Vaivém: Canoas oficializa Fronckowiak como técnico



Agora é oficial.

Marcelo Fronckowiak, como antecipado pelo blog na semana passada (http://blogs.lancenet.com.br/volei/2015/05/08/vaivem-novidade-em-canoas/), é o novo treinador do Canoas.

Ele já trabalha na montagem do elenco com a missão de substituir os dois ícones do projeto: Gustavo e Roberto Minuzzi, que se aposentaram.

O treinador guarda uma ligação afetiva com Canoas, já que foi bicampeão nacional pelo extinto time da Ulbra, em 98 e 99. Depois virou assistente e comandante do time, que seria campeão novamente na temporada 2002/2003.

– É uma alegria e um orgulho voltar à cidade que me projetou e a aderir a um projeto que recuperou o voleibol no Rio Grande do Sul. Tenho certeza que vamos escolher o melhor grupo possível para atingir os objetivos e dar o retorno esperado aos nossos parceiros e aos nossos torcedores – avalia Fronckowiak.



  • Juliano

    Tinha comentado antes, mas na hora de enviar a internet caiu aqui KKKK.

    Bom, de novo…

    O Canoas nunca precisou do Marcelo. Com todo o respeito à carreira dele, o antigo técnico era muito bom.

    Ele simplesmente recuperou Quiroga (fez uma temporada decepcionante pelo Maringá) e Barth (muito apagado nas últimas temporada). Apresentou ao vôlei brasileiro um bom levantador (esqueci o nome) e um excelente ponteiro juvenil, o Alê.

    Conseguiu, com o elenco bem eliminado, classificar com tranquilidade na Superliga e ainda arrancar uma vitória do Taubaté nas quartas.

    Com o que tinha, a comissão técnica do Maringá merecia era ser prestigiada e ter seu trabalho continuado. Foi muito bem e tirou leite de pedra, como dizem.

    O Canoas não poderia fazer milagre com elenco. Apesar de sempre contar com um excelente Dennis, ele não dá conta de resolver tudo. O time contava com um outro ponteiro (esqueci o nome dele) e o central Gustavo em fim de carreira, lentos e sem jogos de alto nível.

    Não há o que reclamar. Não tinha o que melhorar na parte de orientação técnica.

    O que sempre faltou foi maior investimento no ELENCO e toda a estrutura em si.

    É uma tentativa, frustrada obviamente, de procurar uma falha em algo inexistente. O técnico nunca foi o problema do Canoas.

    Time, com todo respeito, muito mal planejado nesta parte. Não há confiança e continuidade alguma, já que troca mais de técnico do que todos os demais times da Superliga (talvez o SJC vá superá-lo, quem sabe…).

    Não estamos falando de futebol, em que há grandes elencos em todas as direções e que uma troca de técnico pode mudar tudo. É vôlei. Trata-se de falta de investimento no próprio plantel de jogadores. A base começou a ser criada no ano passado.

    Mais uma vez, com todo o respeito ao Marcelo, mas parece mais uma troca por conexões, do que por necessidade. Canoas não precisava disso.

    Respeite mais quem está fazendo até o quase impossível pelo clube. Que coisa chata, hein!

    • Juliano

      OBS: Onde coloquei Maringá, leia-se Canoas. No lugar de “eliminado”, queria dizer “limitado”.

    • Osmar Cordeiro

      Concordo com você Juliano . Temos que lembrar que o Canoas foi a última equipe a montar o elenco tanto é que o time não inicio bem a temporada , mas depois foi ganhando ritmo de jogo e se tivesse o mesmo tempo das outras equipes poderia quem sabe brigar com o Campinas e Minas .

    • Paulo

      Perfeita análise! Já foi assim com Marcelinho Ramos que já havia colocado a equipe nos playoffs na 6ª colocação na temporada 2013/2014 com uma equipe também bastante limitada.

    • Rômulo

      Concordo com tudo também. O trabalho técnico do Canoas parece ter sido feito muito bem – foi óbvio o crescimento do time quando todos os jogadores estavam disponíveis para jogo e após a efetivação do Evandro como titular. Estavam brigando de frente com todo time que não era o Sada. Os únicos problemas realmente eram a falta de um banco eficiente e a deficiência no bloqueio (por mais que goste do Gustavo e ache que o Barth fez uma boa temporada, um time ganhar um jogo de playoffs contra Taubaté com nenhum ponto de bloqueio continua sendo bizarro).

  • Paulo Torres

    Não sabia da aposentadoria do Minuzzi. É um dos jogadores que mais gosto no país, foi fundamental para o Minas em meados da década passada e tem uma grande história de superação no currículo!

MaisRecentes

Dentil/Praia Clube e Sesc abrem vantagem



Continue Lendo

Corinthians faz melhor jogo na Superliga



Continue Lendo

Coluna: A imprevisível Superliga feminina



Continue Lendo