Virada na estreia brasileira no Grand Prix



A caminhada brasileira rumo ao 11º título do Grand Prix começou com vitória.

Na manhã desta sexta-feira, a Seleção derrotou o Japão, em Bangcoc, na Tailândia, por 3 sets a 1, parciais de 21-25, 25-21, 25-17 e 27-25.

Zé Roberto iniciou a competição com Dani Lins, Joycinha, Fernanda Garay, Gabi, Juciely, Barbara e Camila Brait como titulares. A formação escolhida para suprir as ausências de Fabiana, Thaisa, Jaqueline e Sheilla, provável quarteto titular na Olimpíada, teve dificuldades no início do jogo, principalmente na recepção. Sem a bola nas mãos de Dani Lins, as jogadas rápidas pelo meio foram raridade, facilitando o trabalho do sistema defensiva japonês. Para complicar ainda mais, o time asiático teve um bom aproveitamento no ataque, com Nagaoka e Saori. Mesmo com o bloqueio pontuando na parcial (5 pontos), o Brasil saiu em desvantagem.

Na volta para o segundo set, com o passe mais regular, o Brasil conseguiu tomar o controle das ações. Com Joycinha bem na virada de bola, o time viu Garay e Gabi também crescerem, facilitando as ações. Uma mudança no fim da parcial também fez a diferença. Carol entrou no lugar de Barbara, pontuando no block e no saque. No terceiro, a superioridade foi ainda mais latente, impedindo qualquer chance de reação do Japão.

No quarto, porém, o time brasileiro voltar a errar bastante, desta vez também no ataque. O Japão se aproveitou, abrindo vantagem de cinco pontos. Zé Roberto colocou Monique na saída, conseguindo a virada depois do segundo tempo técnico. O bloqueio, fundamento com maior diferença de desempenho entre os dois times no jogo (17 a 6), também entrou em cena. O Brasil chegou a abrir 23 a 17, mas ainda teve tempo de sofrer um apagão, com o Japão empatando após seis pontos seguidos. Mais sofrido do que parecia, o set terminou em 27 a 25, com outro ponto no block.

Neste fim de semana,  a Seleção volta a atuar diante de Sérvia e Tailândia, que abriram o grupo com vitória das asiáticas. Preparem-se para as próximas madrugadas…



MaisRecentes

Quem fica com as últimas vagas na Superliga masculina?



Continue Lendo

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo