Torcedor começa ganhar a devida atenção no Brasil



Com atraso, mas muito bem-vinda.

Assim vejo a mobilização de vários participantes da Superliga para melhorar as condições dos torcedores que costumam frequentar os ginásios Brasil afora.

E soube que CBV está desenvolvendo um projeto para se aproximar dos torcedores durante a Superliga. O lançamento deve acontecer em breve. Voltarei ao tema futuramente ao publicar uma entrevista que fiz com Ricardo Trade, o CEO da entidade.

Abaixo separei alguns dos bons exemplos, que unem a comodidade do torcedor, práticas modernas de venda de ingresso e ações de ativação com patrocinadores.

Brasil Kirin no duelo com Copel Telecom/Maringá.  Ações em prol do torcedor (Divulgação)

Brasil Kirin no duelo com Copel Telecom/Maringá. Ações em prol do torcedor (Divulgação)

  • O Rexona-Ades passar a fazer venda online de ingressos para as suas partidas como mandante. A comercialização começou nesta terça para a estreia na próxima sexta-feira (13/11), às 21h30, no ginásio do Tijuca, diante da equipe do Renata/Valinhos. A venda é feita pelo site http://www.guicheweb.com.br/rexonaades. Caso a venda online não esgote todas as entradas, a física será feita no dia da partida, a partir de 19h30, com preço de R$ 20 (cadeira) e R$15 (arquibancada). Estudantes, maiores de 60 anos, jovens de até 21 anos, pessoas portadoras de deficiência, profissionais do ensino público e jovens de 15 a 29 anos inscritos no CadÚnico terão direito a meia entrada mediante comprovação de documentos.
  • O Rio do Sul/Equibrasil repete a estratégia de venda de carnês para toda a temporada. Por R$ 165 o torcedor adquire 11 ingressos para os jogos entre novembro e março. No dia de cada jogo o bilhete avulso sai por R$ 20.
  • Já o Brasil Kirin preparou uma série de ações apoiadas pelo patrocinador que mantém o projeto.  A primeira é o Cupom do Craque. Na partida contra o Minas, o torcedor que levar R$ 30 em cupons fiscais de compras de produtos da linha Viva Schin da Brasil Kirin, receberá uma pulseira e terá oportunidade de entrar na quadra após o jogo e conhecer de perto os craques do time campineiro, tirar fotos e coletar autógrafos. No sábado, contra o Montes Claros, acontecerá o “Torcedor Juntos”. Os torcedores que se organizarem e comparecerem em grupos de 20 pessoas ganharão camisas. Os nomes deverão ser enviados para o email lista@voleibrasilkirin.com.br até a véspera do jogo (11). Antes da partida, o fã troca o ingresso normalmente e se apresenta com os convidados para a promotora e recebe os brindes. Ainda, o Torcedor Sustentável, que dá brindes aos torcedores que mais comparecerem ao Taquaral, terá continuidade. Para isto, é só levar duas embalagens vazias no ato da troca de ingressos para sair com uma cartela e um carimbo. O torcedor do time campineiro que juntar quatro marcas na cartela ganha um squeeze. O fã do Vôlei Brasil Kirin que conseguir oito carimbos leva uma ecobag sustentável e aquele que completar a cartela com onze recebe uma mochila sustentável.
  • O Minas lançou a promoção SuperFã! Ingressos para toda a primeira fase + prioridade nos playoffs + camisa oficial. Venda pelo site www.ingressorapido.com.br e no centro de atendimento do clube, em BH.  O valor é R$ 140.
  • Por fim, cito a série de ativações feitas pelo Vôlei Nestlé nesta temporada. A multinacional lançou, em setembro, a Promoção Vida em família faz bem, reunindo todas as marcas da companhia, em uma ação que vai distribuir mais de 6 milhões de reais em prêmios e mais de 6.300 vale-compras, nos valores de R$100, R$300 e R$1.000. Até dezembro o Vôlei Nestlé participará da ação.  Nos últimos meses as jogadoras participaram de várias das ações, com camisas diferentes a cada jogo e lançamento de ilustrações das atletas como mascotes.


  • JR

    Interessante esse assunto. Realmente já estava na hora dos clubes entenderem a importância do torcedor e de que maneira conquistá-lo, atraí-lo para os ginásios e naturalmente aumentarem suas receitas. Que mais clubes repitam isso e que surjam mais e mais idéias. A do Campinas e do Minas são bem interessantes. Hj vi num site que o JF Volei tb lançou seu plano sócio torcedor, envolvendo compra de camisa e ingressos com desconto. Para ver como estavam ruins as coisas, há nem mto tempo nós torcedores sentiamos a falta por exemplo de venda de camisas dos clubes, acho q só tinha da Seleção e do Cruzeiro. Que bom que as coisas estão mudando, parabéns a quem está se empenhando e que façam ainda mais, o volei ganha como um todo.
    Daniel, tem informações se o Canoas tb pretende fazer algum plano/promoções para o torcedor?

  • Jorge

    Isso tudo soa como uma grande piada, vamos analisar o trabalho da “nova CBV”:

    Ontem teve a estréia da Superliga Feminina, nem vou entrar na questão de ser um jogo adiado da 11ª rodada e que mesmo com uma tabela totalmente fragmentada a pedido da televisão não foi transmitido, assim como nas últimas edições da Superliga, eu e grande parte dos torcedores que não possuem acesso ao ginásio acessamos o site da CBV para acompanhar o ponto-a-ponto do jogo e a partir daí deu para constatar como a federação é amadora, as tabelas, páginas de estatísticas e etc estão metade em português, inglês e italiano, o sistema de livescore simplesmente não existe mais e a usabilidade do site é zero, são ” milhões” de iframes apontando para um endereço italiano que deixam o site extremamente lento e os problemas não param por aí, as estatísticas finais dos jogos (quando saem horas depois) estão repletas de erros gritantes que qualquer torcedor que tenha acompanhado a partida pode notar, assim como os funcionários da CBV e seus bolsos cheios de dinheiro deveriam ter notado que o site está cheio de erros, no último balanço da CBV foi divulgado um gasto na casa dos 200 mil reais em gestão de sistemas, como esse site está em italiano presumo que tenha sido pago em euros, como a CBV deixa um lixo desse ir para o ar sem a mínima revisão? Cada ano que passa fica mais difícil acompanhar a Superliga, como é possível fidelizar novos torcedores assim, é mais fácil acompanhar os jogos dos brasileiros que estão no exterior por vídeo ou livescore do que os que estão aqui pertinho da gente, desculpe o grande desabafo, mais é inadmissível ver uma diretoria tão amadora cuidar do nosso amado esporte.

    • AfonsoRJ

      Faço minhas as suas palavras. Concordo plenamente com tudo. Houve um tempo em que boa parte dos jogos não televisionados estava disponível on-line. Depois isso acabou, mas ainda tinhamos o consolo de um Live-score. Agora parece que nem mesmo isso. Aliás já tinha ouvido falar desse jogo de estréia na terça feira, mas procurei no site da CBV, e não achei nada. Pensei até que tivesse havido algum engano, mas parece que o engano foi mesmo meu por ter confiado no famigerado site.
      Então, permitam-me discordar do ilustre blogueiro: Com todo o respeito, mas “Torcedor começa a ter devida atenção” uma ova…

    • silas antares

      Perfeito Jorge, concordo contigo. Estamos a mercê da conveniência da CBV e rede globo. Cadê as transmissões?e realmente o site tem erros, muitos erros. Já foi bom. Entro todos os dias e percebo isso. Vergonha é pelo dinheiro que a entidade recebe do BB. Também tento acompanhar a superliga mas está difícil para quem não mora em cidades aonde acontece os jogos. É mais fácil acompanhar o europeu que o nacional. Uma vergonha. E não é falta de dinheiro não. Acho que vontade e coragem. Perfeito suas colocações.

  • Edu

    Vou fazer meio uma abordagem de diversos tópicos que permeiam esse inicio da temporada do voleibol.O assunto do post.O Taubaté instalou enormes refrigeradores de ambiente e construiu uma cabine de transmissão condigna para a televisão.O ginásio foi limitado a 1000 lugares na frequencia.Tem uma rampa longa de acesso interno.Estava abrigando por volta de 1800 pessoas por partida.No entanto, dezenas de pessoas, próxima da centena, estavam assistindo ao jogos nessa rampa de acesso que da uma excelente visão da quadra.Por um eventual risco de um infeliz acidente se limitou o numero de público para que em menor numero se tenha mais conforto, com a nova refrigeração interna e mais segurança.Uma rampa não é uma arquibancada.Bom saber que os clubes estão se organizando para ter alguma renda de arena.Como se tenta fazer no Minas, Campinas,S.José,JF e agora o Rexona. Dificilmente será um dinheiro suficiente para bancar uma equipe com conforto.Mas pode ajudar a receita da lavanderia,material médico e fardamento de uniformes.O S.José tenta um acordo com o Santos FC para receber apenas o fardamento suficiente da temporada do fornecedor esportivo do clube de futebol. Numa entrevista a uma canal local de televisão de Osasco,no final de agosto, Thaisa revelou que cerca de 15% dos votos de recuperação e apoio vieram da comunidade do voleibol profissional.Noticia que coincide com minha interpretação de como algumas das jogadoras eminentes do voleibol brasileiro divulgaram em suas redes sociais solidariedade em apoio a situação de Fernanda Garay e esqueceram, talvez impensadamente, da companheira que vivia a mesmíssima situação como a Fabíola, certamente com valores menores em debito e menos midiática.A diferença e que Fabíola arregaçou as mangas e com ajuda de seus agentes e repercussão de sua temporada na Russia conseguiu um time de ponta para prolongar sua temporada na Europa.Enquanto Garay prefere receber alguma compensação da Russia, o que tem pleno direito contratual a fechar um contrato pequeno, em comparação aos valores europeus.Recusou educadamente uma oferta oficial do Bauru e se sonda encaixar num campeonato asiático como o chines.Todavia esses campeonatos de mercados emergentes remuneram muito bem mas tem uma duração curta de 3 meses.Outra possibilidade de Garay seria o Minas.Na opinião das jogadoras de mercado uma oportunidade de ficar na visibilidade de ZRG. Já que a equipe terá direção técnica de seu assistente Paulo Coco.Portanto, entre morar em Bauru ou em BH Garay, opta, por hora, manter a forma em Osasco.Elisângela acertou com o S.Bernardo prolongando a carreira para mais uma Superliga.Estava treinando no Osasco mesmo sem estar inscrita na Superliga e participando das ações internas do patrocinador do clube.Era quase uma assistente técnica dentro do elenco.Consultando o instagram de algumas jogadoras do Rexona se observa que Waleskinha tem também participado dos treinamentos do Rexona após o encerramento do campeonato carioca.Não houve a mesma comoção da situação da LIli.Waleskinha também e uma medalhista olímpica, a dela e de ouro, não tem vontade de se aposentar e infelizmente parece não ter recebido ofertas consistentes para jogar a Superliga.Dignamente esta treinando com o Rexona fazendo talvez a mesma função da Lili no Osasco sem a mesma repercussão da indignação.Não entrou,pelo menos, na esparrela de uma outra medalhista que esta treinando num clube fazendo ao mesmo tempo campanha nos bastidores para sua contratação pela agremiação – o que não ocorreu, e dizia que tinha diversos convites da Russia e Polônia.A mentira tem perna curta, principalmente no vôlei.

    • Billy

      exato.

  • Luciano U.

    Torcedor vai ganhar a devida atenção, e respeito principalmente, se todos os jogos tivessem transmissão, mesmo que alguns sejam online.

  • silas antares

    Sensacional!!! nota dez para essas iniciativas. O torcedor deixa de ser mera figura nas arquibancadas. Parabéns à Nestlé, Brasil Kirin, Camponesa Minas, rio do sul/equibrasil e Rexona/ades.

MaisRecentes

Joelho afastará Gabi das quadras



Continue Lendo

As primeiras transmissões da Superliga na TV



Continue Lendo

Vaivém: Thaisa jogará a Superliga



Continue Lendo