Vaivém: Camponesa/Minas confirma Gabi. Ela revela motivos do acerto



Com uma interessante ação nas redes sociais, o Camponesa/Minas anunciou, nesta quinta-feira, a ponta Gabi como reforço.

O clube mineiro usou o outro reforço de peso para a temporada, a também ponta Natália, para interagir com os fãs no meio da manhã. Na sequência, a própria Gabi respondeu, com um vídeo publicado no Facebook.

Gabi já realizou exames médicos no clube e será apresentada após os compromissos da Seleção Brasileira na Liga das Nações.

Natália na ação pré-anúncio de Gabi (Divulgação)

Gabi, que fará aniversário de 24 anos no sábado, voltará a Belo Horizonte após sair com sonhos de uma jovem e voltar consagrada.

Ela soma cinco títulos da Superliga e quatro do Sul-americano com o Sesc (e seus mais diversos nomes nos últimos anos). Ontem, ela se despediu do time e da torcida carioca. Pela Seleção, ela é tricampeã do Grand Prix (2013, 2014 e 2016), bicampeã sul-americana (2013 e 2015), bronze no Mundial (2014) e no Grand Prix (2015) e, ainda, prata na Copa dos Campeões (2017).

Gabi é o sexto reforço do Minas para as disputas da Superliga, prevista para começar em outubro; do Campeonato Mundial de Clubes, em dezembro, na China; do Campeonato Sul-Americano e da Copa Brasil, ambos previstos para 2019. O clube já anunciou as ponteiras Natália e Lana, as opostos Bruna Honório e Malu e a levantadora Bruninha. Além dos reforços, permanecem na equipe do técnico italiano Stefano Lavarini as centrais Carol Gattaz, Mara e Mayany, as líberos Léia e Georgia e a levantadora Macris.

A assessoria do Minas divulgou uma entrevista com Gabi. Confira abaixo, na íntegra:

Como é voltar a morar em Belo Horizonte e do que mais você sentiu falta?
Estou muito feliz por voltar para casa. Foram seis anos fora, com muitas viagens com a seleção e com o Rio, longe da minha família, dos meus amigos de infância e eu não poderia perder essa oportunidade de voltar para BH, de ficar pertinho desta torcida mineira, que sempre torceu muito por mim. Todas as vezes que vim jogar contra o Minas, recebi muito carinho, os torcedores sempre pediram para eu voltar para a minha terrinha. Então, aqui estou, muito motivada e animada para a nova temporada.

O que mais mudou na Gabi que saiu de BH, há seis anos, para a Gabi de agora?
Eu brinco muito que, quando fui embora, eu era uma criança, com muitos objetivos, muitos sonhos, querendo evoluir e buscar status na seleção brasileira. Felizmente, consegui alcançar vários desses objetivos. Hoje, volto com metas ainda maiores, de conquistar mais títulos com a seleção e, agora, com o Minas. Me sinto uma mulher madura, muito mais preparada para encarar novos desafios. Estou em busca dos meus sonhos, que é ganhar uma medalha olímpica e, neste ano, temos o Mundial de Clubes, que é outro desejo para a minha carreira. Estou preparada para encarar esses desafios de frente.

Gabi com a camisa do Camponesa/Minas (Divulgação)

O que você sabe e conhece sobre o Minas?
Joguei muitas vezes contra o Minas. E, desde criança, sempre tive o desejo grande de jogar aqui. Sei que a estrutura é fantástica, que a torcida do Minas é muito fanática, calorosa e torce muito. Além disso, o Minas é de muita tradição no vôlei, sempre investiu bastante no esporte brasileiro e é nisso que eu acredito e venho buscar. Quero incentivar novas gerações, assim como outras gerações me incentivaram. A Sheilla, por exemplo, quando jogou aqui, foi inspiração para mim e para outras jogadoras. Quero buscar isso e, quem sabe, conseguir inspirar outras atletas aqui em Minas Gerais.

Quais fatores foram determinantes para você aceitar a proposta do Minas?
Eu conheço a seriedade que o Minas trata o esporte e, principalmente, a vontade de estar de volta em minha casa e ficar perto da minha família. Além disso, venho buscar títulos e evolução. Teremos a oportunidade de disputar o Mundial de Clubes e o Sul-americano, e o Minas sempre está na briga pelo topo. Quem sabe conquisto mais um título de Superliga, agora, pelo Minas?

Quais são as suas expectativas para a temporada 2018/19?
Excelentes! O Minas conquistou bons resultados na temporada passada e vem de boas colocações nas últimas Superligas. A expectativa é brigar por troféus. Consegui cinco títulos com o Rio de Janeiro e espero, no meu primeiro ano aqui, ser pé quente e conquistar mais um título importante para o Minas. A oportunidade de reeditar a dupla com a Natália, que é a minha melhor amiga, vai ser muito legal. Temos um entrosamento muito bom e vai ser fantástico jogar com ela e com a Carol Gattaz. As novas contratações do Minas e a formação do elenco foram fundamentais para a minha decisão de vir para cá. Enfim, acredito que vai ser uma temporada maravilhosa.

Você tem inúmeros fãs. De que maneira sua ligação com eles influencia em seu trabalho?
Tenho contato diário com meus fãs. Recebo muitas mensagens carinhosas e é muito legal. Esse contato não é apenas nos momentos de vitórias e títulos. Eles chegam nos momentos ruins também. É muito legal, porque a gente faz um acompanhamento de onde estão esses fãs e a maior parte deles está aqui, em Belo Horizonte. Então, fico muito feliz em estar perto deles de verdade, poder tirar mais fotos e retribuir todo esse carinho por mim. É uma motivação a mais.

LEIA TAMBÉM

+ Mercado agita no vôlei italiano



MaisRecentes

Coluna: Temos de falar sobre Douglas Souza



Continue Lendo

Atualização do ranking mundial mostra caminhos do Brasil para Tóquio-2020



Continue Lendo

Douglas Souza desbanca Lipe e Tandara na escolha do melhor do ano



Continue Lendo