Um feito a ser MUITO comemorado



Existem conquistas e CONQUISTAS. A do Sada/Cruzeiro sobre o Zenit Kazan, da Rússia, neste sábado, foi daquelas ÉPICAS e HISTÓRICAS, como um amigo gosto de rotular. E tem todo o direito de ser registrada em caixa alta mesmo várias vezes.

Começo defender a tese apresentada no primeiro páragrafo ao analisar a força do adversário vencido na decisão. Os russos possuem um timaço. O cubano Leon é fora de série. O americano Matt Anderson é craque. O búlgaro Salparov é acima da média. O russo Mikhaylov é poderoso. O jovem Poletaev é o futuro. Apalikov e Kuleshov são o passado vencedor, sem falar em Spiridonov e Sivozhelez. O técnico Alekno é atual campeão olímpico pela Rússia, o mentor da arriscada mudança tática (Muserskiy sendo deslocada do meio para a saída de rede) que impediu a conquista do Brasil em Londres-2012. Falta um levantador de nível, admito. Mas ainda assim é um elenco estelar.

Leve ainda em consideração o fato de o Zenit ter batido o Sada na fase de classificação. Talvez agora você comece a aceitar a tese que levantei na abertura deste texto.

Não está satisfeito ainda? Então é hora de abandonar aquele complexo de vira-latas que muitas vezes o brasileiro tem, valorizando o potencial nacional. E admita que o levantador William jogou MUITO, deixando várias vezes os atacantes do Sada com bloqueio simples. Filipe e Serginho, dois veteranos injustiçados na Seleção, também jogaram em ALTÍSSIMO nível na linha de passe. Eder e Isac foram quase PERFEITOS nas bolas de ataque pelo meio. E eles permitiram que Wallace, o grande nome do time, pudesse ter uma atuação mediana sem comprometer o resultado final.

Festa dos campeões em Betim (FIVB Divulgação)

Festa dos campeões em Betim (FIVB Divulgação)

Ah, mais um detalhe importante. O título do time brasileiro teve uma GIGANTESCA contribuição do cubano Leal e do argentino Marcelo Mendez. Cuba e Argentina, aqueles países que muita gente aqui adora tripudiar. O atacante, sonho de consumo até da Seleção Brasileira, arrebentou. Os 22 pontos talvez não expressem bem a atuação de gala. Já o hermano, que ganhou tudo o que é possível no Brasil, soube armar taticamente o Sada, minando aos poucos as principais armas do Zenit. É um sujeito estudioso e um baita líder.

Será que alguém ainda vai querer minimizar o FEITO do Sada/Cruzeiro?



MaisRecentes

Reflexão sobre o momento da Seleção é necessária



Continue Lendo

O novo capítulo de uma relação conturbada entre Brait e Zé Roberto



Continue Lendo

Coluna: A empolgante decisão da Superliga feminina



Continue Lendo