Vôlei Nestlé perde invencibilidade e duas jogadoras



O último invicto da Superliga feminina caiu na noite desta sexta-feira.

Em Uberlândia, o Vôlei Nestlé foi derrotado pelo Dentil/Praia Clube por 3 sets a 1 (27-25, 26-28, 25-12 e 25-23). Mais do que perder a primeira posição e a série invicta, o time paulista viu Carcaces e Suelle deixando a quadra lesionadas ainda no segundo set. E esse sim é um problema para tirar o sono de Luizomar de Moura, que já vem sem poder escalar a central Adenízia.

Sem a dupla, ele formou a linha de passe do time com Gabi e Ivna. E foi a oposto/ponta a escolhida, sabiamente, por Ricardo Picinin para receber quase todos os saques mineiros. Sem atuar na função há algum tempo, Ivna sofreu demais. E o Praia aproveitou.

Mais um bom jogo da Superliga, agora em Uberlândia (Raphael Oliveira/Fotojump)

Mais um bom jogo da Superliga, agora em Uberlândia (Raphael Oliveira/Fotojump)

Falando em passe, o técnico do Praia também adotou uma estratégia interessante em parte da partida, fazendo com que a cubana Ramirez, que está atuando na saída de rede, fizesse parte da recepção para liberar a americana Alix para o ataque. E em várias ocasiões a escolha se mostrou acertada. Ramirez, inclusive, foi escolhida a melhor em quadra.

O resultado beneficiou o Rexona-Ades, que assumiu a liderança após vencer o Pinheiros também por 3 a 1 (25-16, 25-20, 22-25 e 25-21). Com 18 pontos, o time de Bernardinho está empatado com o Praia, mas em vantagem no saldo de pontos. O Vôlei Nestlé, com 16, caiu para terceiro. O surpreendente Rio do Sul/Equibrasil, com 14, está em quarto.

Outro assunto importante na partida foi a arbitragem. Ela chegou a irritar os dois lados em momentos distintos do duelo. No fim do segundo set, Picinin reclamou demais de um toque de Van Hecke na rede na reta final da parcial. Tomou o amarelo, seguindo reclamando na virada para o terceiro set e levou o vermelho, fazendo com que Osasco ganhasse um ponto no início da parcial. Já no fim do quarto set, foi a vez de Osasco reclamar de um suposto toque de bloqueio não marcado no 23 a 23.

Sigo gostando deste início de Superliga. E vocês?



  • AfonsoRJ

    Só um pequeno detalhe: para quem conhece o trabalho do Spencer Lee, o desempenho do Rio do Sol não é tão surpreendente assim. Achei uma “bola-fora” o time de Uberlândia se desfazer dele (apesar de reconhecer que já havia certo desgaste narelação).
    E falando em técnicos, eu sugeriria ao nosso querido blogueiro que postasse algo em relação à surpreendente dispensa do Wagão do comando do time do Pinheiros. Aliás, a coisa começou com o desmonte do bom time do ano passado. Agora, com a dispensa do Wagão, fico achando que o Pinheiros é um sério candidato a ficar de fora dos play-offs. Só espero que um time com a tradição e a história do Pinheiros não caia tanto a ponto de ser rebaixado. Posso estar errado, mas me parece que o problema não é só econômico, já que o Pinheiros acaba de fechar com mais um patrocinador. Que tal, Daniel nos trazer luz sobre essa história que pelo menos à primeira vista me parece bem escabrosa?

    • Jairo(RJ)

      É amigo Afonso ! Bastidores de Clubes, vai entender o que se passa por trás das cortinas!
      A notícia da saída do Wagão foi lacônica durante uma transmissão. Não entendi nada.

      Parece “coisas de futebol carioca”..rs

      • AfonsoRJ

        O que eu soube é que tomou posse nova diretoria no clube e resolveu que o mesmo deveria “voltar às origens” e se dedicar apenas ao esporte amador e à formação de atletas, e por isso “profissionalismo” estava fora dos planos. Wagão não foi o único. Soube que houve também demissões no basquete e parece que em outros esportes. Mas honestamente, acho que essa história está meio mal contada.

  • Logan Tom

    Ramirez ganhou o troféu Viva Vôlei, mas na minha opinião a Claudinha foi a melhor em quadra. Tá jogando muito segura, acionando as atacantes no momento certo e colocou o bloqueio de Osasco pra dançar.

    Quanto à arbitragem, realmente deixou a desejar em alguns momentos, mas não senti que o Praia foi beneficiado, como a Thaísa disse. Os erros aconteceram pros dois lados e o Praia ganhou o jogo na bola, dando um show de bloqueios pra cima de Osasco.

    Enfim, essa Superliga promete! Sou torcedor de Osasco, mas também venho torcendo para que o Praia force um duelo Osasco X Rio nas semifinais e nos prestigie com uma final diferente.

  • A lI

    O fato é que já estava demorando cair essa invencibilidade do NESTLÉ depois de penar para vencer tanto TERRACAP/BRASILIA quanto PINHEIROS/KLAR em tie breaks sofridos,estava na cara que iria sucumbir ao DENTIL/PRAIA CLUB,que neste ano está muito consistente e muito forte para brigar pelo título.Claudinha está de parabéns pela grande partida,assim como todas as demais jogadoras,destaque para as centrais do Praia WALEWSKA e NATASHA,cada uma com 7 pontos de bloqueio.Nunca vi um início de Superliga tão equilibrado.O Praia Clube esse ano vem mesmo brigar pelo título.Ainda considero o Rexona favorito,mas acho que o Praia tem tudo para estar na final.O fato é que a Monique está bombando no Rexona e,das opostas brasileiras em atividade,é a que vem jogando melhor e crescendo nessa Superliga.Mesmo Sheilla estando na reserva confio em todo seu talento e até prefiro que ela só entre nas inversões do 5×1 e se poupe para 2016,Sheilla tem talento e não desaprende,ela é craque.E Monique também é craque de bola,tem técnica apurada e varia o ataque sempre com muita inteligência.Pra mim,Sheilla e Monique formam a dupla de opostas perfeitas para a seleção,pois as duas tem características muito parecidas e sabem muito bem selecionar seus golpes,em vez de usar apenas a força bruta.Esse começo de Superliga é o mais equilibrado e interessante dos últimos tempos,a grande e boa surpresa é o Rio do Sul que faz questão de se manter na ponta da tabela entre as equipes de mais investimento devido ao excelente trabalho que Spencer Lee faz com suas jogadoras,além do que as Gringas do Rio do Sul,as ARGENTINAS Tatiana Rizzo e Mimi Sosa são um espetáculo à parte.Por falar em Argentinas,a seleção Argentina deu uma salto de qualidade a assumiu de vez a condição de segunda força da América do Sul à frente de Peru,Colômbia e Venezuela.A Argentina entra como favorita no Pré-Olímpico Sul-Americano.As peruanas que dominaram o vôlei Sul-Americano até o início da década de 1990 e era a Pedra-no-sapato das brasileiras até hoje não conseguiram se recuperar,tal qual as cubanas na Norceca.Se Rio do Sul é a surpresa positiva da Superliga,o Pinheiros é a negativa,está ladeira abaixo na tabela de classificação,e agora sem o Wagão,a tendência do Pinheiros é ficar fora das 8 equipes classificadas para as QUARTAS-DE-FINAL.Posso até estar errada,mas se por acaso o Pinheiros se classificar,deve ser lá na rabeira da tabela,lá pela sétima ou oitava posição,no máximo.A nova diretoria está cumprindo o que está escrito no Estatuto do Clube.Segundo os Estatuto do Pinheiros,o Clube deve ter equipes de atletas “amadores” e,não,profissionais.O Estatuto diz que o Pinheiros é um clube formador de atletas e não de sustentação de profissionais.Veja,a seguir,a explicação que deu uma das Conselheiras do Pinheiros:”Sou Conselheira do Clube Pinheiros,o Clube mais rico do Brasil,pela Chapa Transparência.Nosso esporte NÂO é profissional.Depois da aberração que foi manter equipes de atletas profissionais que contrariou o estatuto,nosso Presidente está fazendo um trabalho intramuros em prol do esporte com alta performance por amor ao esporte.Este Presidente cumpriu a promessa da posse.Lamento,mas o técnico Vagão tem que procurar emprego em clubes-empresa e o Pinheiros não é um deles.”explicou a Conselheira do Pinheiros Aurea Ferronato,dizendo que o Presidente está cumprindo o que diz o estatuto sobre o amadorismo nos esportes do clube.O mesmo está acontecendo na Natação e no Basquete do Pinheiros.
    O SESI resolveu fazer o papel de “Robin Hood”da Superliga: roubar pontos dos mais ricos e dar pontos para os mais pobres,vai entender esse Sesi…Outra coisa que não entendo é o que a Bia está fazendo no banco? Acho que Bia não poderia bancar para a Angélica.Por acaso a Bia estaria com algum problema físico,tipo contundida mesmo ou voltando de contusão???
    Em relação à Tandara,é só decepção com essa Senhora,ela é muito irresponsável,já passou da hora de ela ser mais madura.Engraçado que Tandara deu entrevista ao Globo Esporte reconhecendo que ficou devendo e agora quer arrancar dinheiro do Praia.Com a gravidez durante a temporada,a ficha pode demorar a cair,pois o investimento feito pelos patrocinadores e o objetivo traçado pelo diretoria não foi cumprido.
    – Com certeza poderia ter dado mais, sempre saio com isso na minha cabeça. Pela Superliga que fiz no ano passado, acho que saio devendo, sim – disse Tandara, que estava grávida de quatro meses,quando o Praia foi eliminado da Superliga.
    Além de reconhecer que estava longe da melhor forma técnica,Tandara,contratada a peso de ouro,citou pontos em que a gravidez atrapalhou dentro de quadra.A Tandara é muito cara-de-pau mesmo e gananciosa, afundou o Praia, ganhou dinheiro sem estar em condições ideais de jogo e está processando o Praia pra ver se arranca mais dindin…
    Por que a Tandara não toma vergonha na cara e vai jogar voleibol?
    Não cumpriu o contrato, deixou o Praia Clube na mão recebendo salários sem jogar e agora ainda quer ganhar mais dinheiro movendo um processo trabalhista contra o Praia. Ele deveria é ter vergonha na cara do que fez com o Clube, a torcida e os patrocinadores. Se a justiça for realmente feita, ela é que terá que ressarcir os cofres do Praia Clube.

  • A lI

    A Ramirez é mesmo arretada ela sabe executar bem todos os fundamentos.Quando jogava pela seleção cubana ela era ao mesmo tempo levantadora(quando estava no fundo de quadra) e oposta-passadora(quando estava na rede),portanto o Dentil/Praia Club tem o privilégio de contar com uma oposta que sabe passar e também levantar muito bem se necessário!

  • Michel Pereira

    Pelo Osasco poucas entraram em quadra. Pelo Praia eu vi um conjunto jogando e se destacando. Burrice do Luizomar levar 3 ponteiras e 4 meios-de-rede; o terceiro set mostrou o quanto a ausência de passe anula qualquer jogada com as centrais. Quanto à arbitragem, errou pra ambos os lados, inclusive em momentos decisivos dos sets; não consigo entender porque a tecnologia testada, que já se mostrou efetiva, foi abolida ou adiada ser usada nos playoffs, visto que a fase de classificação também faz parte e é decisiva pro campeonato, principalmente em uma edição tão disputada quanto a atual.

  • Hana

    Desde o jogo contra o Pinheiros Picinin não passa uma partida sem arrumar confusão, está pior que o chorão do Fronckowiak.

  • Fernando Marcelo

    No Primeiro SET com o time titular o Osasco sofreu contra o esquema tático do Praia Clube. Além de levar um banho de bloqueios.
    Ivna é péssima de Oposta e horrível como passadora, Van Hecke ainda tá na promessa. Quem aproveitou e deitou e rolou foi a Ramirez! que jogou no passe, no ataque e ajudou até no levantamento, oposta completa.

    Em relação aos erros de arbitragem, ambos os times foram prejudicados, não somente o Osasco/Nestlé.

  • Edu

    Eu fiz o comentário dessa partida no post abaixo.Então, se conseguir ,apenas pequenas considerações.A arbitragem foi ruim.Independente da reação desproporcional das duas equipes.A reclamação Picinin foi improcedente como a repetição das imagens comprovaram.A do Nestlé , que colocaria a equipe próxima do quinto set,foi justicada e a Waleska, ficou muda de tão constrangida.No entanto, não era sua obrigação se acusar.Claudinha e Ramires jogaram o fino.O Praia hoje tem um elenco para brigar pelo título.Ju Costa hoje é reserva e despertou a inveja do Nestlé por não ter uma ponteira passadora de confiança no banco naquela partida, pela contusão da Suelle.Quem mandou não colocar a segunda libero como jogadora elegível.Como faz o Sesi e o Taubaté, no masculino.Quanto ao elenco do Nestlé, bem mais amplo e melhor nesta temporada, não da para ter jogadoras apenas com funções bastante especificas como atacar ou recepcionar.A base do sucesso do voleibol estadunidense, com mais de 200 jogadoras profissionais jogando nas maiores ligas internacionais, e a preparação de jogadoras que dominem do razoável para cima todas os fundamentos como a recepção, saque, bloqueio e ataque.Na base brasileira se a menina tem mais de um e oitenta já a restringem a apenas atacar e recepcionar na critério do
    aceitável,mas nada destacável.

    • Fernando Marcelo

      Concordo plenamente,
      no Praia a Klineman é atacante e também passadora, a Monique é passadora
      a Ramirez é Oposta passadora e de quebra também levantadora.

      E no Molico é uma jogadora pra cada função, o Praia este ano está bem tático assim como o Rexona/Unilever sempre faz, mesmo o Rexona tendo time inferior ganha do Molico no esquema tático, o Praia está aprendendo e também tem um ótimo elenco.

MaisRecentes

Dentil/Praia Clube e Sesc abrem vantagem



Continue Lendo

Corinthians faz melhor jogo na Superliga



Continue Lendo

Coluna: A imprevisível Superliga feminina



Continue Lendo