Tijuana, dia 5: Superação é com o Leozinho



No dia 25 de março, pela semifinal da Superliga B, o ponta Leozinho viu o sonho de disputar o Campeonato Mundial sub-21, no México, se transformar em pesadelo. Ele sofreu uma grave lesão no tendão supraespinhal do ombro direito.

– Lembro claramente do lance. Foi a última bola que ataquei no jogo, no tie-break. Senti uma dor incontrolável no ombro. Fiz os exames e deu ruptura de 80% do tendão. Passou pela minha cabeça sim que iria ficar fora do Mundial – relembra Leozinho, que defende o Sada/Cruzeiro e enfrentava na ocasião o Sesi.

Leozinho é cumprimentado por Douglas Souza (Silvio Avila/FIVB Divulgação)

Leozinho é cumprimentado por Douglas Souza (Silvio Avila/FIVB Divulgação)

O tempo de recuperação, em caso de cirurgia, certamente o deixaria fora do Mundial. Os médicos e Leozinho optaram pela recuperação à base de fisioterapia. E o resultado se mostra no sorriso do jogador, durante esta entrevista ao blog, em Tijuana.

– Foi opção não operar, pois sou novo ainda. E o departamento médico tomou a decisão certa. Quando voltei a treinar estava sem confiança e voltei a achar que ficaria fora do Mundial. Mas trabalhei muito para estar aqui. Hoje faço muito mais exercícios do que os outros jogadores na academia. Tenho que manter isso para o resto da minha carreira. Fazer um extra sempre. Mas faço sabendo que será importante para mim – conta o jogador, elogiando o trabalho quase diário com Alisson Zuim, fisioterapeuta da Seleção sub-21 e também do Sada/Cruzeiro.

Leozinho é atualmente reserva da equipe. Rodriguinho, seu companheiro no Sada, e Douglas Souza, do Sesi, são os ponteiros titulares. Mas o jogador de 20 anos e 1,99m tem entrado em todos os jogos do Mundial. Em várias ocasiões entra para sacar no lugar de um dos centrais e costuma fazer estrago na recepção dos rivais. É, inclusive, o melhor sacador do Brasil nas estatísticas do Mundial. Nesta quinta-feira, substituiu Rodriguinho ainda no primeiro set e se destacou na difícil vitória sobre a Turquia, que garantiu o Brasil na semifinal para enfrentar a Rússia, invicta e atual campeã mundial, neste sábado, às 23h (de Brasília). Contra os turcos foram 24 pontos, liderando o time.

Leozinho no jogo contra a China (FIVB Divulgação)

Leozinho no jogo contra a China (FIVB Divulgação)

A condição de reserva não diminui a admiração que o técnico Leonardo Carvalho tem pelo jogador.

– Hoje está numa forma excepcional. Não é titular do time pois outros outros dois jogadores muito bons. Ainda tem a melhorar na recepção, mas é um atacante fantástico, tem um saque excepcional e sabe jogar vôlei. Posso dizer que sou um grande fã, não só do jogador, mas como do ser humano. Desejo que ele tenha todo sucesso do mundo. Se tiver a possibilidade quero tê-lo sempre no meu time – diz o treinador.

Exemplo de superação que não para por aí. Leonardo Carvalho cita uma passagem, no ano passado, que mexeu emocionalmente também com toda a Seleção.

– A mãe do Leozinho morreu num domingo e o Sul-Americano começava na terça, quarta, em Saquarema. Ele foi pra casa, para enterrar a mãe. E não sabíamos se ele iria voltar. No dia seguinte ele estava lá conosco para fazer o que ele tinha que fazer. Mas a gente compreenderia caso ele não conseguisse jogar. Se fosse outra pessoa, não sei se teria participado do Sul-Americano como ele participou. Ele é um garoto muito especial. E não é de hoje. Leozinho é um exemplo de atleta, exemplo de jogador de equipe, exemplo de superação.

UMA INSPIRAÇÃO NO ESPORTE

Leozinho tem um ídolo no esporte. Mas foge dos clichês de escolher um craque consagrado e multivitorioso pela Seleção Brasileira.

– Meu ídolo eterno é o Douglas Cordeiro. Um dia ele apareceu na minha casa um dia, eu tinha 14 anos. E me deixou quatro tênis lá. Um ser humano fantástico, um cara que sempre me deu conselhos. Pode ter certeza de que sempre vou falar bem dele e agradecer pela ajuda que me deu – revela Leozinho, orgulhoso até por dividir pequenas tarefas do dia a dia com o ídolo.

– A gente morava perto. Eu até pegava ônibus com ele. Fiquei muito chateado por ele ter saído do Sada, mas mantenho contato com o Douglas.

O central Douglas defendeu o Sada/Cruzeiro por várias temporadas, saindo para encerrar a carreira ao fim da última Superliga. Hoje está de volta à terra-natal, Fernando de Noronha.

No atual elenco do time mineiro, Leozinho vê no cubano Leal uma inspiração em quadra.

– Leal é um vôlei de outro nível. Quando ele quer jogar não tem pra ninguém. É extremamente excepcional no que faz, um cara acima da média.

COM A PALAVRA – DOUGLAS CORDEIRO

“Tenho o Leozinho como um irmão mais novo. Uma vez eu dei carona pra ele quando fiquei sabendo que ele morava perto da minha casa. Já percebi de primeira que era um menino de coração bom e cheio de sonhos pra realizar na carreira, eu me enxergava nele quando comecei a jogar em Noronha, com todas as dificuldades que presenciei. Conheci a família dele e fizemos grande amizade. Ajudei ele com alguns tênis e principalmente com alguns conselhos que acredito ter ajudado bem. Hoje os papéis se inverteram e sou um grande fã dele, torcendo muito por seu sucesso como jogador de vôlei e principalmente como pessoa”.



  • Volei Addicted

    Daniel, gostaria muito de saber onde vai jogar o João Paulo Tavares. Acho ele um dos melhores atacantes do Brasil e nao consigo encontrar seu destino para a temporada 2015/2016. Vc sabe informar?

  • Leon

    Ótimas matérias sobre esse torneio mundial juvenil Daniel. A seleção brasileira esta tendo muitas dificuldades no sistema de bloqueio. Espero que o time treine bastante porque vão precisar de uma atuação bem consistente para fazer frente ao time russo que vem muito forte. To achando o Douglas Souza meio cansado, ele vem de uma sequencia de vários torneios sendo sempre muito exigido e ainda não me parece esta jogando a vontade até aqui. O levantador Fernando precisa melhorar os levantamentos pra entrada de rede, principalmente nos contra ataques. Vão precisar jogar tudo o que não demostraram até agora mas ainda acredito muito nesse time!

  • Klaus

    me lembro desse momento tão difícil para o Leonardo.Ele perdeu sua mãe e dias depois estava de volta pra representar a seleção.Já é um campeão por tudo o que já passou.Alguém tem dúvida que vai ser um grande jogador?

MaisRecentes

Um líder por pontos ganhos. Outro por pontos perdidos



Continue Lendo

Camponesa/Minas quebra longa invencibilidade em Osasco



Continue Lendo

Placar RedeTV!: Futebol 2 x 0 Vôlei



Continue Lendo