Titulares voltam e Brasil encerra 1ª fase com campanha perfeita



A folga das titulares da Seleção durou apenas um dia. Poupadas diante da República Dominicana, elas voltaram hoje, para desespero da Tailândia. As donas da casa foram batidas em Bangcoc por 3 sets a 0, parciais de 25-15, 25-18 e 25-17.

Nono triunfo na fase de classificação do Grand Prix, aproveitamento de 100% mantido e 26 pontos de 27 possíveis. Domínio avassalador, visto que a China, segunda colocada, terminou com 17.

Fernanda Garay, com 15 pontos, foi a destaque brasileira. Ela foi a única atleta do time a pontuar em todos os fundamentos (10 no ataque, 4 no bloqueio e 1 no saque).  Outras três titulares chegaram aos dois dígitos, provando que esta divisão na pontuação é um diferencial desta Seleção: Fabiana (14), Jaqueline (11) e Sheilla. Curiosamente, entre as atacantes, apenas Thaisa, maior pontuadora da equipe na competição, ficou com um dígito: 6.

Prestem atenção para este número. São 18 vitórias consecutivas do Brasil no Grand Prix, com 54 sets vencidos e três perdidos. Diz muita coisa sobre o domínio brasileiro no atual cenário mundial.

Agora é esperar os jogos da tarde para definição de mais dois finalistas. Eu, que imaginava que a Sérvia tinha vida mais fácil por enfrentar a Coreia, perdeu por 3 a 1 e está eliminada. As americanas fizeram o mesmo placar nas dominicanas, foram para 15 pontos e agora torcem. Itália (12 pts) x Turquia (13) e Alemanha (12) x Rússia (13) entram em quadra com chances e até pode acontecer um empate quádruplo pelas duas vagas que restam. As chinesas, já classificadas, perderam para o Japão, sede das finais, por 3 a 1.



  • Luiz

    Lixo de competição. Tem como dar reset nestes últimos dois anos de Grand Prix?

    • Afonso RJ

      Felizmente não tem, principalmente porque o Brasil venceu o último. Todos tem direito de expressar sua opinião, mas vou criticar com veemência qualquer um, ao invés de simplesmente amarrar uma melancia no pescoço, procura visibilidade ocupando espaços para “trollar” menosprezando conquistas brasileiras. Na minha opinião, LIXO é esse tipo de comentário.

      • Luiz

        LIXO de competição sim. RESET geral. Quero de volta o Grand Prix SUPER disputado que aconteceram até 2012. E toma um Calmam, querida. A senhora está nervosa.

        • hicham

          Lixo (Esterco- para ser mais claro é somente você Luiz).Se você não esta gostando do nível desta competição,simplesmente não assista mais.Com certeza a sua insignificante audiência não fara a menor falta para elas e para as tvs geradoras-mesmo porque as jogadoras do Brasil nem sabem que você existe. O Brasil será campeão novamente e com méritos de sobra pois é a melhor seleção do momentos.

      • Aline

        Não concordo que seja LIXO, só pq o Brasil está vencendo seus compromissos é LIXO?
        Só qdo o Brasil perde os jogos a competição é boa?
        Tirando o Brasil, que está invicto, e se classificou com 3 rodadas de antecedência, a competição foi muito equilibrada e as equipes tiveram que lutar até o final para se classificarem.
        O Vôlei feminino é isso aí e não vai mudar muito daqui a alguns dias no Mundial…
        Se vc acha o GP um lixo, então o Mundial será um lixo também…

  • Guilherme

    Muito bom para o Brasil ter várias opções eficientes de ataque. Quando Jaque e Garay não resolvem, tem Fabiana e Thaísa, e se não resolverem, tem Sheilla.

  • Mister Volei

    ZRQ, realmente é muito esperto, quando viu que os EUA foram parar no tie break contra a Tailândia rapidamente ligou o sinal amarelo e colocou o time titular para não ter o perigo de passar um vexame com as reservas e perder para a Tailândia. Isso nos leva novamente a mesma questão: o time titular está maravilhoso porém todas as titulares não podem ficar machucadas e também estão proibidas de ficarem doentes,kkk pois o time reserva NÃO EXISTE visto que nem mesmo o próprio técnico confiou nele para jogar contra a Tailândia.

    • Afonso RJ

      Agora temos um telepata comentando no blog. Belíssima leitura dos pensamentos do técnico da seleção.

    • hicham

      Mister, na minha opinião(posso estar errado)Acho que o técnico preferiu escalar o time titular pelo simples fato de as finais estarem próximas e assim manter cada vez melhor o entrosamento entre as titulares-acho que foi isso.

  • Edu

    Considerei até como uma especie de homenagem ao pais organizador e a um público caloroso de mais sete mil pessoas a colocação da equipe titular.Na quarta, madrugada da nossa terça já começa o Grand Prix.São cinco jogos em cinco dias.Sem intervalos. A seleção daTailandia tem uma excelente levantadora(considerada hoje a melhor do Oriente) de dedos muito ágeis e uma atacante de um e setenta e cinco de grande eficiência.Defende até bem mas não tem grande poder em contra-atacar.O Brasil se escorou, de forma inteligente, no inicio no jogo nas centrais, como de costume, aproveitando o bloque defensivo de menos de um e oitenta e cinco.Sheilla foi mais efetiva e recebeu as bolas estratégicas. Ocorreram apenas algumas inversões com Fabíola e Andreia( numa maré bem ruim,num deslize a bola sobrou livre para converter com um pequeno toque que se transformou numa invasão, pela ansiedade).Em outro lance recebeu toco na china de uma jogadora baixa que foi direto sobre sua cabeça, além das entradas ocasionais e rápidas de Gaby e Tandara.Outro lance curioso foi levantamento para a Jaque ,por parte da Fabíola, e a bola veio na velocidade de um míssil surpreendendo a ponteira que estava no ritmo mais lento da Dani.Um jogo sem grandes expectativas e concluído de forma rápida.Com maiores dificuldades apenas no terceiro set.Em duas oportunidades a arbitragem foi nada caseira e a nosso favor.Como o ponto de conclusão da partida.Agora, rumo ao Japão e passar a semana dormindo espaçado em dois períodos na noite.

  • Afonso RJ

    Brasil sobrando na competição. Demais times com bastante equilíbrio, tanto que chegamos à última rodada com várias equipes com chances reais de classificação. Acho, entretanto, esse regulamento até certo ponto polêmico, se não injusto. Estados Unidos de fora, sem ter nenhuma partida em casa e após enfrentar duas vezes o Brasil, enquanto Turquia dentro, jogando duas rodadas em casa e não enfrentando Brasil. Honestamente, vou sentir falta das americanas na fase final. Na minha opinião, é o único time que em circunstâncias normais pode fazer frente ao Brasil. Gosto muito da velocidade do jogo americano, e vejo em Alisha Glass uma levantadora fora de série. Apenas à vezes exagera na velocidade ou força demais a jogada. Me dá a impressão que as atacantes tem até certa dificuldade para acompanhar a velocidade da levantadora. Fico pensando que nessas condições, leva mais tempo um melhor entrosamento, mas a partir do momento que conseguirem uma sintonia mais fina, o time americano vai dar ainda mais trabalho. Quanto a times como a Rússia e até mesmo a Itália, se continuarem a apostar em força bruta e levantamentos empinados nas pontas e não evoluírem em termos de velocidade, acho que vão ter bastante dificuldade daqui por diante.
    Posso não estar totalmente correto, mas fico com a impressão que o volei feminino evoluiu bastante nos últimos anos em termos táticos e em termos de velocidade. Recentemente revi alguns jogos do Brasil nas Olimpíadas de Pequim, e fiquei com a nítida impressão que num jogo hipotético entre aquela seleção e a seleção brasileira atual, a atual venceria com extrema facilidade. Por isso, vejo Brasil e Estados Unidos como as duas melhores seleções da atualidade, pois são as que mais evoluiram e que melhor conseguem unir força, velocidade e tática na medida certa. Não se iludam com essa não classificação das americanas no torneio atual. Acredito piamente que no mundial a história vai ser bem diferente.

    • hicham

      Concordo com toda a sua linha de raciocínio Afonso RJ. O Brasil até aqui demonstra realmente ser a melhor seleção.Espero ansioso por mais título do grand prix.Quanto a Alisha Glass ela realmente é ótima levantadora.Quem sabe a tentativa dela de jogar cada vez com mais velocidade tenha sido tentando copiar o que foi o jogo do nosso extraordinário ex-levantador do Brasil-o magistral RICARDINHO. Ela com certeza é-ou foi-fã dele.Mas para que isso ocorra as jogadas tem que ser treinadas à exaustão e lógico-as atacantes serem habilidosas e tentarem corresponder ao máximo.Abração Afonso RJ.

      • Edu

        O primeiro pais a adotar como recurso mestre jogar rápido foi a campeã olímpica masculina Polônia a partir dos anos setenta ao romper a tradição de títulos contínuos da antiga URSS( um time extremamente forte fisicamente e tecnicamente e bem a frente dos seus concorrentes por poder contar na abrangência de todas as antigas republicas).O Brasil nos anos anos 80 colocou como meta se realocar de oitavo no ranking para uma das tres forças mundiais masculinas no período de dois anos.Uma das práticas, por não poder conter um bloque extremamente alto na época, foi o deslocamento de um jogo bastante veloz principalmente pelo centro da rede.Justiça se faça, o primeiro levantador a priorizar esse movimento foi o capitão da seleção de prata William.Os EUA absorveram muito essa técnica no intercambio entre as duas equipes dos anos oitenta e a desenvolveram mais ainda essa manobra. Tanto no jogo feminino como no masculino.Talvez a Coreia seja a segunda seleção do mundo nesse índice de velocímetro esportivo.

  • Mariana

    O Brasil está de parabéns até agora pela campanha. Mas agora são mais cinco jogos e só pedreira. Mas acho que dá pra ganhar. A Rússia fez um fds maravilhoso, pra mim é a única que vai dar trabalho nessa fase final. Infelizmente não vi nenhum jogo da Turquia, mas se sem a Darnel e a Aydemir jogando só a partir do fds passado fizeram essa campanha, acho melhor ficarmos de olho. A Bélgica é uma grata surpresa. A Van Hecke já tinha visto no campeonato italiano e eu achei uma ótima jogadora. A China quando vc acha q vai, não vai, mas é sempre perigosa e gosta de tirar pontinhos do Brasil. E o Japão é igual a China, talvez tire pontinhos como sempre da Rússia pq defendem muito bem. De resto, é bom pra seleção ganhar padrão de jogo. Mas pro mundial a Andreia roda. Ele deve levar a Monique e a Tandara e eu não sei não, mas ta uma cara que a Adenizia vai rodar e a Carol quem vai pro mundial. Se a Adenizia for pro mundial vai ser mais pra evitar o que aconteceu em Londres, onde as jogadoras ficaram com a cara amarrada por conta do corte da Fabiola e da Mari.

MaisRecentes

Joelho afastará Gabi das quadras



Continue Lendo

As primeiras transmissões da Superliga na TV



Continue Lendo

Vaivém: Thaisa jogará a Superliga



Continue Lendo