Estados Unidos é a nova campeã da Liga Mundial. Vitória, neste domingo, em Florença (ITA), sobre o Brasil por 3 sets a 1, parciais de 31-29, 21-25, 25-20 e 25-23.

Título merecido pela apresentação de hoje. Merecido também pelo conjunto da obra em toda a competição.

O ponta Sander, talvez a grande revelação do vôlei mundial, foi o maior pontuador: 24 acertos. Tem muito potencial ofensivo o garoto de 1,96m. Em alguns lances, tinha a impressão de estar vendo Giba, em seus melhores dias, tamanha a explosão e a velocidade do ataque.

Fiquemos de olho também no levantador Christenson, outro novato com excelente potencial.

Entre os mais rodados, Matt Anderson terminou com 23 pontos. Bela atuação também. E David Lee, central meio marrento, que marcou sete pontos de bloqueio. Tirou Lucão do jogo e foi decisivo em vários momentos.

E vale uma menção do técnico John Speraw. Ele montou uma linha de passe com quatro jogadores diante dos principais sacadores brasileiros. Shoji, Sander, Rooney (depois Muagututia) e Anderson, um oposto que sabe passar. E, justiça seja feita, a bola chegou redonda na mão do levantador Christenson em grande parte da decisão.

E assim foi adiado o sonho brasileiro do decampeonato, que está batendo na trave desde 2010. Mas, sejamos honestos: estar na final já foi uma conquista para um time, que teve um aproveitamento de 50% nesta edição: 8 vitórias e 8 derrotas. O Brasil evoluiu bastante no fim da fase de classificação, teve belas atuações contra Rússia e Itália, voltando a ter performances dignas de tudo o que representa no cenário internacional. Ficam ensinamentos para o Mundial da Polônia, a meta da temporada.



  • Caco

    Desde 2010, o Brasil vive a síndrome do segundo lugar. Falta a pegada de Giba, Ricardinho, André Nascimento, Serginho, Gustavo, Dante e cia.
    O time atual é bom, mas falta aquele algo mais em momentos decisivos, não importando se o adversário é a Rússia ou os EUA.
    Bruno, Mário Jr, Wallace, Lucarelli, Murilo, Lucão e os outros não têm a mesma presença dos outros.
    Espero que cresçam nesse aspecto. Caso contrário, continuaremos chegando e colecionando vices.

    • Antônio Almeida

      Em 2010 o Brasil foi campeão sem Serginho, André Nascimento e Ricardinho e inclusive foi campeão mundial também sem estes atletas citados por vc.

      • Caco

        É verdade, porém foi campeão de uma forma não muito honrosa (não é mesmo?) entregando o jogo para a Bulgária para não pegar Cuba. De qualquer forma, foi campeão mas parou por aí. De lá para cá foram 4 finais e quatro vices no cenário internacional. Compare a porcentagem de vices dessa geração com a passada e você vai entender do que estou falando.
        A nossa equipe erra jogadas que não costuma errar em jogos menos decisivos como aquele ataque sem bloqueio para fora do Lucão no final do primeiro set, a cabeçada na rede do Murilo no set point do primeiro set, aquele ataque de segunda do Bruno que eu o vi realizar muitas vezes com perfeição em jogos menos expressivos, os contra-ataques desperdiçados por Lucarelli nos finais dos sets, os apagões do Wallace. Enfim, muitos erros bobos em momentos cruciais. Só não enxerga quem não quer ver.
        O time anterior crescia em momentos como esses. Há inúmeros exemplos de viradas incríveis na geração passada. Eram muito mais títulos do que vices, enquanto agora são mais vices do que títulos.
        Não quero desvalorizar a conquista do segundo lugar. Deve ser muito difícil ser segundo também. Eles estão de parabéns por isso. Apenas digo que, ao meu ver, se o time quiser ser campeão mais vezes, precisará melhorar nesse aspecto.
        Ninguém vai aceitar mais um segundo lugar do time masculino nas Olimpíadas do Rio. No Brasil, só o ouro importa. Eles precisam abrir os olhos para isso e entenderem o motivo de errarem tanto assim em momentos cruciais do jogo. A pressão será grande nas Olimpíadas, muito maior do que em Londres, em Florença e nas outras cidades em que a equipe perdeu essas finais.

        • Cliff

          Diante de mais um vice eu pensei em como somos machistas mesmo que inconscientemente.

          A Seleção Femenina de Vôlei foi tachada como Amarelona depois de perder algumas finais com um razoável espaço de tempo entre si (Olimpíadas 2004, Mundial 2006 e Pan 2007). A masculina não ganha nada de expressivo há 4 anos e não recebe esta injusta associação.
          Não quero dizer que devamos chamá-los de amarelões. Perder faz parte do esporte. Mas por que rotulamos uma vez as nossas meninas?

          • Caco

            É um ótimo ponto. Ainda não havia pensado sob essa perspectiva.
            De fato, pegaram muito pesado com elas.
            Eu acredito que o rótulo se instalou muito em função da longa série de derrotas para Cuba nos anos 90 e se intensificou quando os homens venceram mais uma vez as Olimpíadas, ao passo que o time feminino parou naqueles 24X19 em Atenas. A equipe esteve muito perto de arrancar o estigma e, infelizmente, não conseguiu.
            Para a torcida, era como se a equipe tivesse um bloqueio impossível de ultrapassar. Felizmente, o futuro provou que elas não eram amarelonas coisa nenhuma; que a Cuba dos anos 90 foi o melhor time da história e simplesmente imbatível em grandes competições, não apenas para nós mas para todas as seleções do mundo; e que a nossa seleção carecia de renovação.
            Talvez, o mesmo aconteça com os homens, caso percam mais uma vez no Rio. A história de derrotas das mulheres foi muito longa. Talvez, seja só machismo inconsciente mesmo.

          • Rodrigo

            Não acho que é isso não. A diferença é que a seleção feminina nunca havia conquistado nada em toda a sua história se não contar o Grand Prix. Já no masculino, com este mesmo técnico, já havia conquistado praticamente tudo. Entendeu a diferença? Eu mesmo acho que, se houve “amarelada” foi contra a Rússia em 2004 apenas. E coloco entre aspas porque não gosto dessa denominação. Amarela seria se não tivesse entrado em quadra… apenas faltou equilíbrio emocional. Coisa que acontece até com a seleção masculina de futebol hehehehe

        • Rodrigo

          Ganhou a Liga Mundial em 2010, foi isso que eles quis dizer. E veja bem, quanto ao mundial, o Brasil só tinha o Bruno como levantador… e tu está se esquecendo da longa viagem que o Brasil teria que fazer caso passasse em primeiro. Também se esqueceu da Rússia que entregou para Espanha… e também se esqueceu que o Brasil pegou Cuba depois e enfiou um 3×0. Venceu aquele mundial com sobras. E o que dizer da tabela armada para Itália chegar na final? Também não foi honroso não é mesmo?

          Quanto ao jogo contra EUA, foi justíssimo. E os americanos sabem mesmo jogar contra o Brasil do Bernardinho. É de longe a equipe que mais dá trabalho pra ele hehehe Mesmo renovando… de todo modo, também vejo como saldo positivo esse vice na liga. Já mostraram que podem melhorar… Ah, uma curiosidade: Em Londres o Brasil perdeu de forma categórica para os EUA. Aí, nas quartas a Itália enfiou um 3×0 fácil fácil nos EUA… aí a mesma Itália que passou por cima dos americanos levaram uma surra do Brasil nas semi hehehe

  • Luiz

    Realmente, O Sander, meu lindinho, lembra muito o Jogo do Giba, e levantador Christenson lembra muito o jogo do Lloyd Ball. A ETERNA busca dos EUA por um levantador terminou. O moleque é show.

    E o Anderson? Meu fofinho há mais de cinco anos? Nossa! O cara chamou a responsabilidade pra si, pedindo bola. Fazia passe atrás da linha dos três e depois atacava. Como pode?

    Agora, o Sr. Bernardo. Não vou nem falar de Bruno, porque esta questão já está fora de moda. O que quero dizer é a falta de tato pra este jogo. Será que ele não notou que o Sander tem dificuldades com o Saque chapado? Foi assim a liga inteira, e contra a Itália no primeiro jogo. Pra que continuar sacando no Mago lá (hahaha) que entrou só pra isso e colocou TODAS as bolas na mão?

    Joga sempre pra mim, Sander!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Mari

    Nossa, como esse time americano é raçudo!! Eles acreditam em todas as bolas!!! E o Brasil acabou se precipitando em alguns lances bobos. Mas o que importa que depois de um começo de liga das trevas, o time encorpou, acho que ainda falta banco, mas o Lucas Loh foi melhor que o Lipe r o Mauricio, grata surpresa. Quanto ao Bruno…que partida horrorosa do nosso levantador. Ele não consegue levantar bem pro Wallace quando o oposto está na rede, é simplesmente inacreditável a inoperância do Bruno na precisão. Mas há de se ressaltar tb que o Wallace vai muito antes pra bola e muito das vezes ele toma toco por causa disso. Gostei de ver o Lucarelli assumindo o protagonismo e pena o Lucão estar tão bem marcado hj, ele fez muita falta. Antes que o povo fale que o Raphael deveria ser titular, eu tb acho, entretanto, quando o Rapha está na inversão ele não consegue desempenhar bem o papel, se ele quer mesmo ser titular da seleção vai ter que mostrar aquele Rapha que encantou a Itália e o mundo. Saldo final: super positivo. Parabéns Bernardo por mais uma vez conseguir tirar leite de pedra e levar essa seleção tão mais fraca que a geração passada a mais uma final.

    • kleber

      Quando o rapha entrou no 2 set fez 5 pontos seguidos com ele no saque e o brasil abriu 20×15 e ganhou o set

      • wms

        Correto Kleber, e foi só. Pra fazer-se titular, ele precisa mais do milagres isolados. Essa informação sobre o segundo set não invalida o que a Mari disse sobre o jogador. Ele é mesmo bom, mas estamos aguardando mais dele.

        • kleber

          Concordo wms mas é mt dificil qualquer jogador que entre mostrar alguma cois em 3 rotaçoes,nao digo isso so dele mas d qq um,entra,faz o fundo e quando chega na rede é subistituido,além deles entrarem frios.Pq nao testar um jogo ou um set inteiro?Ja que pelo que parece eles queriam ter perdido pro iran e eliminado a russia,pq nao entrar com todos reservas no jogo contra o iran e dar ritimo e testar?

  • Lilika

    Sim, eles são muito parecidos conosco no estilo de jogo…mais uma pedra no sapato pro Brasil caso nos cruzarmos no mundial…enfim, eles anularam muitos dos nossos jogadores…pequenas falhas nos fez perder aquele 1st. Set, e Rapha muito aplaudido na Itália, até os comentaristas tiveram que comentar, nos salvou no 2nd. – no geral a insistência do Bruno em dar moral a jogador bloqueado ainda me irrita rsrsrs…ficamos no lucro rs, se melhorarmos algumas coisas essa turma estará “tinindo” no mundial…é torcer.

  • Luiz

    Foto de última hora, gente. NÃO É MONTAGEM. repito: Não é montagem. O central Holt da seleção norte americana, e o oposto reserva, da mesma seleção são “íntimos”. Este é o preço de começar a ser famoso, agora a vida deles vai virar um inferno. Eu to adorando:

    http://bi.gazeta.pl/im/fotomon/ciacha/f640x640/77/52/09/01a3907e27.jpg

    • Edu

      Qual a novidade? Teve uma equipe da ultima superliga que tinha quatro atletas assumidamente gays no elenco.Não eram atletas inferiores por essa razão e nem eram discriminados pelos companheiros.Um inclusive permanece na montagem do chamado supertime de 2014.

      • Alexia

        Como assim? Fiquei curiosa. rs Não sabia disso não e nem havia percebido. Único gay assumido que eu sabia era o Michael no São Bernardo. Quem são os outros?

    • klaus

      Só pela foto?Nada a ver.

      • Paulo

        Tem gay que acha que todo mundo é gay também, tem a ver com autor-aceitação, a necessidade de ver-se como “normal”, desnecessário na minha opinião.

        • Luiz

          Isso mesmo, pelo jeito você também entende da questão. hahahaha

        • klaus

          Concordo.Tantas opiniões sensatas aqui e temos que deparar com comentários desnecessários.

          • Luiz

            vira o disco, baby. Eu to aqui pra bombar geral. Causo mesmo. Aceita que doi menos.

    • TEREZA

      Qual o problema da condição sexual dos caras em que isso vai interferir no jogo deles não entendi esse seu comentário homofóbico Luiz

      • Luiz

        kkkkkkkkkkkkkkk Eu sou gay, demente. Só achei legal dois atletas assim se mostrando sem medo. Agora eles vão ser mais perseguidos. Só isso.

        • Henrique

          Mas que cara chato! Parece que tá com inveja pq os caras são bonitos. Não sei pra quê postou essa foto. Se diz homossexual, mas fez um comentário cheio de maldade. E ainda xinga os outros pq esfregam a realidade na cara do demônio. Deve ser um gay feio pra Ramalho e muito recalcado.

          • Luiz

            Oh! Filhinho, tão revoltadinho. Vou me jogar da ponte agora. Pelo jeito vc não está acostumado com meus comentários. Eu estou aqui só pra causar, então… recolha-se.

    • dabyla arrais

      Holt não é gay,ele tem namorada,Geena Urango,que também é jogadora de vôlei mas de praia. Procure se informar direito !

  • Rodrigo Coimbra

    O único adversário além do Irã que não amarelou diante o Brasil, aliás, esta Liga Mundial de 2014 ficou marcada por isso, jogo de uma seleção só! Temos muito a agradecer ao Bernardo que fez pelo menos chegarmos ao vice, deixando Servia, Rússia e Itália para trás…
    O ponteiro Sander destruiu com o jogo, isso sim é uma bela promessa (talvez realidade), junto ao Athanasevic são as maiores, não que o Lucarelli seja ruim, mas esta muito abaixo… torcendo para o Bernardo fazer o conjunto brasileiro funcionar mais que nunca!!!

    • Edu

      O Brasil tem uma equipe com excelentes jogadores mas sem nenhum fora de serie no ciclo atual.Os EUA acharam o seu fora de serie depois do Kirally com a excelência do Anderson.Hoje indiscutivelmente o maior oposto do mundo.O Sender e o Kristensen são jogadores que despontaram de uma forma muito destacada e importante seja pela idade como pela excelente técnicae inteligencia de voleibol demonstrada

      • Rodrigo Coimbra

        Concordo com vc em falar que daqui em diante o Brasil vencerá apenas com o tático Bernardo, o jogo tem que ser bastante estudado… as principais potências do vôlei tem grandes jogadores que desequilibram, Itália(Zaytsev), Rússia(Muserskiy), EUA(Anderson) e até mesmo a Sérvia com o oposto promissor!!!
        Sobre o Matt Anderson acho que só perde para o Ivan Zaytsev.

        • Edu

          Considero sua opinião respeitosamente.Zaytesev foi o jogador que mais evoluiu nesses dois últimos anos.Era um ótimo ponteiro de penteados extravagantes como aquele abominável moicano que se transformou num ótimo oposto.Hoje corresponde a uns trinta por cento do volume de jogo da Itália .Zaytsev de fato espetacular foi o pai que era também líder da melhor geração soviética de vólei com jogadores de todas as republicas agregadas e um time de mais alto nível técnico do que a atual e quase imbatível Russia .Anderson, para quem acompanhou a totalidade da Liga Mundia, foi o MVP do campeonato ,e hoje , na minha opinião e na declaração de especialistas medalhistas olímpicos e o melhor da posição do mundo no vólei atual.

  • Luiz

    Pior de tudo foi na entrevista o Bernardinho queimando Lucão e Mário JR, mas quem foi que levantou mil bolas para o Lucão? Fez uma distribuição terrivel? quem foi que atacou uma bola decisiva pra fora?

    Ai… ai… seu Bernardo.

  • klaus

    Orgulhoso da seleção depois de tudo que passou pra se classificar.Perder faz parte e é o primeiro passo para as vitórias.Vejo a seleção novamente voltando aos eixos, mas ainda falta ser mais mortal quando tem a chance.Taylor Sander é uma grata surpresa , mas acho que seu jogo é baseado muito somente na força e com o tempo será bem marcado.Não vi muita variação no ataque dele.Vamos ver se vai manter esse padrão daqui pra frente.Mesmo com o vice, o Brasil ainda tem muito a crescer e conseguimos vencer a Rússia novamente.Isso dá moral e confiança pra possíveis encontros no Mundial.

  • Debora Correa

    Sinceramente, acho que já foi quase um milagre ter chegado à final!

  • Paulo

    Os deuses do voleibol não falham, seleção brasileira chegou mais longe entregando jogo para perder na final para um monte de moleques, enquanto a maioria dos atletas brasileiros já jogaram Mundial e Olimpíadas, muitos americanos só tem experiência universitária naqueles campeonatos meia-boca com mil substituições e que até líbero saca. Vendo uma seleção tão nova ser campeã, não dá para continuar usando a renovação como justificativa para as derrotas brasileiras.

    • Gustavo

      “Monte de moleques” que arrebentaram no CORO a seleção brasileira e mostraram o que é jogar voleibol em altíssimo nível, meu caro!!

      “Monte de moleques” que usam de base aqueles “campeonatos universitários meia-boca com mil substituições e que até líbero saca ” para se tornarem campeões da Liga Mundial derrotando com sobras a primeira seleção no ranking mundial.

      “Monte de moleques” que já completaram ou estão completando a sua graduação na universidade e, além disso, estão representando o seu país de forma admirável em uma das principais competições do mundo na modalidade.

      “Monte de moleques” que não precisam entregar jogo para se verem livres de qualquer que seja o adversário e considerarem mais fácil o percurso até a obtenção do título.

      “Monte de moleques” que nas mais duras adversidades se mantem serenos e respeitosos entre si, demonstrando um controle psicológico absurdo para lidar com os momentos de maior pressão em disputas decisivas.

      “Monte de moleques” que se comprometeram desde o início da Liga Mundial, lutando ponto após ponto com muita garra e também muita alegria, em um grupo considerado “da morte”, com adversários de altíssimo nível técnico e considerados por muitos mais favoritos.

      “Monte de moleques” que não só arrematou o título da Liga Mundial mas é uma seleção que já se credencia com autoridade como favoritíssima ao título do Mundial de 2014 e ainda tem muito o que crescer.

      “Monte de moleques” que agora, juntamente à sua comissão técnica espetacular, simbolizada por estruturar uma organização tática incomparável, e um técnico extremamente estudioso e que possui um olhar clínico para os “moleques” americanos que tem algum potencial para o voleibol , estão lá agora colhendo os frutos do seu trabalho com uma medalha de OURO no peito.

      A seleção brasileira jogou demais, excedeu expectativas, lutou até o fim. Bravo!

      Ahh…mas que a gente queria ter uma seleção igualzinha à essa americana composta por um “monte de moleques”, jogando o fino da bola, e depois com a taça na mão, ahhhh isso a gente queria… e MUUUUITO!!

      • Ilson

        Arrasoooooooou!

      • Luiz

        Coitado do William, levantador do Cruzeiro. Agora mesmo que ele NUNCA mais vai chegar perto da seleção, enquanto o Bernardinho estiver lá. Ao ver o levantador dos EUA com 2,00 m de altura, sacando aquela enormidade e bloqueando Murilo e Lucarelli, o velho babão agora vai pirar. O Bruno não sai mais da titularidade, pelo menos até ele encontrar um levantador alto.

  • Juliano

    Não faltou qualidade ao nosso time; faltou psicológico.

    Este pane que não pode acontecer. Um não vira, o outro não vira, e Bruninho não sabe mais o que fazer. Entra a inversão, e o Rapha também não sabe o que fazer, porque Vissotto só leva toco. Aliás, hoje, no lugar do Bernadinho, não tinha feito inversão alguma, pois só atrapalhou.

    Lucarelli, apesar de errar uma ou outra (assim como os ponteiros americanos), jogou muito bem. Embora a pressão de final, foi o melhor do nosso lado.

    Mas o psicológico era o grande vilão. Murilo começando a errar recepção, Bruno querendo que o ponta em recuperação virasse bolas com duplo ou triplo bloqueio, Wallace querendo cravar só de raiva etc.

    Falta um oposto para fazer sombra ao Wallace. Vissotto sempre foi irregular. Nem com o Rapha, que jogou muitos anos com ele, entrava bem. Oposto não é só para quando está no simples. Oposto é para virar o quase impossível, aquele duplo e trio. Vissotto mal consegue um simples…

    Uma pena que ainda não deu tempo de recuperar o Mário Jr totalmente. Uma defesa ou outra poderia ter mudado tudo. Mas a evolução dele nesta Liga Mundial é visível e incrível. Mesmo na pancada, levava a bola na mão ou ao menos a defendida para o meio da quadra. Falta é um detalhe, uma posição, um reflexo na defesa. Bernadinho vai conseguir recuperá-lo totalmente até o Mundial. A confiança dele já voltou, e com isto aquela incrível qualidade de recepção que ele tem.

    Gosto do Éder, mas queria ter visto o Gustavão, até porque, quando havia falha na recepção americana, ela se dava por causa do flutuante, e não do viagem, apesar de um ace do central. É um jogo totalmente diferente, uma força de atacar também, e poderia ter feito a diferença. Bruninho não tava com confiança no Éder, e quando este jogava, os americanos defendiam; então, ao menos o maior bloqueador da Superliga poderia fazer alguma diferença.

    O único viagem que fez toda a diferença foi o do Lucão; uma pena que sentiu no ataque. Mas foi impressionante que nas últimas duas partidas ele voltou a sacar de forma mais ou menos regular. Bernadinho amenizou toda a caca que o Sesi tinha feito nele. Até o mundial ele estará voando! Fazendo muito aces nos jogos, visto que, quando acerta a quadra, o saca, que é um verdadeiro ataque, é indefensável.

    Sobre o futuro do vôlei. Gostei do Lukas Lóh. Sofreu um pouco de pressão por ser estreia e tudo mais, porém, quando ficou quente, jogou bem. Pontuou em jogadas difíceis. É só Bernadinho continuar a moldar, levando aos treinos e às competições que um dia conseguirá ocupar o lugar do Murilo. Lembrando que o Sanders começou que nem ele. Bem, mas indo para o mais ou menos. Depois, na fase final, com a adrenalina e a pegada do torneiro, desencantou. Espero que a liga polonesa faça bem a nosso jovem Lukas.

    Raphael é outro que eu queria ter visto. Uma pena que não jogou contra o Irã. Fez um excelente mundial sub 23. Tem boa altura e sabe usá-la ao seu favor (pula muito, coisa que Vissotoco não faz).

    Sinto falta de uma boa leva de centrais. Lucão renderá muito até o Rio/16, mas depois já terá trinta anos, Sidão então com uns 34. Ou seja, acredito que poderá ser o último ciclo ao menos do Sidão. Éder já terá 32 no Rio/16. Como é a posição que depende muito da força, a gente sabe que a idade influencia. Porém, sendo mais justo, acredito que o prêmio de segundo melhor central deveria ter sido do Sidão. Contando não só com a fase final, mas todo a Liga. Foi o mais regular de todo o time.

    Pena com a queda de rendimento de Tiago Barth. Era uma excelente aposta. Espero que cresça para suprir nossa eventual falta de bons centrais futuros. Pelo menos já temos o Isac para algo próximo.

    OBS: Apesar de qualquer coisa, acredito que o Bernadinho deveria levar o Dante. Está em boa forma e possui qualidade de recepção. Porém, ele tem que ficar no banco. Ele tem que desempenhar aquela experiência e solução na hora do aperto, o que falta ao Brasil. Lucarelli é uma das nossas melhores apostas para o futuro, e já está jogando bem. Então, não pode voltar ao banco. Talvez este possível atrito faça com que o Bernadinho não o convoque.

    • Rafael Pais Fernandes

      O Brasil foi muito afobado. E Lucarelli, justificadamente, o mais de todos. nesse momento, os levantadores tem que poupá-lo um pouco. Fizeram o oposto, e o menino errou umas cinco só no quarto set.

      Bruno esteve bem tecnicamente e na defesa, mas errou a distribuição em momentos cruciais. No quarto set, Wallace havia rodado as três últimas bolas, e ele usou o Lucarelli numa bola decisiva de contra-ataque, depois de o mineiro ter errado quatro ataques. Tomou toco.

      Lucão tomou inúmeros bloqueios individuais, tava pulando pouco e um pouco torto. Éder entrou um pouco melhor. Mas acho-o bem melhor que Gustavão, bem mais lento no ataque e no bloqueio, além de mais inexperiente.

      Murilo jogou bem no geral, mas deu um totó numa bola decisiva e boa no quarto set, levantada por Raphael. Mário Jr., não achei ruim tb não, ainda mais comparando com o início da Liga. Mas há líberos melhores no Brasil.

      Sidão, muito afobado, o que não é a primeira vez tb. A diferença é que ele já tem 32 anos. Achei Wallace bem melhor nesse jogo, virando bolas mais decisivas que o costume, principalmente no primeiro e no quarto set.

      De uma certa forma, os ponteiros reservas (Maurício e Chupita) fizeram falta. Lucas Loh é muito inferior ao Sander, tem nem comparação, principalmente no ataque. Pra ele fazer sombra ao Murilo, mesmo com 33 anos, falta muito.

      Acho que a inversão funcionou um pouco, apesar de Vissotto ter levado muitos bloqueios tb.

      Bem, não é a primeira vez que Bruno erra distribuição em momentos decisivos. Lucarelli é ótimo e o melhor que temos, mas ainda inconstante nas horas decisivas. Ontem vimos isso de novo, como na final da Liga ano passado.

      Dava, sim, pra vencer os Estados Unidos, com passe, defesa e block perfeitos, e espero que no Mundial não ocorra esses erros brasileiros.

      E sou a favor da volta do Dante tb, no lugar do Maurício. Ontem, ele poderia ter entrado no lugar do Lucarelli ou do próprio Murilo.

  • Paula Cerqueira

    Daniel, Queria entender a estratégia d alguns técnicos. O John Speraw por ex. Jogou a liga toda com o fraco do Rooney como ponteiro (substituindo Priddy). Quando Rooney pipocava era o Lotman q entrava (ou colocava o Anderson como ponteiro). Agora na final, q ele veio usar pela 1a vez na liga o Muagututia… muito melhor q os 2 (Rooney e Lotman), fez toda a diferença passe, defesa e saque.

    • Luiz

      Estratégia, amiga. O EUA são mestres nisso. O Sander não passa muito bem, então ele liberou o moleque só para atacar, e o Anderson passando. Deu certo.

      • Paula Cerqueira

        Entendo, mas, ñ faz sentido. EUA quase foram eliminados, com falta de outro bom ponteiro. Técnico insistindo no Rooney , com Muagututia no banco.

  • lilian

    E o EUA calou o BRASIL!!!

  • hicham

    Que pena a derrota do Brasil. Torçi tanto para eles. Oprimeiro set foi roubado para os Eua,pois o juiz marcou um 2 toques do Bruno que pra mim não aconteceu jamais.No quarto set a derrota do Brasil foi mais por culpa do Lucarelli que errou quatro ataques.Enfim só resta lamentar no momento e vamos torcer muito para o Brasil no Mundial da Polonia,Abraços.

    • Luiz

      Não caia na pilha. Foram dois toques CLAROS. Muito árbitro deixa passar, já o de jogo de hoje não. Deixa de chorar. A reprise do jogo está começando agora. Reveja.

    • Lucia

      Concordo com você,o juiz deixou de marcar claros dois toques do levantador americano neste set e marcou uma bola que saiu limpa das mãos do Bruno.Estou orgulhosa do desempenho brasileiro na competição conquistando a prata após enfrentar tantos problemas e falta de apoio. Só mesmo um gênio como Bernardinho para recuperar jogadores que vieram de uma superliga problemática e montar uma equipe com esta garra.Parabéns a todos e rumo à Polônia!

  • Fernando

    Chegar a final, após quase não conseguir a classificação, já foi um feito. Muita gente criticou e acabou quebrando a cara. Brasil é forte candidato ao título mundial.

    • Luiz

      Só avise isto aos adversários.

      Não confio nesta Rússia da Liga Mundial MESMO. Eles estão aprontando alguma. Pode apostar. Eles estavam com pé leve desde o início. Lembre-se que o Brasil está com o time completo; a Rússia não. Faltam dois campeões olímpicos que estão se recuperando de lesão.

      • Fernando

        Tá certo Mãe Diná… Aliás, RIP Mãe Diná.

        • Luiz

          olha, cuidado. Te rogo uma praga, seu filho de sapo com taturana.

          • Fernando

            Hã??? Deve ser uma criança com grave deficiência mental que tá por trás disso…

      • Ilson

        Concordo com você Luiz…Achei que eles jogaram na marcha lenta…

  • Naty

    O que fez s diferença hoje foi que o levantdor dos EUA jogou com o passe na mãe o tempo todo. Achei que meu hero Murilo teve algumas falhas na recepção, apesar de que não podemos negar que os americanos sacaram muito e ainda faltou algo a mais no Mario Junior. Sem o passe na mão o Bruninho não foi bem e também fez algumas opções erradas. No útlimo set, por exemplo, a insistência com o Lucarelli, que levou bloqueios seguidos….enquanto o Wallace tava babando pra receber a bola….mas valeu. Acho que alguns treinos e o Bernardinho vai deixar esse time em nível de brigar pelo título mundial com certeza.

  • Ronnie-D

    Por que eu ainda espero que o Vissotto de 2010 voltará à quadra?

  • LEANDRO

    Não vou nem falar muito do Bruninho. Levantador muito previsível. Wallace não é jogador de final. Já falei isso inúmeras vezes.

  • Edu

    Quem acompanhou toda a evolução da Liga Mundial reconhece que os EUA jogaram o mais bonito e técnico vólei da competição.Nos confrontos em finais contra o Brasil esta três a zero a favor deles( duas ligas mundiais e uma olímpica).Praticam um estilo de jogo que não favorece ao estilo de jogo brasileiro por ser a equipe mais veloz do mundo e calcada nos fundamentos.A própria complexão física da equipe estadunidense foi mudada recentemente com atletas mais longilíneos e que privilegiam a extensão e complexidade dos movimentos.Favorecendo a impulsão e a rapidez no deslocamento e abandonando o trabalho com carga.O vólei americano foi influenciado pela escola japonesa( com os imigrantes orientais que fixaram residencia no Havaí) e pela escola brasileira dos anos setenta no intercambio entre as competições regionais nas Américas e a própria praia: principalmente as localizadas na extensão da costa da Califórnia.Tem como base de seleção de atletas um campeonato universitário moldado para extrair na quantidade a qualidade.A federação americana tem planejado que no Rio em 2016 levam o ouro tanto na categoria feminina como na masculina pela primeira vez.Não acho que seja absurdo.Quanto ao Brasil, enfrentou uma montanha de russa de instabilidades numa campanha dada como perdida.No final, pesando todos os fatores acho que se retira um bom saldo.Achamos, para o bem ou mal, a equipe do mundial da Polônia.Hoje percebi que o Bernardo, de quem tenho uma impressão pessoal bem ruim, e reconheço como um grande treinador, esta há 13 anos no comando da seleção masculina.Fiquei com a imagem de que já era tempo demais até pelo arejamento do esporte e principalmente por métodos e ideias.Fiquei mais desapontado ainda ao ler numa coluna que o trabalho da auditoria na CBV que reconheceu como idôneas as informações das comissões indevidas pagas a membros da própria CBV por intermediação com patrocinadores foi varrida para debaixo do tapete.Realmente não há motivos para comemorar.Nem mesmo um vice campeonato.

    • Edu

      Retificando o que afirmei: esta 4 X O a favor dos EUA nas finais do masculino contra a seleção brasileira.Duas pela Liga Mundial e duas finais olímpicas.

      • Rodrigo

        Tá errada a conta. É uma liga mundial e duas finais olímpicas. Em 2008 os EUA eliminaram o Brasil na semi. Coincidência ou não, em semi-finais olímpicas o Brasil eliminou os EUA duas vezes…

  • Luiz

    Agora falando sério. Revendo o jogo ontem a noite, notei a cara dos jogadores brasileiros e do Bernardo, era cara de SUSTO. Acho que o Bernardinho deve ter “vendido” o jogo errado para seus jogadores. Digo, na preleção, deve ter assistido o jogo que os EUA perderam para a Itália, mas se pararmos pra pensar, quem estava jogando com velocidade e volume de defesas como a seleção brasileira era exatamente o Irã. Será que o Bernardo não passou esse jogo EUA x Irã para os jogadores? Bernardo pode ter acreditado que a experiência de seu time falaria mais alto que a garotada americana. Ele como ninguém deveria saber que esta garotada não teme nada, lá nos EUA eles já lidaram com coisas mais importantes (pra eles) do que uma final de liga mundial. Só as provas que eles passaram para chegar hoje em dia e terem um diploma universitário já é de assustar. Que LINDO ver um Sander (ai… ai) com 22 anos e formado. Todos os americanos formados. Que beleza!

  • Bruno Ferraz

    Se tem algo bom na derrota, é ligar o alerta e fazer repensar várias aspectos da panela seleção. Caso a panela tivesse sido vitoriosa, iria estar tudo bem e a péssima 1ª fase seria esquecido. Enquanto o várias seleções apresentam novidades, como 4 passadores nos EUA, o Brasil insiste em jogar com dois líberos, um deles é o MURILO…E o pior, não há qualquer substituição no time. A Russia, MUSESKY, já nos ensinou a improvar, ter alternativa, os americanos tem opções novidades, 4 passadores, jogadores de 20 e poucos anos….E o Brasil???!!!O que tem de novo….a mesma PANELA SEMPRE…ACORDA BRASIL!???

  • carlos antonio pereira

    O time americano mostrou muito mais confiança e tranquilidade durante todo o jogo. Do time brasileiro gostei muito do Lucarelli ; foi o jogador mais efetivo do time Brasileiro durante a fase final e finalmente parece pronto. Pena que o Murilo rendeu bem menos do que contra o time Italiano onde voltou a atacar bem. Wallace ou joga muito ou fica com cara de assustado. Ontem jogou muito mal. O time Americano é muito técnico e tem uma disciplina tática incrível , mas depende muito de 02 jogadores e o dia que eles não estão inspirados o time não tem chances. Anderson não é um oposto que sabe passar ; ele é um ponteiro passador improvisado como oposto. É assim que jogava na seleção e ainda joga no Dínamo. Foi improvisado como oposto pois o time Americano não revelou um oposto de 1º linha desde a aposentadoria Stanley. O time precisa ainda de um segundo ponteiro mais efetivo, pois o Rooney é muito fraco no ataque. Sander joga demais , mas não tem bem menos de 1.96 como consta em sua ficha.

    • Edu

      Concordo com quase tudo de suas colocações.No entanto, os EUA tem uma equipe de princípios mais coletivos com um fora de serie na minha opinião que de ponteiro passador foi o melhor oposto da Liga Mundial e hoje é o melhor do mundo na posição.A própria colocação do Garret para acertar a recepção mostra que a equipe tem recursos.No ataque, concordo, privilegiam o central Holt. o oposto Anderson e o ponteiro Sander nas velocíssimos levantamentos em entrosamento, um fator a mais de desiquilíbrio, do Kristensen.

  • Rodrigo

    A seleção está de parabéns lutaram perderam nos detalhes mais cabe algumas críticas construtiva Lucarelli falta experiência três bolas no final do quarto set pra ele empata ou virar o jogo ele atacou pra fora ou ficou no block, Wallace muito nervoso ele não tá jogando na super liga q é fraca ficou em vários blocks simples tentando cravar bola, ataca para o fundo. Quem ganhou o jogo ontem foi o sander e o Anderson e tem mais a seleção é a única q joga com dois líberos Murilo q infelizmente não tem força de ataque e quando esta na rede da muito prejuízos pos quando o passe quebra e o levantador é obrigado a levantar para ele fica difícil, mais pra quem estava eliminado tá bom de mais.

  • Eu vi o jogo pra mim foi um jogão mas não deixa de ser um pouco frustrante mais para quem já estava quase eliminado a prata é honrosa,mas tiro algumas observações como mais uma vez o descontrole do bernado no final do 1 set pois a imagem já foi lançada e o toque foi realmente mas mostra mais uma vez que o BRASIL não suporta jogar contra os EUA simplesmente porque eles jogam na base de erros e constância do jogo dos adversários pois o TIME de Bernardinho não gosta de jogo que é muito amarrado e jogado pois não consegue ter controle emocional na reta decisiva da partida e como o próprio técnico do brasil disse falta alguém a mais que chame o jogo na hora de fechar pois o placar poderia ser um 3 a 0 se o rooney não pipocasse a sua deficiência na reta do 2 set.agora esse sander teve algumas horas que me lembrava o giba pulando muito técnico falta ainda a experiência que só com o tempo vai adquirir mais não se esconde do jogo!!diferente de walace e lucão que toda final não consegue desenvolver a garra que sempre jogão me parece que a falta de títulos vai começar a pesar nos momentos crucias mas as minhas apostas para o mundial continuam com RÚSSIA ainda favorita pois tem base ainda pode contar 3 jogadores que estão em recuperação os EUA e o brasil pela tradição abaixo POLONIA SÉRVIA e a ITÁLIA.AGORA é torcer pra não cruzar contra os EUA pois consegue rapidamente ler o jogo do bruno pois é muito fácil marcar os centrais e o oposto!!

  • Mister Volei

    O Brasil ontem me fez tanta raiva que prometi a mim mesmo que não iria vê ou comentar nada sobre o jogo de ontem. Obviamente não resisti e aqui estou, então vamos lá. Carlão disse que o Brasil era favorito porque era mais experiente. Quem disse? Não foi o que aconteceu ontem, o Brasil toda hora dava sinais de nítido afobamento perdendo várias bolas de xeque seja com Lucão, Sidão e até com Bruninho. Wallace errava várias bolas pois continua com a mania de entrar de baixo da bola e dessa forma não aproveita os contra ataques pois era parado facilmente pelo bloqueio. Em relação ao passe foi um verdadeiro desastre, dificilmente chegava uma bola de passe A nas mãos de Bruninho e assim ficava difícil jogar com a primeira bola, essa foi uma das razões de Lucão desaparecer do jogo. Se tem uma coisa que podemos observar com a Itália e os EUA e que eles estão jogando com uma linha de passe com quatro jogadores, estão acabando com essa história de Oposto não precisa passar! E bom começarmos a abrir o olho com relação a isso ou ficaremos para traz. Mário Jr? É bom nem eu comentar sobre ele pois a diferença entre ele e Serginho e absurda, mas não é culpa dele já que sabemos que ele é limitadíssimo e nunca será um Serginho. Bruno: levantador mediano, não é gênio como Maurício ou Ricardinho e sem o passe na mão o tempo todo a casa cai como vimos ontem. Leandro Vissotto: alguém me diga o que este cidadão ainda faz na seleção brasileira? É pra dizer que temos um oposto de 2,12m? Sim porque só pode ser isso, pois ele não resolve nada. E olhe que temos outras opções melhores que ele como Evandro e Wallace Martins(Ex-SESI). Em resumo pelo conjunto da obra chegamos onde podíamos. Se dá para tirar lições sobre essa liga mundial é que devemos substituir várias peças da seleção que não funcionam e estão lá só para passear e que essa equipe não tem o menor controle emocional e precisa adquiri-lo urgentemente pois caso contrário continuaremos, não sei como, chegando e não levando!

  • Fabíola Rubens

    Gente, o Luiz , que fez um monte de comentário besta, se chama Bruno, na verdade. Bons entendedores entenderão.

    • Luiz

      ai,ai. Aposto que o tanque está cheio de roupa suja. Vai, lá minha filha, vai

  • wms

    Me arrepiei aqui com essa comparação ao Giba, tinha acabado de pensar nela (e concordo muito), hehehe. Nos últimos dias estava pensando também no Sander como uma versão 2014 do Murilo do último mundial. Enfim, para os amantes de vôlei é bom ver uma revelação como esta em tempos de gigantes.
    Falando do jogo: Realmente, a seleção estadunidense ‘se jogou’ mais para a final e mereceu o título. Poderia ser o nosso título, se tivéssemos matado o primeiro set e assustado a garotada, como foi com a Itália. Mas não vivemos de SE, e hoje venceu quem se apresentou melhor e, via de regra, sempre dá trabalho ao Brasil, porque o jogo deles encaixa bem contra a gente.
    Acho que rola também uma síndrome de autoestima típica de país emergente na hora do ‘vamo vê’, mas isso já é um assunto mais amplo pra caber agora. Parabéns aos estadunidenses e à sua renovação. Agora é o Mundial e a tentativa do Tetra. Espero que o Brasil da fase final da Liga apareça lá pela Polônia.

    • Luiz

      Os EUA são só luxo! Em pleno 2014 encontraram um Giba de 22 anos. E a seleção brasileira? Lucarelli arregão e Wallace Close Up. hahaahahaha

  • César Castro

    Engraçado, hj eu ia dirigindo pro trabalho e pensando no jogo do Taylor Sander. Daí lembrei do Giba mesmo. Muito parecidos.
    Os EUA saíram com um ponteiro fenômeno, um ótimo levantador e um bom oposto. Muito bom pra quem vinha fazendo muito feio no pós-olimpíada.
    Apesar de tudo, não vejo essa garotada chegando em uma final de mundial, não.
    O Brasil precisa recuperar seu banco e o time titular é esse mesmo.
    Preocupa mesmo é o Murilo não ter um substituto à altura.
    O Campeonato Mundial vai ser extremamente difícil e é preciso ter banco!

    • Bernardo

      Você não vê essa garotada americana chegando a uma final de Mundial do mesmo jeito que, provavelmente, não os via chegando ao final dessa Liga Mundial! E foi justamente o que aconteceu.

      Pelo que mostraram durante toda a competição, parecem saber lidar muito bem com a pressão. E com esse título recém conquistado, eles ganham muita moral e evidenciaram um ponto digno de atenção: eles sabem como ganhar, ou pelo menos acabaram de aprender…ganhando!

      Ficou nítido que, diferente do que vem acontecendo com a seleção americana feminina, que ainda demonstra uma certa instabilidade em partidas decisivas, embora creio que isso não deva persistir, a seleção masculina dos EUA, na maioria das oportunidades, sempre chega para “matar”! São estudiosos ao extremo no que se refere aos adversários e à parte tática e técnica, priorizam os fundamentos e procuram minimizar a quantidade de erros, sem contar no controle psicológico absurdo.

      A seleção brasileira, diferente do que muita gente tem exposto, não jogou mal, muito pelo contrário, se
      apresentou muito bem diante das dificuldades impostas, fizeram o máximo que puderam. Lucarelli se destacou e, diante de tanta pressão e cobrança, se saiu muito bem. De fato, o mineiro é a nossa mais expressiva revelação e deve ser muito bem cuidado, lapidado, pois mostra que tem, de forma indiscutível, muito potencial. Wallace poderia ter rendido um pouco mais, mas mesmo assim foi o maior pontuador pelo lado brasileiro. Mário Jr. evoluiu muito na fase final, passou muito bem. Murilo mostrou que cresceu também, apesar dos problemas físicos. Tirando alguns momentos de descontrole, os levantadores e os centrais também tentaram, ralaram, mas a marcação e a velocidade do jogo americano estavam supremas!

      A questão é que os norte-americanos souberam como anular tecnicamente e dominar mentalmente o Brasil. A tônica do jogo foi a sensação de que os pontos conquistados pelos brasileiros eram árduos, suados, e os americanos mostrando uma atuação intensa em cada segundo, porém ao mesmo tempo leve, sem descontrole, deixando o jogo fluir.

      O que é também louvável da parte deles é a astúcia da comissão técnica americana, que é atenta e precisa, principalmente na chamada pelos desafios, em que, praticamente, cada pedido feito foi em momentos importantes e o ponto em questão era sempre confirmado a favor deles, sem injustiça, pois as falhas cometidas pelos brasileiros eram visíveis, claras, através da camera! Estrategismo também houve e foi a substituição por um ponteiro que praticamente não jogou durante toda a competição, Muagututia, mas que, surpreendentemente, deitou e rolou na FINAL, arrasando em dois dos fundamentos que mais exigem controle psicológico: recepção e saque. E, como se não bastasse, era um dos americanos mais alegres em quadra, não parava de sorrir!

      Sei não…muita gente só fica com Rússia na cabeça, que é a grande favorita e tals, que é a melhor e vai dar o bote nesse Mundial!

      Pelo que vi recentemente, essa molecada americana é muito mais perigosa do que Muserskhy e companhia!

  • O Brasil está de parabéns ! A seleção saiu de uma quase desclassificação na fase de grupos para um segundo lugar , o que é ótimo se tratando de como a seleção começou a liga mundial , ninguém acreditava na classificação do Brasil para a fase final e com o próprio mérito a seleção conseguiu no último jogo a classificação para as finais, e chegou em mais uma final , perdeu mas perdeu nos detalhes e para um grande adversário quem assistiu a liga mundial viu que os americanos estavam jogando muito. É claro que como torcedora e apaixonada por vôlei e especialmente por essa seleção eu estou um pouco frustrada com mais um vice campeonato mas muito orgulhosa dessa seleção que nunca desiste mesmo quando as coisas estão muito difíceis, desde 2011 batendo na trave mas a nossa hora vai chegar e espero que seja com o tetracampeonato no mundial da Polônia.

  • Gabriel Esteves Silva

    Enfim, acho que esse jogo mostrou o péssimo quadro que o vôlei masculino vem apresentando desde a virada (ou lavada) na final das últimas Olimpíadas. Que Liga Mundial foi essa. Derrotas pro Irã de maneira sofrível, enfim, triste. Quanto a final, só virei fã do Sander e mais fã ainda do Anderson (que sabe usar seus 2,08m) e o Lee que sempre achei mediano e até arrogante, mas reconheci que ele é importante para o seu time em momentos de decisão. Quanto ao time brasileiro é focar no mundial e depois pensar em uma renovação no painel, de verdade mesmo. Admiro o Bruno, Lucão e muitos jogadores ali, mas não dá pra continuar da mesma forma, temos gente nova, boa, como Renan por exemplo, mas que precisam ser lapidados e receberem oportunidades. Quanto ao Mundial não acredito que o Brasil chegue as semifinais e no fundo torço pra isso, só assim pra ocorrer uma mudança na situação. Aposto em Rússia, EUA, Sérvia e Polônia.

MaisRecentes

Joelho afastará Gabi das quadras



Continue Lendo

As primeiras transmissões da Superliga na TV



Continue Lendo

Vaivém: Thaisa jogará a Superliga



Continue Lendo