Vai começar a Liga Mundial. RX dos rivais do Brasil



Vai começar a Liga Mundial. Fiz uma pequena análise dos adversários do Brasil na competição. Muitos tops estão mudados após o Campeonato Mundial da Itália e usarão a competição como laboratório. E isso talvez ajude a Seleção, que tem uma base sólida. Mas a análise sobre o time de Bernardinho, que está no Grupo A, fica para outro post.

Grupo A

EUA
Stanley, Priddy, Lee, Holmes, Millar… Caras bem conhecidas do torcedor, mas que sofrem desde que Ball se aposentou. O time compensa a falta de talento do levantador com volume de jogo. Mas acho quase impossível repetir o título de 2008.

Polônia
Por receber as finais, vai usar a fase classificatória para fazer testes e montar o time. O italiano Andrea Anastasi inicia uma pequena reformulação, deixando fora Wlazly e Swiderski, por exemplo, tentando recolocar os polacos entre os quatro melhores da Liga, algo que não acontece desde 2007. Olho em Kurek, 2.05m de pura força.

Porto Rico
Difícil falar em ganhar experiência com o time titular com média de idade acima de 30 anos: Soto, Rivera, Berrios… Como gosta de falar Bernardinho, é a mina vagante do grupo.

Grupo B

Rússia
Outra seleção que mudou a comissão técnica após o Mundial. Sai o italiano Daniele Bagnoli e entra o local Vladimir Alekno, que já comandou esta geração em 2007 e 2008. Com perdão do trocadilho, a força está na força. Mikhaylov, Muserskiy (2,18m), Berezhko e até o “velhinho” Poltavsky. Bom ficar de olho neles!

Bulgária
Depois de ganhar tudo com o Trentino, Radostin Stoychev assumiu a seleção búlgara após o Mundial da Itália. É a principal novidade de um time que mantém a base com Kazyiski, Vladimir Nikolov e Zhekov. Apesar da talentosa geração, não fica entre os quatro primeiros da Liga desde 2006.

Alemanha
Um time alto (Kromm 2,12m, Bohme – 2,11m, Dunnes – 2,07m) e um técnico competente (Raul Lozano). Pode tentar atrapalhar um dos grandes da chave. 

Japão
Apenas dois jogadores com mais de 2,00m. No vôlei atual, faz muita diferença. Fará figuração.

Grupo C

Sérvia
Perder de uma vez só Nikola Grbic e Miljkovic não é fácil para nenhuma seleção do mundo. Na saída de rede, os sérvios contam com o bom Starovic.  Mas o problema é achar um levantador que possa suprir metade do que fazia Grbic. Será preciso dar tempo para a Sérvia provar em qual patamar vai se colocar agora.

Argentina
Bom ficar de olho na boa geração comandada por Javier Weber, que vai ganhando experiência e logo vai incomodar os grandes. De Cecco, Conte, Quiroga, Pereyra (reforço de Montes Claros), Uriarte têm talento de sobra. Vem de dois quintos lugares e pode beliscar uma semifinal desta vez.

Portugal
Volta à Liga como figurante, mesma função que tinha anos atrás.

Finlândia
Disputa a lanterna do grupo com os portugueses. Alguns bom jogadores, que jogam em ligas grandes da Europa e só.

Grupo D

Cuba
Vai começar a Liga bem enfranquecida, já que Simon, principalmente, e Leal, que foram punidos por suposta tentativa de fuga, eram titulares incontestáveis. O jovem Leon, que fará 18 anos em julho, terá de carregar o time nas costas. Mas não será surpresa aparecer mais uma ou duas boas revelações.

Itália
Mauro Berruto é a nova tentativa de criar uma outra geração vencedora na Azzurra. Mas ele terá trabalho, talvez mais do que teve no comando da seleção da Finlândia. Do time que vi perder para o Brasil em Roma, destaco dois jogadores: Zaytsev, filho da lenda russa, e Savani, novo capitão. É esperar e ver se Travica vai conseguir dar conta do levantamento e a torcida não ficará saudosa de Fei, Mastrangelo, Vermiglio…

França
Um jogador pode fazer a diferença: o oposto Rouzier. No Mundial, no duelo com a Itália, ele não jogou e fez muita falta. A França não tem outro jogador de decisão como ele.

Coreia
Como os japoneses, sofre com a falta de altura. Mas chama a atenção ter um atleta de 2,11m (Seop Kim), dez centímetros maior que o segundo mais alto do time. Se não for lanterna do grupo já será lucro.

Quem são os são favoritos para atrapalhar o caminho do Brasil?



  • Rafael

    Com a diminuição do poder de fogo das outras seleções, acho que o Brasil entra mais uma vez como favorito. Apostaria numa semi formada por Brasil, Rússia, Sérvia e Argentina ou Bulgária!

  • Emerson

    Sem duvidas E.U.A será uma pedra no sapato do Brasil.

  • Vitor

    A primeira fase realmente será de testes. Apesar de estar no grupo dos Estados Unidos, o Brasil não terá dificuldade pra passar, pois eles também estarão em uma fase de ‘testes’. E depois vai depender do chaveamento.

    Como sempre Estados Unidos, Rússia e Bulgária são os adversários mais fortes no papel. Mas Cuba pode surpreender mesmo desfalcada do Simon, porque o Leon é fora de série. Estou muito interessado em ver o novo time da Itália. Espero que finalmente a Itália volte a ser Itália. Martino e Savani são excelentes jogadores.

    Daniel (ou algum leitor. rs), sabe porque o Matteo Martino não foi convocado ?

    • Daniel Bortoletto

      Vitor, Martino está no vôlei de praia. Tentando vaga olímpica

      • Vitor

        Caramba! Não sabia mesmo. Achei que ele tivesse jogado apenas jogos aleatórios.
        Quando o campeonato italiano passava em um canal fechado era mais fácil de acompanhar.

        Valeu, Daniel.

MaisRecentes

Joelho afastará Gabi das quadras



Continue Lendo

As primeiras transmissões da Superliga na TV



Continue Lendo

Vaivém: Thaisa jogará a Superliga



Continue Lendo