Vaivém: Renovações no RJX



Mais dois nomes estão certos no RJX para a temporada 2013/2014: os centrais Riad e Ualas.

Eles se juntam ao recém-contratado Maurício, ex-Vivo/Minas, que chegará para substituir Lucão.

Nos próximos dias, o líbero Mário Júnior também irá assinar sua renovação contratual.

Com o acerto com alguns apoiadores durante a semana, fazendo com que a diminuição do orçamento da OGX fosse minimizada, os dirigentes do RJX também avançaram nas negociações com Thiago Alves e Theo.



  • Marcelo

    Theo? Naoooooooooooooooooooo

    • junihum

      não mesmo..!

      • Marcelo

        Esperava pelo menos um outro oposto…assim nao da…

        • Krishna

          Com Lorena sem time, querem deixar o (Pas)Théo? Faça-me o favor.

  • Marcelo

    Daniel boatos de reforcos do RJX nada? Dante saiu Sens vai ser o titular?

  • Quem o Cruzeiro pode contratar como Ponteiro Daniel? Existe ainda a possibilidade da chegada de mais um central? E o Simón? Como anda as negociações para o Mineirinho ser sede do Mundial de Vôlei de Clubes, dando assim a vaga para o Cruzeiro? Desde já agradeço.

  • Emanuella

    acho bom que o Riad tenha ficado, e o Mauricio é uma ótima contratação. Agora é esperar quem vai substituir o Dante. Acho que será um time competitivo, mas estará longe do Sada e do Sesi. Vai estar no nível do Minas.

  • Ana Laura

    Obrigada,Daniel! Considero seu blog como uma das pouca fontes confiáveis no volei. Boa Sorte ao RJX aos seus novos apoiadores e a OGX que continua com o time.
    PS. Parabéns a IMX Talent que conseguiu apoiadores num espaço de tempo tão curto.

  • Leo

    Porque o vôlei brasileiro com tanto destaque internacional em olimpíadas e mundias vive sempre nesse perrengue?
    Como desenvolver o vôlei no mundo inteiro, estimular a globalização do esporte, se somente a Europa é privilegiada?
    No GRAND PRIX feminino houve também o aumento de 16 para 20 vagas, porém as 4 seleções a mais que foram convidadas pela FIVB são europeias.
    Outro exemplo de benefício europeu e que muita gente tem comentado, acontece no Mundial de Clubes:
    A FIVB convidou o Trentino, europeu, para defender seu título mundial, porém não fez o mesmo com o Sollys, sulamericano, que até agora não recebeu convite para defender seu título.
    E olha que o Sollys é um representante do vôlei feminino brasileiro bicampeão olímpico, hein!
    Porque logo agora que o presidente da FIVB é um brasileiro esse favorecimento aos europeus está mais gritante?
    Porque a FIVB não faz jus ao nome e se torna uma Federação realmente internacional?
    A FIVB é formada pelas seguintes Confederações que representam os países dos seguintes continentes:
    1. NORCECA: América do Norte e América Central;
    2. CSV: América do Sul;
    3. CAVB: África;
    4. CEV: Europa;
    5. AVC: Ásia e Oceania.
    A ÁFRICA vinha sendo representada na LIGA MUNDIAL pelo Egito.
    Porém, por motivos políticos, o Egito desistiu de participar da LIGA MUNDIAL/2013.
    Em vez de convidar uma outra seleção africana para substituir o Egito, a FIVB cedeu a vaga africana para mais uma seleção europeia: Portugal.
    As seleções de vôlei masculino mais tradicionais da África são Tunísia, Argélia, Camarões e Egito, que tem mais títulos no continente e, não por acaso, foram as semifinalistas do último campeonato africano.
    Não sou afro-descendente, sou de família portuguesa, mas nem por isso acho justo que Portugal herde a vaga africana da LIGA MUNDIAL. Porque não convidar a Argélia, Camarões ou Tunísia para substituir o Egito?
    Qual o sentido do nome LIGA MUNDIAL se a África não se encontra representada?
    Na verdade deveria se chamar LIGA EUROPEIA e CONVIDADOS, porque apesar de ter aumentado o número de vagas de 16 para 18 seleções, a distribuição é extremamente desigual:
    – Das 18 seleções, mais da metade são europeias: 10. O resto do mundo ficou com apenas 8 vagas;
    – A África, que é o continente com maior número de países independentes: 53, teve sua única vaguinha cedida à Europa.
    O colonialismo europeu continua no esporte?
    Mesmo tendo sofrido tantos anos de exploração europeia e escravidão, os africanos continuam sendo “barrados no baile” esportivo?

  • carlos antonio pereira

    Pode parecer , mas não é injusto a Europa ficar com a maior parte das vagas nas competições mundiais. Hoje o campeonato Europeu é o mais equilibrado do mundo, as vagas eram poucas e boas equipes ficavam de fora. No feminino Rússia, Itália, Turquia, Sérvia, Alemanha, Polônia, R. tcheca e Bulgária tem um nível semelhante e muitas dessas equipes ficam de fora. Não é uma seletiva óbvia como a Sul-americana onde o Brasil não tem dificuldade nenhuma para se classificar. O nível do voleibol Africano e Sul-americano é fraquíssimo. Não acho que seja um incentivo dar vaga para um time participar sem que o mesmo tenha as minímas condições de competitividade . Só enfraquece o nível dos torneios pois ninguém aguenta ver jogos ruins. A única solução para esses países é investir em suas categorias de base, formar equipes competitivas e depois migrarem para competições de nivel internacional.

    • Neide

      Querido claro que é injusto, um Campeonato Mundial tem, antes de mais nada, o objetivo de fazer intercâmbio entre os continentes, caso contrário seria um campeonato regional.
      É por isso que existe o Campeonato Europeu, lá só vão participar as equipes europeias. Já se o nome do torneio é Liga Mundial, não há como a África ficar de fora, senão troque o nome para Liga Regional.
      Veja o exemplo do Mundial de Clubes da FIFA, tem uma equipe representante de cada Confederação Continental, por se tratar de um torneio Mundial.
      É óbvio que a Champions League europeia tem mais times com maior nível técnico, mas se fosse fazer um Mundial só com times da Europa, deixaria de ser Mundial somente pelo fato dos outros continentes não estarem representados, entendeu?
      Outro exemplo é a Copa das Confederações FIFA, se não houvesse representantes de cada Confederação Continental seria uma Eurocopa e não uma Copa das Confederações, entendeu?
      Mesmo a Eurocopa tendo mais times com maior nível técnico, ela não passa de um torneio regional.
      Em torneios Mundiais, o objetivo é globalizar o esporte, dar oportunidades de seleções de diferentes partes do mundo fazerem intercâmbio, se confraternizarem através do esporte.
      Porém se África é deixada de lado como aconteceu na Liga Mundial, isso é injusto sim.
      Afinal, os africanos sempre foram explorados e marginalizados pelas nações europeias, será que isso deve permanecer também no esporte?

MaisRecentes

O tetra está vivo! Sada/Cruzeiro na semi do Mundial



Continue Lendo

Uma vaga aberta na semi do Mundial: a do Sada/Cruzeiro?



Continue Lendo

Sada/Cruzeiro sofre com o “próprio veneno” no Mundial



Continue Lendo