Vamos aguardar a “estreia” do Brasil no feminino



Galera, com todo respeito que Trinidad & Tobago merece, não dá para ter por base qualquer análise sobre a Seleção Brasileira feminina neste início de caminhada em 2011.

A vitória óbvia por 3 sets a 0 (25-15, 25-12 e 25-18), pela primeira rodada do grupo B da Copa Pan-Americana, quer dizer muito pouco.

Diria que o próximo desafio, sábado contra a “potência” Costa Rica, também vai impedir uma análise real. Então, vamos esperar um jogo de verdade, contra EUA ou Cuba, para tirar as impressões iniciais.

Por enquanto, quero ver mais a Fernanda Garay, que estava escondida na última temporada no Japão. No restante da formação titular, uma base bem conhecida: Dani Lins, Sheilla, Paulo Pequeno, Fabiana, Thaisa e Fabi.



  • Jailson

    Estava agora tentando ver o jogo do Brasil mas a qualidade do vídeo está péssima.Parece que quando se fala em voleibol há um retrocesso significativo com relação a transmissão.Parece que estamos fadados assistir série z do brasileirão em HD e na tv aberta.

  • Afonso (RJ)

    “Meio que” assisti ao jogo pela internet no link que o colega passou lá no post sobre o frio norueguês. Disse que “meio que assisti” porque a transmissão estava péssima, com borrões ao invés de jogadoras, câmera praticamente fixa mostrando pouco além da linha dos 3m de cada lado, travando a toda a hora, e sem a gente poder seguir o placar direito. Mal dava para ver a bola, e a gente praticamente tinha que adivinhar o desfecho da maioria das jogadas. Closes nas jogadoras? Esquece.

    Também deu para notar um ginásio cheio (de lugares vazios), com uma quadra marcada apenas pelas linhas brancas. Nada daquele laranja dentro da quadra com azul por fora. Era tudo da mesma cor!! Me pareceu tudo bem fuleiro, condizente com a péssima transmissão.

    Formação com Sheilla, Fabizinha, Fabizona, Thaisa, Paula Pequeno, Dani Lins e mais uma que não me arrisco a identificar. Houve modificações. Acho que a Suelle entrou, mas não tenho certeza. (sacaram só a qualidade da transmissão?)

    O placar foi (óbvio) de 3 sets a zero, com parciais de 25/15, 25/12 e 25/19.
    Pude notar que o jogo foi pontuado por muitos erros de ambas as equipes, com Trinidad Tobago cometendo erros infantis, com uma recepção muito ruim, levantamentos do tipo “balão” piores ainda. O Brasil errava no ataque e deixava de defender inúmeras “largadinhas” fáceis, falhando na cobertura. E no terceiro set, o time adversário chegou a estar na frente na primeira parada técnica, por pura desconcentração brasileira (síndrome do terceiro set).

    Anyway… começamos com vitória fácil.

    Mais que isso é pedir muito, dada a fragilidade do adversário, a péssima qualidade da transmissão e aos meus sofríveis conhecimentos técnicos de vôlei.:)

    Me parece que todos os jogos do “certame” (gostaram da palavra empoeirada?) serão transmitidos por esse mesmo link. Vou repassar aqui para eu ter companhia de mais algumas vítimas candidatas a um atendimento de emergência numa clínica oftalmológica de tanto forçar a vista tentando distinguir borrões:

    http://www.prensa.cdj.mx/copanamericana/

    • Diogo Márcio

      Falta de Respeito, isso sim! O jogo começou as 17:00 é não justifica os canais de esporte não exibi-lo. Pois no mesmo horário estava sendo exibido a Liga Mundial (Cuba vs Itália) no Sportv 1, mas no o Sportv 2 e E+I exibia o torneio de Basquetebol EUROPEU Feminino (nem nacional era).

      Total descaso com os telespectadores do volei – Uma salva de palmas pra CBV (y)

      VT do Jogo: http://www.livestream.com/copanamericana/video?clipId=pla_26f8b1b1-6129-453d-b16f-6c82140bad19

      • Rafa

        justificativa para nao transmitirem: no fim das contas esse é um torneio amistoso pro brasil, no masculino fomos até com a seleção militar
        os campeonatos que são importantes ganham transmissão

        • Diogo Márcio

          Rafa deixa de fala besteira -.-‘ Ano passado eles mostraram o amistoso feminino EUA X BRA. Além do mais esse ‘amistoso’ que você diz, garante vaga pro Grand Prix do próximo ano!

          Se não é pra ajudar, não precisa comentar ¬¬’

  • Rafael

    Oi pessoal, vi o jogo no link: http://www.livestream.com/copanamericana
    Nada muito diferente do anteriormente dito: falha de sinal e borrões em vez de jogadoras!!! Não sei se meu link ou meus olhos são melhores que os do Afonso, pois…
    – Vi que a outra ponteira era Fernanda Garay, que se saiu muito bem em sua “estréia” na seleção principal. Passou bem (tomou um ace num golpe de vista), defendeu, atacou com firmeza e fechou o jogo em um ace (salvo engano… rs).
    – Paula, a meu ver, segue no mesmo nível. Não foi efetiva no ataque, tomando bloqueio, atacando pra fora e sendo defendida muitas vezes.
    – Suelle entrou para fazer fundo duas vezes no lugar da Fabizona!
    – Ju Nogueira participou de uma inversão 5 x 1 no 1o. set e, para minha surpresa e alegria, entrou como ponteira (isso mesmo) no 3o. set no lugar de Paula Pequeno. Espero que ZRG siga alimentando a versatilidade da atleta, nova, esguia, 1m90, uma preciosidade no Brasil.
    – Thaisa foi muito bem. Fez pontos de saque e ataques certeiros. Não a vi errando. No fim do jogo foi substituída pela Jucielly, mas acabou como a maior pontuadora com 13pts.
    – Fabizona tomou pelo menos uns 2 tocos. Errou saques, foi razoável.
    – Fabi não foi mto exigida. Jogou bem.
    – A imagem não permitia avaliar Dani Lins. Sinceramente. Mas acho que ela foi bem.
    – Sheilla tb não foi mto exigida! Não prestei tanta atenção nela. Estava de olho nas ponteiras, pra falar a verdade.

    Apesar do adversário ser muito fraco, agradou ver o time bem concentrado. Gostei de Garay, mas ainda é muito cedo pra criar expectativas. Gostei de ver o Zé investindo em Ju Nogueira e quero ver Suelle e Juciely serem mais expostas.
    Fabizona e Paula precisam melhorar e MUITO!
    Sobre o levantamento, prefiro não comentar.

    Espero que vejam o jogo e que a seleção continue evoluindo!!!
    Abraços

    • Afonso (RJ)

      O link é o mesmo. É o único disponível. Era a Fe Garay mesmo. Bobeira minha. Também vi a Fabiola entrando na inversão do 5 x1. Parabéns pelos olhos. Distinguir as coisas no meio daqueles borrões é pra parente de lince!!! 🙂

      • Rafael

        Tava só brincando contigo. Rs
        Parabéns pelos ótimos comentários. Li uma entrevista do pôs-jogo com ZRG dizendo q o Brasil foi bem, mas eu nao seria tão otimista, mesmo pra um primeiro jogo… Paula e Fabiana foram mto mal

  • Rafa

    a partida da argentina conta cuba tava tao de boa…. tomara q amanha eles consertem….
    enfim
    bom saber q a natalia já tá de volta, e pode ser usada se o brasil precisar

    • Rafael

      Natália??? Onde soube disso? Já se recuperou???

  • Afonso (RJ)

    Dei uma olhadinha no jogo USA x Peru. Não me animei a ver muito por causa da qualidade da transmissão. Mas parece que não vai ser nada fácil para o “Peru se reerguer” (né, Daniel ?)

    Depois, assisti inteiro Rep. Dominicana 3 x 0 Canadá. Era outra transmissão. Confesso que não era lá essas coisas, mas perto da transmissão do jogo do Brasil, parecia até “cinerama” no Roxy da década de sessenta.

    O Canadá me surpreendeu, com uma equipe afinada, comandando o placar em todo o primeiro set. Só sofreu a “virada” no finalzinho, possivelmente pela maior experiência das dominicanas. Cheguei a pensar que, afinal, não era só de hockey e curling que o Canadá é feito. Ledo engano. Depois disso, as dominicanas subiram de produção enquanto que as canadenses desabaram. Se não fosse pelos “atributos” físicos das canadenses, eu juraria que eram cinco “mooses” e um urso polar em quadra. Foi um passeio. Com todo o respeito, parece que as nortistas deveriam mesmo é ficar com o curling.

    Nota triste, a contusão da atleta dominicana numero 7, se não me engano. Foi retirada de quadra carregada e deu a impressão que o joelho virou mingau.

  • Rafael

    Pasmem:
    Thaisa – 13 ptos;
    Sheilla – 12;
    Garay – 11;
    Dani – 4;
    Paula – 4; e
    Fabiana – 3.
    Fabiana foi pior q pensei e o uol ainda teve a coragem de escrever q Lins usou mto as eficientes Paula e Garay… Isso só prova q nao devemos crer em td q Lemos!!!

  • Rafael

    Mais números. O site da competição da todo tipo de estatística. Acessem http://www.norceca.org/2011%20Events/X%20Pan%20American%20Women’s%20Volleyball%20Cup/P-2-3/P-3%20Match-17.pdf

    Thaisa teve 82% de aproveitamento de ataque, Garay 57%, Sheila 53%, Paula 30% e Fabiana 25%… Qué les parecen los numeros chicos???

  • Afonso (RJ)

    Confesso. É muita falta do que fazer de um notívago inveterado. Mas dei uma olhada nos dois primeiros sets de México x Chile. Parecia jogo de aula de educação física do colégio Notre Dame antes de se tornar misto. Era um tal de bola de graça para o outro lado, erros primários de parte a parte. De vez em quando, filho único de mãe solteira, um raro “spike” que não ia para fora. Parece que vi uma “china” por parte do México e um “pipe” chileno, que salvaram o jogo de ser um desastre total. A gente tem que respeitar as meninas, que afinal são amadoras, treinaram duro e tenho certeza estão dando o melhor de si. Mas a verdade tem que ser dita: pelo que apresentaram hoje, o time reserva do último colocado na superliga dava de rosca nos dois. Honestamente e sem exageros.

    • Álvaro Médio

      Eu entendo vc tb perfeitamente, Afonso.

      Porque também assisto !!!

  • Diogo Márcio

    Notícia do Pinheiros!

    Ednéia (ex-Sollys-Osasco e também já teve passagem pelo MRV-Minas) e Barbara (remanescente da equipe) as meios de rede do Pinheiros.

    http://melhordovolei.us/images/stories/Barbara_kaka_Edneia%20-%20Melhor%20do%20Volei.jpg

    P.s. Se vocês souberem de mais informações comenta no 1° post do blog do Dani! ;D

  • Paulo

    Já viu essa enquete do UOL, Daniel?

    “Qual jogador(a) mais importante da história do vôlei brasileiro?”
    Por enquanto, Mari, Sheilla, Ricardinho e Venturini nas primeiras posições.

    Minha humilde análise. É incrível a força do vôlei feminino na internet. Quem assiste as mulheres procura muito mais informações, é muito mais fanático, quer saber de bastidores, “briga” por seus preferidos. Mari, Sheilla e Paula são os maiores “expoentes” disso. Quem gosta de vôlei masculino entende muito menos, é mais “povão”. E esse povão nutre uma simpatia muito grande por Ricardinho. Bem mais do que por Giba e Murilo, queridos da imprensa. E Venturini, ah, é Venturini. Ela está em todas. rs

    • Mauricio

      talvez porque o vôlei masculino ainda seja mais reconhecido do que o feminino, ainda. o interessante é que tanto o ricardinho quanto a venturini são lembrados muitos mais pelas discussões em que estão envolvidos do que pelo voleibol em si. eles sempre são citados ora para criticar o bruno rezende + bernardinho, ora para cutucar o zé roberto guimarães.

      acho que se tivessem colocado o bernardinho na lista, haveria uma briga entre ele e o ricardinho, não?

      engraçado a mari estar em primeiro, uma vez que é uma jogadora quieta, na dela, sem muita exposição, fechada, e não é chamada para fazer propaganda, como acontece com os jogadores giba, gustavo, etc.

      será que as pessoas a associam (a mari) com superação, volta por cima? muito curioso isso.

    • Afonso (RJ)

      Para mim, o jogador mais importante foi o Bernard da seleção de prata. Vou explicar, para os mais novos:
      Foi aí, juntamente com Xandó, William, Montanaro e outros, qe houve o primeiro grande impulso do vôlei brasileiro. O Bernard dava um saque de baixo para cima, que a bola ganhava uma altura enorme, caía de forma meio bamboleante dificultando a recepção ao extremo. Não podia ser dado em qualquer ginásio, por causa da altura. Era apanágio do Maracanãzinho, e a torcida simplesmente entrava em delírio.
      Por analogia com uma série de sucesso da época esse saque foi batizado pelos locutores de “Jornada nas Estrelas”, devido à estonteante altura que a bola atingia. Pelas mesmas razões, o saque tipo “spike” (dado quase que de cima para baixo) que também iniciava na época, foi batizado com o nome de outra série televisiva que era “Viagem ao Fundo do Mar”. Daí o termo “saque viagem” tão querido por certos locutores atualmete (“Viagem balanceado” é uma besteira sem tamanho).
      A popularidade do vôlei era tão grande na época, que chegaram a jogar partida de exibição contra a Rússia no Maracanã!! Não posso afirmar, mas talvez tenha sido o record de público para uma partida de vôlei, quiçá jamais superado.
      Por suas contribuições para a popularização do esporte, pelas suas “invencionices” e porque não, pela sua técnica e malícia, considero o Bernard um dos jogadores que mais fizeram pelo vôlei nacional. Afinal, prata olímpica também não é pouca coisa.

  • Paulo

MaisRecentes

Camponesa/Minas quebra longa invencibilidade em Osasco



Continue Lendo

Placar RedeTV!: Futebol 2 x 0 Vôlei



Continue Lendo

Dentil/Praia Clube e Sesc abrem vantagem



Continue Lendo