Um dia especial para Rosamaria e a nova geração do Brasil



A Seleção Brasileira conquistou nesta sábado a segunda vitória na Copa Rio Internacional, no Maracanãzinho. Do banco de reservas, Rosamaria acompanhou todo o confronto sem entrar em quadra.  A ponta/oposto de 21 anos foi chamada às pressas para o torneio, já que várias atletas (Fabiana, Joycinha, Fernanda Garay, Suelle e Juciely) estão lesionadas.

Mas, mesmo sem jogar, ela não tinha motivos para estar aborrecida. Rosa, como é chamada pelas companheiras, teve um momento de protagonista no ginásio que receberá em pouco mais de 11 meses a competição de vôlei da Rio-2016. No intervalo entre o segundo e terceiro sets, ela foi homenageada pelo título mundial sub-23, recém-conquistado na Turquia. Ao lado das companheiras e da comissão técnica, ela deu uma volta olímpica carregando o troféu. E recebeu, de jovens do VivaVôlei, projeto social da Confederação Brasileira, um quadro com uma imagem da comemoração.

Rosamaria com o troféu do Mundial sub-23 (Wander Roberto/Inovafoto/CBV)

Rosamaria com o troféu do Mundial sub-23 (Wander Roberto/Inovafoto/CBV)

– Foi emocionante. A memória ainda está muito fresca na cabeça. Estar com as meninas hoje aqui foi a realização de mais um sonho. Entrar nesse ginásio, que vai receber a Olimpíada daqui a um ano, fica muito na cabeça: está chegando a hora.  A homenagem para as meninas foi muito linda. Esse grupo mereceu muito e esse campeonato foi importante para o vôlei brasileiro – comentou a camisa 6.

Rosamaria foi uma das protagonistas da campanha brasileira na Turquia. Uma semana antes, ela já havia feito parte da Seleção principal na campanha do Pan-Americano de Toronto (CAN). A atacante faz parte de uma geração que terá a difícil tarefa de substituir a atual, que é bicampeã olímpica, e poderá no próximo ano conquistar o inédito tri consecutivo. E já está sendo lapidada para isso.

– Estou tentando aproveitar ao máximo tudo neste convívio. Essa oportunidade de ter voltado para a Seleção principal foi bacana. Foi um ano de muitas vitórias, conquistas… Não esperava essa reviravolta tão grande, uma chance tão cedo. Estou tentando aprender ao máximo com as meninas. Com a Olimpíada batendo à porta vou seguir trabalhando muito até o Zé mandar a lista. Mas se não for nessa eu quero estar na próxima.

Inspiração para as demais companheiras do sub-23, Rosamaria também fala de suas inspirações. Ontem, passou quase todo o jogo ao lado de Sheilla, uma delas.

– Sheilla, Garay e Jaque são inspirações. Tento sugar tudo ao máximo delas, nos treinos, jogos. O comportamento também é importante. É a primeira vez que estou ao lado dela (Sheilla) nestes dias aqui no Rio. Estou tentando observar bastante a Sheilla, que é da minha posição. Elas me ajudam bastante. Só tenho a crescer – revelou Rosa.

Nos treinos de quinta-feira, José Roberto Guimarães disse que pretende ver Rosamaria jogando também na ponta. A oposto entendeu o recado e pretende conciliar as duas funções para evoluir na carreira:

– Não tenho preferência. Estou tentando na ponta, apesar de estar mais acostumada com a saída. Se eu puder jogar na ponta vai agregar muito para a minha carreira. Já joguei campeonatos na base assim, mas sei que preciso evoluir muito para jogar um campeonato adulto na ponta. Estou buscando a evolução. Por enquanto vou tentar levar nas duas posições.



  • Sara Tavares

    mais uma vez o zé vem com esse negócio de querer mudar jogadora de posição. já deu isso né? quem nao se lembra da erika levantadora? se nao dá pra convocar do jeito que é, não leva, mas nao lasca a carreira da menina.

    • Klaus

      mas ela atua nas duas funções.Tanto que em categorias de base ela sempre foi ponteira e agora que está jogando como oposta.Segundo um especialista em vôlei, ele disse que a melhor posição pra ela seria a de ponta pois o nível de exigência internacional como oposta é muito grande.Eu sou favorável de deslocá-la para a ponta e apostar em outra mais alta, tipo a Lorenne.

      • Nei

        Na base é diferente porque como todo mundo passa tão mal, qualquer uma que passa um pouco melhor é deslocada para a ponta senão não dá jogo. Mas acredito que ela tem talento para virar uma ponteira de entrada de rede.

    • Fernando Marcelo

      Igual a Sassá como líbero.
      Para Rosamaria trocar de posição e depois nem ser convocada é complicado. Ela terá pela frente a intocável promessa (Natália), Gabi, Garay e Jaqueline, além da Mari Paraiba e Suelle. Como oposta a princípio ela teria somente a Tandara, pois, Monique e Joycinha juntas não dá uma.

  • Gabriel

    Poderá ser Rosamaria(1,85) a jogadora que venha suprir a falta de uma ponteira definidora com mais de 1,80 , porque as duas que temos de 1,86 são jogadoras de preparação e Natalia que deveria ser a jogadora de confiança para quando o passe não sair bom não vem jogando o que sabemos que ela já jogou.

  • Fernando Marcelo

    Coitada, vai ser Ponteira e depois nunca mais dará as caras na seleção, talvez quando a Natália resolver parar (muito difícil) e até lá com certeza aparecerão novas afilhadas, amuletos e apadrinhadas.

  • ZIGFRIDO

    Se ela ao menos tivesse oportunidade de jogar, poderíamos ver seu desempenho como ponteiras, mas o birrento e insistente técnico da seleção brasileira não dá oportunidades para as jogadoras… se eu fosse elas, fazia um complô contra ele. Ele pensa que esse time com Gabi e Natália ganha dos EUA, Sérvia, Rússia ou China? Pobre ilusão dele…. Panelinha não ganha jogo. Jogo se ganha na técnica e habilidade. É lamentável, mas já vejo o Brasil perdendo a Olímpiada com essas ponteiras. Fraquíssimas!!!

MaisRecentes

As quartas de final do Paulista masculino



Continue Lendo

Bruninho e Renan analisam conquista



Continue Lendo

Brasil fatura a Copa dos Campeões



Continue Lendo