Vaivém: Giovane deixa o comando do Sesi



É oficial. O time masculino do Sesi não será mais comandado por Giovane Gávio.

Em nota oficial divulgada no início da noite, o clube paulistano disse o contrato dele não será renovado para a temporada 2013/2014.

Pelo Twitter, após a eliminação na semifinal da Superliga diante do Sada/Cruzeiro, o ex-atacante já havia feito uma espécie de despedida. Reproduzo abaixo o que ele escreveu, sem mexer nos textos:

“Mais uma temporada se passou! Acertamos, erramos, aprendemos muitas coisas e com certeza lutamos muito para chegarmos no nosso máximo! Mas não conseguimos! Obrigado a Fiesp (Paulo Skaf) obrigado Sesi! Obrigado a todos que participaram dessa odisséia! Obrigado principalmente aos jogadores e CT que me apoiaram e se deram de corpo e alma pra esse time! Obrigado tb torcida que fez seu papel! Sigo em frente com cabeça erguida, coração triste, mas com enorme sentimento de que precisamos aprender mais, melhorar e continuar lutando! Foi um orgulho trabalhar com tantas pessoas especiais! Superando as dificuldades do dia a dia sempre com comprometimento, suor e amor!”

Porém, também via assessoria, Giovane disse estar surpreso com saída.

– Fui pego de surpresa com essa notícia, a reunião era para falar sobre a próxima temporada, não imaginava que eu não faria mais parte. Mas a profissão tem dessas coisas, a posição de técnico está sujeita a isso, e agora já começo a pensar no futuro, num projeto novo – comentou o treinador.

A nota oficial do Sesi também deixa claro que o time continuará na próxima temporada.

 



  • Adriano

    Muito surpreendente, eu achei, apesar dos maus resultados dos últimos 2 anos. Não sou fã do Giovane e nem acho ele tão bom técnico assim, mas é bem claro que ele tinha uma identificação grande com o time, desde o início do projeto.

    Agora todo mundo olha pro lado e se pergunta: será que o Talmo é o próximo? Quer dizer, pareceria um pouco incoerente cortar o Giovane e manter o Talmo, não?

  • Melina

    Eu imaginava que haveria uma grande reformulação no Sesi, mas não que o Giovane sairia. Imagino que o próximo deva ser o Talmo.

  • romano

    o projeto de time que o Giovane tinha se desgastou, apostava num ótimo fundo, com Serginho e Murilo, que também “dirigiam” um pouco o time, e no caso do Murilo ele não está jogando o seu melhor e o Serginho sentiu no final da temporada. Também sempre precisaram de um oposto matador e centrais fortes, mais de ataque que bloqueio, para rodar a bola, como o Sidão. Parece que o desejo é reformular tudo, tomara. Nos tempos, quando a câmera mostrava as instruções ele nunca era muito objetivo, era sempre na base da empolgação, do “vamos lá”, não parecia saber direito o que fazer…

    Já li em algum lugar que no feminino do Sesi o Rubinho era o cotado para o lugar do Talmo, o que é seria uma [boa] novidade, ele dirigia o time masculino do São Bernardo.

    Será o Marcos Pacheco o novo técnico do Sesi? Ele não fez uma boa temporada com o time do Medley/Campinas, tem também o Cesar Douglas. Mais alguém?

  • Juju

    Agora só falta o Talmo. Todo respeito a Giovane, mas como técnico, ele precisa estudar um pouco mais. Tudo bem que o time teve problemas com contusões, mas mesmo assim ele falhou por não conseguir ter um bom grupo e não só bons jogadores titulares. Boa sorte a ele no próximo projeto.

  • Marcos

    Pois é. Eu havia falado isso. Se você analisar friamente, o SESI tem razão. Apesar dos desfalques, o Giovane e o Montanaro tinham verbas praticamente ilimitadas para montar o time e cometeram muitos erros. O maior deles, a contratação de uma dupla de loucos desequilibrados (Lorena e Cleber) para juntar com os que já estavam (Léo, Sidão, Serginho) e os que não param de reclamar com tudo (árbitro, técnico, companheiros, adversários, torcida,…): Murilo e Sandro. Fora isso, trocar o Wallace pelo Lorena é fria e todo mundo sabia. Mais: já tinham centrais de alto nível e optaram em gastar com o Eder ao invés de um oposto reserva de qualidade.
    Não sei exatamente como funciona, mas o Giovane tem sua responsabilidade na montagem da equipe, e ele falhou
    Fora isso, durante os jogos, ele errou bastante taticamente, mas o principal, no meu entendimento, foi o desequilíbrio emocional dele e do time que decretou sua demissão. Em muitas partidas o SESI deu vexame (o maior deles foi a briga na final do paulista, mas houve outros) e a entidade certamente não aprova esse tipo de coisa, pois pega muito mal na imagem.

    Enfim, eu já imaginava isso, mesmo ninguém concordando comigo (se tiverem curiosidade, leiam os comentários no post após a 1a partida das quartas de final, quando o Sesi perdeu para Canoas: http://blogs.lancenet.com.br/volei/2013/03/10/sim-nos-temos-um-playoff/ )

    • Euri

      Tirando essa parte de “loucos desequilibrados”, eu concordo com os comentários. Eles não souberam montar o time e tinham uma equipe forte na primeira superliga deles. Além de não terem conseguido recuperar os jogadores das lesões. O MInas jogou a primeira etapa da fase classificatória sem alguns jogadores e, mesmo tendo sacrificado algumas posições na classificatória, conseguiu trazer os jogoadores bem fisicamente para a fase final.
      O time feminino do Sesi teve o mesmo problema. A Elisangela não jogou nada a superliga toda e a Sassá também não ajudou. E o time não tinha reserva para compensar. Se o Talmo não sair também, vai ser uma grande injustiça.

  • Eduardo Pacheco

    Daniel nada a ver com o post mas procurei e não encontrei. Você conhece algum jornalista estrangeiro que tenha um blog somente de vôlei nos mesmos moldes do seu? De algum centro importante do vôlei por exemplo como a Itália. Obrigado

  • Emanuella

    acho que o Giovani devia permanecer no projeto, afinal esse time só existe por causa dele, Giovani tem o poder de conseguir muito patrocínio para o time.
    Mas como técnico não dava para ele mesmo.

  • volleyball

    Contrata o Jarbas Soares.

    Ele trabalhou ao lado do Cebola na do Minas que foi tricampeã da superliga.

MaisRecentes

Bento fora da Superliga. Castro já comemora vaga



Continue Lendo

Semana positiva das Seleções adultas



Continue Lendo

Coluna: O polêmico teste na regra do vôlei



Continue Lendo