Vaivém: A difícil equação do mercado feminino no Brasil



O fim do patrocínio da Amil ao time de Campinas “bagunçou” o mercado no Brasil, principalmente para jogadoras com mais pontos no ranking da CBV.

Algumas já haviam até recebido propostas do time do interior paulista. E ficaram a ver navios. Outras, que nem estavam nos planos do Vôlei Amil, também foram afetadas. Explica-se: com menos times capazes de pagar salários top, jogadoras tornam-se “reféns” (não interpretem ao pé da letra). Lei do mercado. Você recebe uma proposta mais baixa do que imaginava. Se não aceitar, o exterior passa a ser o destino. Muitas vezes, o único.

Uma equação difícil de fechar: grana + ranking polêmico com – vagas em times grandes = nó no mercado.

Vou citar o caso em particular aqui: Fabiana.

A central do Sesi foi um dos destaques da Superliga. Talvez esteja até no melhor momento da carreira. E assim valorizada após vencer o Sul-Americano e ser finalista do torneio nacional. Consequentemente, abriu o olho dos dois rivais do Sesi: Unilever e Molico/Osasco. Eu não me surpreenderei com ela em nenhum destes times citados.

O time carioca tem “espaço” para jogadoras com pontuação máxima no ranking. Mas vale lembrar que ela já saiu da Unilever e foi parar no adversário, quando se imaginava que ela sairia do Brasil. Já o paulista, sem espaço para 7´s no elenco, teria uma opção: se desfazer de Thaisa, mantendo Sheilla. E aí vem a outra pergunta: Thaisa então ficaria entre Unilever x Sesi? Ou teria de seguir para Turquia, Rússia ou Itália?

Este quebra-cabeças complicado, com poucos participantes, só vai ser mais claro após o Mundial de Clubes, já que várias as personagens principais estarão presentes na Suíça.

 

 

 



MaisRecentes

Quem fica com as últimas vagas na Superliga masculina?



Continue Lendo

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo