Vôlei na TV virou corujão



Amigos e amigas, minha coluna Saque deste domingo (9/1) no LANCE!

 Quem perdeu parte do sono para ver ao vivo em Floripa ou pelo SporTV?

O relógio já marcava o início da madrugada de sábado, por volta de 0h48, quando a Cimed fez o ponto da vitória sobre o Vivo/Minas, pela abertura da 13ª rodada da Superliga masculina. Após quase três horas de jogo, triunfo por 15 a 13 no tie-break.
Ainda na redação do LANCE!, eu me preparava para ir embora, após mais um longo dia de plantão e novela Ronaldinho Gaúcho.  Ao abrir o Twitter, vi, entre meus seguidores do vôlei, dezenas de reclamações sobre o horário do clássico entre catarinenses e mineiros, que começou às 22h. E não eram apenas comentários de torcedores, mas também de jogadores de outras equipes. E eles têm toda razão.

Todos os envolvidos no vôlei sabem a importância da TV para o desenvolvimento da modalidade, para a criação de ídolos e para os patrocinadores terem retorno dos milhões de reais investidos nas equipes. Porém, é preciso ter o mínimo de respeito com quem joga, com quem assiste e com quem faz a cobertura das competições.

Não dá para simplesmente achar um espaço aberto na grade de programação e colocar o jogo ali. Quem foi ao Capoeirão, em Floripa, e não tem carro, voltou como para casa? Com certeza, não de transporte público. Para os jornalistas que cobrem, quase nenhuma chance de entrar no jornal impresso. Se o plantão permitir, uma nota no site, e olhe lá.

O vôlei na TV precisa de uma identificação, ter uma faixa de horário característica. Não dá para ter jogo às 10h, 12h, 14h, 15h, 16h, 17h, 18h, 19h, 19h30, 21h, 21h45, 22h… Esses horários não são chute, mas definições da tabela.

Temos sim os melhores atletas do mundo, a competição mais equilibrada e um grande produto de marketing em mãos. Mas ainda temos muito a melhorar na organização do espetáculo para fãs, apoiadores e os próprios times.



  • Patrícia Silva

    Simplesmente adorei o post
    Concordo plenamente, o sono já pesava quando percebi que o jogo ainda iria para o Tie Break e fiquei muito brava de imaginar que poderia ir longe.
    Me coloquei no lugar daqueles que ali estavam, sem graça nenhuma imaginar que você não tem como voltar para casa, por conta do horário do jogo e pior a emissora fazendo graça com as pessoas que estavam e que já adormeciam nas arquibancadas do Capoeirão.
    Fico feliz ao ver as grandes jogadas de marketing que o Vôlei Futuro faz para promover o vôlei na Cidade e na mídia, mas sinceramente sem um gerenciamento do vôlei em sua estrutura para a TV aberta ou fechada, nada vai adiantar.
    Não é só de seleções que se vive o vôlei, é preciso pensar, refletir e agir em relação a isso!

    Parabéns por essa visão simples e realista do esporte, sem maldades, apenas com informação

  • Pingback: Tweets that mention Vôlei na TV virou corujão | Blog de Volei -- Topsy.com()

  • Jogo maravilhoso… Nosso eterno canha (André Nascimento)..sensacional, que fase!Mas o que pega e me preocupa, ainda mais cm esse superliga de estrelas é a condição precária dos nossos Ginásios. Vcs viram o “ventiladorzinho” ontem no ginásio do Cimed? e a secagem da quadra?!? e altura? Creio que com tantos investimentos os clubes precisam melhorar e muito “suas casa”…. se não só teremos jogos no marcanazinho e ibirapuera… E esse horários de jogos é p/ maluco!
    Creio que a confederação tem que rever seus conceitos!!!!!!!!

  • Gê Garbazza

    Caro Daniel , concordo plenamente contigo , anos atrás os exemplos do volei e seus profissionais eram exportados para o futebol e davam excelentes resultados , vide exemplo do Bebeto de Freitas que foi para o Atlético Mineiro e posteriormente para o Botafogo , contribuindo bastante na organização destes times. Infelizmente o que vemos hoje é o volei copiar os piores exemplos do futebol , este horário de 22:00 hs é pornográfico e inadequado , mas tem de ser depois da novela , aí…. só Jesus né !!! Devemos nos manifestar veementemente contra isto e não permitir que nossos filhos sejam alijados do direito de assistirem ao melhor volei do planeta.

  • César

    Sou fã incondicional do volei e a Superliga 2010/2011 é um grande campeonato. Não temos apenas os atletas que hoje formam a Seleção mas também aqueles que não tiveram oportunidade e são grandes jogadores. Contudo, vão esperar que aconteça com o Volei o que acontece hoje com o futebol? Jogos no meio da semana às 22h? Com um campeonato nesse nível até em TV aberta a audiência seria fantástica, desde que com horários conhecidos e definidos com antecedência e que permitam que a famíla assista os jogos, característica do esporte. Incomodava na transmissão ver tantas crianças que, ao invés de estarem aprendendo a torcer em paz e se apaixonar pelo esporte, estavam dormingo nos colos dos pais porque já passava, e muito, do horário de qualquer criança estar dormindo. Uma pena…

    • Ismael

      Ótimo post. E não tem como deixar de falar a falta de uma climatização adequada do ginásio que atrapalhou demais o jogo. Sempre tendo que parar a partida para a secagem de quadra.

      Devido a grandeza do CIMED eles merecem uma melhor estrutura para jogar.

  • Xisto

    Gosto muito de vôlei. É o segundo na minha lista de preferências (o primeiro é o tênis). E, no jogo em questão, fui dormir antes do final. Essa questão dos horários precisa, mesmo, ser revista, o quanto antes. Contudo, o que mais tem me incomodado nos jogos de vôlei não é isso. O que está insuportável é ficar presenciando uma interminável “troca de gentilezas” nos saques. A quantidade de erros é muito grande. Há jogos em que a metade dos pontos são conseguidos dessa forma. Não há jogo. Se eu pudesse influir nas regras, adicionaria uma: saque errado vale dois pontos para o adversário. Quem sabe, assim, teríamos mais bola em jogo?

MaisRecentes

A velocidade do Sesc, com Thiaguinho, impressiona



Continue Lendo

O novo conceito da FIVB para 2018



Continue Lendo

Apenas Lebes/Canoas faz o dever de casa na rodada



Continue Lendo