Vaivém: Rizola e as novidades do São Cristóvão/São Caetano



O São Cristóvão/São Caetano confirmou, nesta quarta-feira, o acerto com o técnico Antonio Rizola e boa parte do elenco para a temporada 2018/2019.

Com o patrocínio renovado por mais um ano, o projeto do ABC Paulista convenceu Rizola a voltar a comandar uma equipe na Superliga após oito anos, conciliando o trabalho que já faz à frente da seleção colombiana feminina rumo aos Jogos Olímpicos de 2020.

– Vamos jogar com uma equipe jovem, mas nele as atletas terão chances de projeção. Vamos brigar para estar no playoff da Superliga, dentre as oito forças do vôlei feminino brasileiro. São Caetano é como minha segunda casa e me alegra trabalhar com um patrocinador sólido e presente, como o São Cristóvão Saúde – comentou o treinador, que já trabalhou em São Caetano do Sul entre 2006 e 2010.

Rizola volta a trabalhar em São Caetano do Sul (Divulgação)

Na montagem da equipe, o São Cristóvão/São Caetano manteve jogadoras importantes do elenco de 2017, continuará com a base de jovens atletas (sub-21 e juvenil), e terá duas jogadoras estrangeiras.

Foram mantidas as pontas Sonaly e Fernanda Tomé, além da líbero Andressa Krachefski. Foram contratadas a ponta/oposto Dayse, ex-Bauru, e a central Fernanda Isis, ex-Hinode/Barueri.

– Elas são experientes e vão somar muito – disse Rizola.

Já as estrangeiras são bem conhecidas do treinador, por defenderem a seleção colombiana. A levantadora Maria Alejandra, de 22 anos e 1,80m, esteve na temporada passada na equipe de São José dos Pinhais (PR) e disputou a Superliga B. Já a oposto Dayana Segovia, de 22 anos e 1,84m, chega para sua primeira experiência no vôlei brasileiro.

– A equipe já tinha uma base boa. Dentro de nossas condições financeiras, buscamos a Maria Alejandra – que jogava na França quando cheguei na Colômbia – e também a Dayana, que fez sua segunda temporada na Alemanha. São boas jogadoras, que ajudaram a levar a Colômbia ao inédito vice-campeonato sul-americano.

O time ainda é formado por jogadoras da base como a central Diana Duarte Alecrim (1,92 m) e as ponteiras Karina Barbosa (1,79 m) e Duda de Oliveira (1,82 m), todas com 19 anos; as levantadoras Ana Flávia Galvão, 21 anos, e Gabriela Pontes, de 19 anos; e a líbero Paulina Rogério de Souza, que é sobrinha da campeã olímpica Fofão. Kizi do Nascimento, oposto, de 18 anos e 1,89 m, é a caçula do grupo.

LEIA TAMBÉM

+ Minas confirma mais dois reforços



MaisRecentes

Brasil se recupera, vence o Canadá e ainda pode ser 1º do grupo



Continue Lendo

Brasil perto da definição da lista para o Mundial feminino



Continue Lendo

Jogador brasileiro é encontrado morto na Espanha



Continue Lendo