Vai começar, de verdade, o Mundial!



Com as esperadas eliminações do Al-Ahly, do Egito, e do Capitanes de Arecibo, de Porto Rico, o Campeonato Mundial masculino encerra a fase de classificação e entra na hora da verdade.

Nesta sexta-feira, no Ginásio Divino Braga, em Betim, acontecerão as duas semifinais, com transmissão da ESPN:

Zenit Kazan (RUS) x UPCN (ARG) – 17h30

Sada/Cruzeiro x Paykan (IRA) – 20h

E chegou a hora de a onça beber água (quem souber o autor desta interessante expressão avise, por favor).

Os russos, com uma verdadeira seleção mundial, são os caras a serem batidos. Venceram o Sada, na quarta, por 3 a 1, demonstrando muito poder ofensivo com o trio Anderson/Leon/Mikhaylov, tem um líbero em ótima fase (o búlgaro Salparov) e uma dupla veterana mas muito eficiente no bloqueio (Apalikov e Kuleshov). E olha que no banco sobram ainda Spiridonov, Sivozhelez e Verbov, titulares atuais ou recentes da seleção russa. O “porém” neste elenco estrelado está na posição de levantador. Ficou provado na primeira fase que Kobzar não passa de esforçado. Para tentar colocar o Zenit em apuros os adversários precisam tirar o passe da mão dele, já que falta categoria e precisão para ele.

Spiridonov, ou Tin Tin, para os íntimos, em ação em Betim (FIVB Divulgação)

Spiridonov, ou Tin Tin, para os íntimos, em ação em Betim (FIVB Divulgação)

Nesta quinta, diante do time de Porto Rico, o técnico Vladimir Alekno poupou durante todo o tempo Leon, Kuleshov e Salparov. Os demais titulares, com exceção do limitado Kobzar, participaram de parte do 3 a 0. Pela vaga na final os russos irão duelar com a UPCN, equipe argentina, mas com um caminhão de europeus no elenco. Sendo muito sincero (e com todo respeito) não aposto um real em zebra nesta partida.

Já a outra semifinal promete ser um espetáculo bem melhor e, talvez, mais equilibrado. O Sada/Cruzeiro, para começar, precisa errar menos. E em todos os fundamentos. Não é de hoje que o time vai para o risco no saque forçado. Mas ele ainda não entrou, com constância, neste Mundial. No ataque também é preciso um melhor nível de atuação da dupla Wallace/Leal. Força eles têm de sobra. Por uma vaga na decisão será preciso mais regularidade da dupla.

Já o Paykan, base da seleção iraniana, conta até agora com um inspirado Nikolov na competição. O búlgaro vem bloqueando muito até aqui. Hoje, na vitória sobre a UPCN por 3 a 0, ele desequilibrou e fez a diferença. O passe cruzeirense também será testado pela variação de saque de Ghafour e Ghaemi, os dois principais atacantes.

Nikolov, búlgaro bom de bola do Paykan (FIVB Divulgação)

Nikolov, búlgaro bom de bola do Paykan (FIVB Divulgação)

E, por fim, esta semi vai marcar um interessante duelo entre os experientes Vermiglio e William no levantamento. É jogo para lotar o Divino Braga, que até agora não recebeu públicos que um Mundial merece.

 



MaisRecentes

Vaivém: “Livre”, Thaisa seguirá atuando no Brasil



Continue Lendo

Jaqueline chega ao Japão para substituir Drussyla



Continue Lendo

Vaivém: Abouba espera aproveitar chance da vida no EMS/Taubaté



Continue Lendo