Vaivém: Mobilização em Maringá



O futuro do Maringá ainda é incerto para a próxima Superliga. O time continua existindo, mas o tamanho do orçamento impede que se diga atualmente qual será o nível do elenco que o técnico argentino Horacio Dileo terá para comandar.

Com a saída da Ziober como patrocinadora master, o Maringá tem garantido um orçamento de pouco mais de R$ 1,5 milhão, que não permitiria repetir o nível dos jogadores da temporada passada.

Enquanto busca um novo patrocinador master, a diretoria viu a fanática torcida se mobilizar para tentar ajudar. Desde segunda-feira, torcedores entraram em contato até com o prefeito de Maringá, Roberto Pupin, pela página oficial dele no Facebook, pedindo apoio municipal para incentivo ao esporte. O prefeito respondeu alguns fãs e prometeu ajudar. A torcida também enviou mensagens para algumas das maiores empresas da cidade, pedindo que estudassem propostas de patrocínio. Uma delas, do ramo alimentício, respondeu, e a proposta já foi encaminhada.

Outra medida que um grupo de torcedores está prometendo é um abaixo-assinado. Eles apontam o time de vôlei como um “bem imaterial” da cidade, que fez Maringá voltar ao cenário esportivo nacional justamente pela criação montagem da equipe, presidida pelo levantador Ricardinho.

Maringá foi oitavo colocado na temporada 2014/2015, e na última temporada terminou a competição em sexto lugar, após perder para o Sesi por 2 a 1 na melhor de três pelos playoffs da Superliga.



MaisRecentes

Brasil bateu recordes no Pan. Mas os vôleis ficaram devendo



Continue Lendo

Coluna: Brasil precisa aprender a perder



Continue Lendo

Passe virou a dor de cabeça do Brasil



Continue Lendo