Vaivém: William vira assistente do São Bernardo



O ex-levantador William Carvalho será assistente técnico da equipe feminina do São Bernardo na temporada 2014/2015.

Ele foi anunciado hoje pelo time do ABC, que será comando por Flávio Aniceto. Como já aconteceu em outras passagens, William terá a companhia da filha Stephany, ex-Vôlei Amil, no elenco.

O São Bernardo também confirmou parte do elenco:

Levantadoras: Larissa Latinofe (ex-Sport) e Sabrina Carioca

Oposto: Wime

Pontas: Paula Morh (ex-Molico/Osasco), Ciça (ex-Rio do Sul), Mari Helen e Grazi

Centrais: Vivi Góes e Bianca

Líberos: Teny e Dalila

 



  • Paulo

    E a Kátia, se aposentou? Se o último clube da Larissa Latinofe foi o Sport ela não deve jogar a tempos…

  • Eduardo

    Daniel, vc sabe se o Camponesa Minas tem a intenção de levar mais alguma jogadora ou o elenco se fechou cm a Walewska? Abraço

  • klaus

    Daniel,sei que não tem nada a ver com o post, mas gostaria de lhe pedir que desse alguma informação a respeito da possível naturalização do Leal.Faço esse pedido a você porque sei que é um jornalista sério e confio no que você escreve.Agradeço pela atenção.

  • Guilherme

    Daniel, alguma notícia da equipe de Canoas?
    Até agora saíram Enrico, Luan, Giovanni, Salsa e Temponi.

    • Daniel Bortoletto

      E Rafa

      • JR

        Tá complicado de sair uma novidade no Canoas! Mesmo já não tendo tantas opções no mercado, ainda dá para montar um bom time, com Murilo, Gustavo, Jeffe, Minuzzi e apostaria no jovem da casa Rafael para fazer dupla com o Gustavo. E para a outra ponta e a saida de rede o jeito seria ir atrás de dois estrangeiros.
        O Rafa vai jogar no Voleisul, de Novo Hamburgo.

        • Luciano

          É Daniel, gostaria mesmo de saber sobre o Canoas, pois o time está se desmanchando e outros jogadores de potencial não estão sendo anunciados. Pelo que vejo teremos 4 times de ponta para brigar diretamente pelo título e 8 times que podem atravessar um ou outro candidato a campeão.

  • Rodrigo Coimbra

    Daniel, vc sabe quando o Maranhão Vôlei/Cemar vai ser apresentado??

    Gostei muito das contratações e com toda certeza desta vez não fará feio na #SuperLiga, só faltou uma central mais experiente.
    Centrais: ADRIANI, 22anos, convocada para seleção sub22; TACI MENEZES, 22anos, extremamente alta maior que a Thaisa 1cm, com certeza uma promessa na posição e LARISSA, 22anos, ex-Osasco deve render muito.
    Levantadora: Ana Maria, 28anos, muito habilidosa e com certeza titular absoluta com a reserva Thaynã.
    Oposta: Eli Paulino, 33anos, forte e experiente, acho que irá brigar pela titularidade com alguma ponteira.
    Libero: Fernanda Silva, ex-São Bernardo boa na recepção e Fernanda ex-Brasília boa na defesa.
    Ponteiras: Nikole xodo da torcida renovou, Daniele (Perê), 28anos, conhecida pelo braço pesado na SuperLiga B e com certeza irá brigar pela posição de oposto, Paula (Pully), 28anos bom ataque e habilidosa no fundo de quadra, talvez titular ao lado da estrela do time Mari PB, 28anos, e na minha opinião tem chances de brigar por uma vaguinnha na seleção caso jogue o que sabe!

    • Edu

      O lugar que a Mari Paraiba pode brigar com folga junto com a Lara Nobre e Luciane Escouto, é na seleção das maiores beldades do vólei brasileiro.Mari tem um problema cronico de desgaste das cartilagens nas patelas(joelhos) que a impedem de ter uma longevidade plenamente saudável e regular durante uma temporada inteira.

  • Edu

    William prometia muito como técnico.Foi da tríade dos melhores levantadores do voleibol brasileiro junto com Mauricio e Ricardinho. Contemporâneo do Bernardo – seu reserva.A diferença técnica entre ambos fazendo uma comparação próxima e atual é a mesma entre o Kristensen e a do Bruninho na partida da decisão da Liga Mundial.Não seguiu a regra absoluta de que um grande jogador naturalmente tem potencial para ser um grande treinador.Mais que um grande jogador William foi um grande capitão e líder da seleção brasileira no seu tempo de atleta.Dois fatos interessantes sobre sua vida foram o rompimento da amizade(hoje cordial) por longos anos com Montanaro seu mais próximo amigo e companheiro de time e na seleção brasileira.No ápice da chamada geração de prata – quando se conseguia lotar o Maracanãzinho em rodada de clubes – ambos decidiram abrir uma confecção de trajes esportivos explorando a imagem de ambos.Em razão da diferença de gestão comercial e financeira durante o negocio ficaram rompidos por anos e evitando a presença próxima em qualquer evento de volei.Segundo, a filha que mesmo tendo a genética do pai e da própria mae (Ciça) uma ex-jogadora profissional competitiva não herdou o talento do casal.Se tornando no começo uma levantadora abaixo da media e depois uma esforçada,no máximo, libero com serias dificuldades em se manter atleticamente em forma.

MaisRecentes

O novo conceito da FIVB para 2018



Continue Lendo

Apenas Lebes/Canoas faz o dever de casa na rodada



Continue Lendo

Um líder por pontos ganhos. Outro por pontos perdidos



Continue Lendo