Vaivém: Principais times femininos do Brasil com muitas mudanças



A temporada 2017/2018 do vôlei feminino no Brasil terminou com o título do Dentil/Praia Clubes neste domingo. E a 2018/2019 já está a pleno vapor no mercado.

Diferentemente de outros anos, com renovações contratuais e poucas mudanças de peso, desta vez o vaivém de atletas está intenso.

O campeão nacional Praia não foge à regra. A levantadora americana Carli Lloyd, a central Carol e as pontas Rosamaria e Michelle deverão desembarcar em Uberlândia após as competições de seleções. Com a manutenção de Fernanda Garay, Fabiana e Suelen já dá para montar um time bem respeitável. Paulo Coco ainda deve contar com peças de reposição no banco de reservas, como a central Fran (Hinode/Barueri) e a oposto Paulo Borgo (Vôlei Nestlé).

Lloyd

Lloyd em ação por Barueri. Praia é o novo destino (Wander Roberto/Inovafoto)

Terceiro colocado na Superliga, o Camponesa/Minas passa por uma renovação com foco inicial no Campeonato Mundial de Clubes. E, com a manutenção do principal patrocinador e uma verba extra liberada pelo clube, a diretoria foi às compras. E, apostando alto, pretende anunciar em breve as selecionáveis Gabi e Natália. Elas ainda irão se juntar à oposto Bruna Honório, que vem de ótima Superliga pelo Pinheiros, e a ponta holandesa Anne Buijs. E Stefano Lavarini ainda pretende encontrar mais uma estrangeira, além de manter a central Carol Gattaz. Peças à altura para substituição de Hooker, Newcombe, Rosamaria e Pri Daroit.

Gabi, do Sesc para o Minas (Washington Alves)

Principais protagonistas do vôlei brasileiro nas últimas décadas, Sesc e Osasco vão sofrer mais do que o normal no mercado. O time carioca, se nada mais acontecesse, já sofreria para repor a aposentadoria da líbero Fabi. Para piorar vê Gabi perto do Minas. Bernardinho sabe que o ponto de partida é manter suas demais peças-chave: Roberta e Drussyla são duas delas. Do maior rival deve chegar a central Bia, melhor bloqueadora da Superliga, para fazer dupla com Mayhara, premiado pela performance nesta temporada.

Já Osasco, após o fim do patrocínio da Nestlé, deve fazer anúncios importantes na semana. Inicialmente o da continuidade do projeto. Na sequência começará quase do zero a montar um novo elenco. Com boa participação na Superliga, a ponta Mari Paraíba é uma das garantidas. A outra é Camila Brait, uma das marcas registradas do projeto de Luizomar de Moura.

Quinto colocado na atual temporada, o Hinode/Barueri já anunciou que pretende dar um passo a mais em 2018/2019. Ou seja: estar ao menos na semifinal na próxima Superliga. O primeiro passo deve ser a confirmação de Dani Lins, de volta após o nascimento da primeira filha. Ela já faz o trabalho de preparação física com José Elias de Proença. Jaqueline, recentemente convocada para a Seleção como líbero, deve permanecer, mas na nova função. Uma boa aposta é a contratação de Milka, central com boas atuações pelo Pinheiros na atual Superliga. Quem também deve desembarcar em Barueri é Amanda, campeã pelo Praia. E mais mudanças estão por vir.

LEIA TAMBÉM

+ Fabi, obrigado por tudo. Assinado: vôlei mundial



MaisRecentes

Vaivém: Hooker veste a “camisa” de Osasco



Continue Lendo

Brasil se recupera com 3 a 0. Mas não foi assim tão fácil



Continue Lendo

Uma satisfação



Continue Lendo