Vôlei Amil vence “final” e fica perto de garantir 3º lugar



Depois da pausa para o Carnaval, a Superliga recomeçou nesta sexta-feira com um jogo importantíssimo para o emparceiramento dos playoffs no feminino.

Em Uberlândia, o Vôlei Amil, sem Fernandinha e Ramirez, derrotou o Banana Boat/Praia Clube, sem Herrera, por 3 sets a 1, parciais de 27-25, 26-24, 21-25 e 25-18. O resultado fez o time de Zé Roberto subir para 36 pontos, deixando o rival direto pelo terceiro lugar com 32. Caso a Unilever derrote o Sesi, que tem 31, por qualquer placar, neste sábado, as campineiras garantirão com uma rodada de antecipação a posição. E obrigará, assim, que a equipe da capital paulista enfrente a mineira por uma vaga na semi.

Provavelmente, o Vôlei Amil terá pela frente nos playoffs o Pinheiros, que ainda disputa o sexto lugar com a Usiminas/Minas. Hoje, tem dois pontos a mais. Sem desmecerer o time de Wagão, que vem em ascensão, é uma tarefa bem mais acessível pela vaga no top 4.

Já pensando mais adiante, ficar em terceiro implica em pegar, possivelmente, o segundo melhor na semifinal. Hoje seria o Sollys/Nestlé. A líder Unilever estaria do outro lado da chave, esperando o vencedor do quarto x quinto.

Vi parte da transmissão do SporTV. Um jogo com muitos rallies, graças ao volume de jogo das duas equipes, com chances de contra-ataque desperdiçadas aos montes (as cubanas fizeram muita falta) e o Praia com um plano tático bem definido: minar a oposto búlgara Vasileva, que jogava improvisadamente na ponta, com o saque. Ela se enrolou algumas vezes sim, mas quebrou um bom galho para Zé Roberto no decisivo duelo desta sexta. No ataque, Vasileva também esteve insconstante, mas, ainda assim, foi a maior pontuadora com 19 acertos. Pri Daroit (16) e Natasha (15, sendo seis no bloqueio) vieram a seguir. Pelo time da casa, uma ótima atuação da veterana Dani Scott, autora de 19 pontos (14 no ataque e cinco no bloqueio).

Algo que volto a destacar aqui. Spencer Lee dá uma aula de vôlei nas paradas técnicas. Claro nas instruções, enxerga o jogo taticamente, além de ser um motivador. E outro detalhe: nunca o vi perdendo a linha. O bom trabalho dele em Uberlândia já vem de longa data, mas a temporada 2012/2013 servirá para mudar o patamar de Spencer Lee na lista dos grandes técnicos do país.

 



  • Afonso RJ

    Muito bom o comentário do Daniel na visão do jogo mas principalmente quando fala do ótimo trabalho do Holandês Voador (Spencer Lee). Só queria frisar alguns pontos:

    1 – Como bem disse o Nalbert: ambas as equipes sofreram muito com o ataque. As defesas quase sempre conseguiam tocar na bola e jogar para o lado adversário. Daí o grande número de rallys e a consequente longa duração do jogo.

    2 – a grande maioria dos pontos marcados pela Dani Scott foram de “china atrás”, e não de jogadas rápidas de meio.

    3 – Fiquei com a leve impressão que a arbitragem favoreceu ligeiramente ao time de Campinas (isso pode ser discutível). Mas os árbitros tinham “olhos de lince” para perceber “toque no bloqueio” do Praia quando as atacantes do Amil atacavam para fora. O mesmo não acontecia quando as atacantes do Praia tentavam explorar o bloqueio adversário. Várias vezes a bola tocava de leve no bloqueio paulista e os árbitros marcavam bola fora.

    4 – Foi um jogo muito equilibrado, principalmente nos dois primeiros sets. Na verdade me pareceu que venceu quem errou menos. E foi realmente uma pena as duas cubanas não estarem em quadra. Tenho certeza que esse bom jogo teria sido ainda melhor.

    • Direto da LAN-HOUSE, LEBLON-RJ

      Concordo contigo Afonso-RJ, não foi apenas impressão não! A arbitragem favoreceu SIM o Zé Roberto e o Vôlei AMIL!!! Se não houvesse favorecimento ao AMIL, o PRAIA poderia ter vencido os 2 primeiros sets que foram decididos nos detalhes por 27×25 e 26×24, e o jogo por 3×0!!! Infelizmente é muito difícil jogar contra a influência que o Zé Roberto tem nos bastidores do vôlei e contra uma arbitragem que tende a favorecer alguns técnicos e patrocinadores!
      A corrupção está dominado o meio esportivo em todas as esferas, um exemplo nojento de jogo político corrupto é a atitude do COI em querer tirar a Luta Olímpica dos Jogos Olímpicos de 2020.
      Nunca imaginei que pudesse haver tanta sujeira, corrupção e jogatina política no COI!!! O pedagogo francês Pierre de Frédy, o Barão de Coubertin, fundador dos Jogos Olímpicos da era moderna, deve estar se revirando no caixão!
      Tirar a LUTA OLÍMPICA das olimpíadas é um HOLOCAUSTO HISTÓRICO, esses abutres do COI estão manchando a história olímpica com essa atitude.
      A LUTA é o esporte mais antigo praticado no mundo inteiro. Não existe OLIMPÍADAS sem a LUTA, pois a LUTA é um esporte símbolo das olimpíadas.
      Porém a FILA não satisfez os privilégios dos corruptos do COI. Outras modalidades muito menos olímpicas e inexpressivas se mantêm na programação olímpica pagando pedágio aos abutres corruptos do COI.
      Caso do tal do Badminton(o ridículo jogo de petecas), sem popularidade mundial , onde o quadro de medalhas é dominado por APENAS 3 PAÍSES: CHINA, KOREA e INDONÉSIA, sendo que em LONDRES/2012 somente a CHINA ganhou medalhas de OURO. ESSE tal Badminton protagonizou um espetáculo deplorável de entrega de jogos, no qual os jogadores erravam saques e jogavam a peteca para fora propositalmente porque queriam “PERDER O JOGO”.
      Ou até mesmo o futebol de campo, em que os clubes europeus não querem liberar seus jogadores para participar dos jogos por não se tratar de uma data FIFA, ou seja, o futebol nunca conta com as suas principais estrelas porque o torneio olímpico é boicotado pela propria FIFA. O ciclismo é uma modalidade que sempre está envolvida em escândalos de doping.
      Não há sentido JOGOS OLÍMPICOS sem a LUTA OLÍMPICA, enquanto houver modalidades nada olímpicas fazendo parte da programação dos jogos, não é admissível que a modalidade símbolo das OLIMPÍADAS seja tirada dos JOGOS.

      • Afonso RJ

        Desculpe discordar, mas odeio qualquer tipo de luta. A finalidade de todas é sobrepujar fisicamente o adversário através da violência. Acho que não só a luta olímpica mas também toda e qualquer espécie de luta deveria ser considerada agressão física e portanto caso de polícia e não esporte. Muito menos esporte olímpico.

        • Direto da LAN-HOUSE, LEBLON-RJ

          Caro Afonso “A LUTA OLIMPICA” consiste basicamente em técnicas de auto-defesa, quedas e de imobilização do adversário, não é uma luta que estimula a violência e sim o domínio do adversário… É um clássico olímpico e totalmente diferente das carnificinas que rolam por aí!

  • Rose

    Quem sabe ele venha dirigir o Sesi, pois o Talmo ainda não se encontrou.

  • Acho que a Vasileva é ponteira de Origem mesmo, não?
    na seleção da Bulgária tem ela e outra menina que são destaques, e acredito que a outra é a oposta da seleção búlgara.

    • Paulo – Sorocaba

      Ela sempre foi ponteira e nesse jogo não foi diferente…eu ACHO que o Daniel quis dizer que nesse jogo ela jogou passando, coisa que ela não faz normalmente mesmo jogando na ponta.

      • Daniel Bortoletto

        Nesse time com Pri Daroit, Ramirez e Soninha (quando estiver recuperada), Vasileva é oposto, por ter o pior passe, na minha opinião. Ela quebra um galho como passadora

  • ANÁLISE

    Daniel, a Vasileva é ponteira e não oposto.

  • romano

    foi um bom jogo, com poucas definidoras, a bola só caia direto no contra-ataque. duas “promessas” jogando de titulares no Amil, a levantadora e a Rosamaria, do lado do Praia/Banana Boat o Spencer Lee merece todos os elogios, nos tempos e durante o jogo ele passa confiança e orientações diretas, incentiva e ajuda as jogadoras.Só não entendo a insistência com a Dayse, ela leva muito toco e tem sido caçada na recepção. já o ZRG e Bernardinho vivem xingando e fazendo caretas, só na base da reclamação e pressão, sem diálogo, e a cada jogo fica claro que a arbitragem “ajuda” os técnicos das seleções, deve ser uma dúvida quando joga o amil contra o unilever…

  • ana maria

    Ao comentário do Lan house, no esporte como na vida social de modo geral, a grande dificuldade humana de jogar limpo.

  • Torcedor Praiano

    Reamente foi um bom jogo, com poucos erros de arbitragem , não vejo nenhum favorecimento ao ZRG como dizem os post acima. Reconheço o bom trabalho do Spencer, porém ele não tem banco principalmente para ponteira Dayse, quie sentiu muito a pressão de se manter titular e subistituir a cubana Herrera. Acreditava muita na formação inicial proposto pelo clube, mas hoje por mais que eu seja um torcedor praiano não vejo um potencial de avanço, pois não temos que defina o jogo e faça pontos, um bom esquema tatico ainda não ganha jogo.

MaisRecentes

A dor de Gabi e de quem estava ao lado



Continue Lendo

Duas gratas surpresas na Superliga



Continue Lendo

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo