Vôlei se mobiliza contra lei que tira dinheiro do esporte



O esporte brasileiro está em alerta. A área é uma das mais afetadas pela Medida Provisória 841, assinada pelo presidente Michel Temer, que retira investimento de várias áreas para criar o Sistema Único de Segurança Pública.

O corte atinge esporte escolar, esporte universitário, Comitê Olímpico, Comitê Paralímpico, Ministério do Esporte… Ou seja: da base ao alto rendimento, com um corte que pode chegar a R$ 500 milhões.

Nesta terça-feira, atletas e ex-atletas do vôlei e do vôlei de praia se mobilizaram contrários à decisão do Governo Federal.

Os campeões olímpicos André Heller e Emanuel Rego, presidentes das comissões de quadra e praia da CBV, assinaram uma carta aberta endereçada aos políticos e à população em geral.

“As Comissões de Atletas de Voleibol de Quadra e de Voleibol de Praia da Confederação Brasileira de Vôlei – CBV, em linha com as manifestações públicas das entidades que compõem o Sistema Nacional do Desporto e diante do temerário cenário anunciado, vem
por meio desta Carta Aberta manifestar total inconformismo e repúdio à edição da Medida Provisória no 841, de 11 de junho de 2018, a qual retira recursos destinados ao fomento do Esporte Brasileiro, para utilização na Segurança Pública. Em que pese a importância da Segurança Pública no país, a retirada de recursos do Esporte não é medida adequada para os fins pretendidos, sobretudo considerando a relevância do Esporte para a garantia da Educação, da Saúde e do desenvolvimento da personalidade do cidadão.
A revogação imediata da Medida Provisória editada é imprescindível, sob pena de se afetar, em curto espaço de tempo, a formação de atletas no país, resultando, fatalmente, no fim do Esporte Brasileiro que, como sabido, representa, inclusive, mecanismo eficaz no combate à violência social, o que, por si só, já demonstra a incoerência do conteúdo expresso no Ato Normativo Federal”, escreveram André e Emanuel.

Nas redes sociais, outro grupo de atletas e ex-atletas, denominado Lendas do Vôlei, usou as redes sociais para compartilhar um outro manifesto. Fazem parte dele integrantes de várias gerações, desde a “Geração de Prata”, passando pela equipe campeã de tudo entre 2001 e 2014, além de atuais participantes da Seleção.

A íntegra da carta está na mensagem postada por Gustavo Endres. Ela foi publicada também por Nalbert, Bruninho, Murilo, Renan, Giba, entre outros. Ela também ganhou apoio de outros esportistas sempre engajados, como Ana Moser, Joanna Maranhão, Fernando Meligeni e Flávio Canto.

Como já escrevi nas redes sociais nos últimos dias, o Brasil certamente precisa de uma política de segurança pública. A população sofre nos quatro cantos do país com o aumento da criminalidade, de mortes violentas, assaltos, sequestros e por aí vai. Saí do Rio de Janeiro cinco meses atrás e a violência foi uma das motivações.  Mas a MP de Temer, claramente com viés eleitoreiro, me faz lembrar uma frase usada muito pelo meu avô já falecido: “a emenda é pior do que o soneto”. E isso fica muito claro.

Vale dizer também que o esporte não é o único prejudicado. Recebi uma nota oficial do ministro da Cultura hoje prometendo lutar até o fim contra a Medida Provisória. A área é outra que sofrerá cortes orçamentários milionários.

Por mais que tenhamos uma Copa do Mundo de futebol para começar (e sabemos que o país para mesmo), os esportistas em geral precisam aumentar a pressão para evitar uma catástrofe.

Por fim, fiquem com as palavras de Ana Moser, que cada vez mais merece aplausos por suas atitudes.

 

 



MaisRecentes

Coluna: Minas e um dia histórico para o vôlei nacional



Continue Lendo

O tremendo desafio de Minas e Dentil/Praia Clube no Mundial



Continue Lendo

Coluna: Sinal de alerta com as chuvas no Brasil



Continue Lendo