Time B do Brasil passa por camaronesas



25-14, 25-15 e 25-18.

Parciais que poderiam ser até mais elásticas caso o Brasil entrasse para jogar uma “partida de verdade” contra Camarões.

Com as reservas em quadra, a Seleção Brasileira cumpriu sua obrigação de vencer as rivais mais fracas do grupo por 3 a 0. Um treino que eu nem gostaria de chamar de luxo, pois o desnível técnico é absurdo, impedindo que uma análise mais precisa seja feita aqui. Tanto que os erros camaroneses que acontecem neste tipo de confronto chegam a parecer infantis, sendo difícil dar mérito para o saque brasileiro, por exemplo. Certamente o treinamento que José Roberto Guimarães deu ao time, de manhã, foi mais forte e proveitoso.

Das suplentes, Natália foi a maior pontuadora, com 18 acertos. O lance mais bacana foi uma “salvada” com o pé de Gabi, já trombando com as placas do fundo da quadra. Fora isso, Zé Roberto deu ritmo para jogadoras que certamente serão úteis em jogos de verdade do Mundial.

Contra o Canadá, na próxima rodada, mais um 3 a 0 para o Brasil será aplicado, talvez em um treino um pouco melhor para os duelos com Turquia e Sérvia, estes sim, de verdade.



  • Drica

    O que mais me impressiona nessa seleção é a capacidade de concentração que elas demonstram. Mesmo jogando com um adversário muito inferior a concentração é altíssima.
    Tenho um imenso carinho e admiração por essas meninas. Jogam com garra, é visível o quanto cada uma delas se doa, se divertem e jogam soltas. Acompanho a SFV à alguns anos e meu amor por elas só faz crescer!

  • Guilherme

    Faltou comentar os saques viagem da Tandara e Gabi!

MaisRecentes

O novo conceito da FIVB para 2018



Continue Lendo

Apenas Lebes/Canoas faz o dever de casa na rodada



Continue Lendo

Um líder por pontos ganhos. Outro por pontos perdidos



Continue Lendo