Superliga na Globo no sábado. Uma discussão que nunca acaba



Unilever x Vôlei Amil, Bernardinho x Zé Roberto, jogadoras de Seleção Brasileira aos montes, estrangeiras de destaque…

O cardápio escolhido pela Rede Globo para transmitir um jogo ao vivo da Superliga é o melhor possível. Agora é esperar pelo sábado, às 10h, no Maracanãzinho.

Logicamente, o lado comercial também pesa na montagem da grade que a emissora faz antes de a competição começar. A Unilever é uma das patrocinadoras do pacote de vôlei da Globo.  A Amil entrou pesadamente nesta temporada com o aporte para o time de Campinas, com disposição a quebrar com a hegemonia de Unilever e Sollys/Nestlé. Coloque na lista também o Sesi, que inclusive tem o nome do apoiador citado normalmente nas transmissões, uma exceção à regra tão lamentada pelos clubes e patrocinadores. Une-se o lado esportivo com o comercial. É assim que um mercado de milhões de reais funciona, não adianta reclamar.

Nos bastidores, os times menores e com orçamentos mais modestos reclamam. Estão no direito, mas no fundo entendem que a Globo vai escolher as cerejas do bolo para transmissão em TV aberta. Não criam mais a ilusão de serem “presenteados” com uma exposição deste tamanho.

Ainda acho o número de transmissões muito pequeno para uma competição cada vez mais atraente para a TV. Quase todos os ídolos estão aqui, temos alguns palcos de primeiro mundo para receber decentemente a estrutura de uma grande transmissão (Maracanãzinho é o melhor exemplo), o vôlei continua em alta com o público pelas conquistas importantes das Seleções, consolidado como o segundo na preferência nacional.

O que ainda falta? Segundo alguns dirigentes ouvidos pelo blog, que logicamente pediram anonimato, mais energia e coragem da CBV ao negociar com a Globo.

 



  • Thaís

    O volêi é o esporte que mais trouxe títulos para o Brasil nos últimos anos, deveria ter mais visibilidade, incentivo… A rede globo só quer transmitir a Superliga quando tem algum jogo ‘interessante’, (Sollys x Unilever) … Ou na fase final da competição, puro OPORTUNISMO! Postura ridícula essa!

  • cleverton

    As equipes poderiam fazer igual ao futebol: saírem da CBV E criarem uma liga onde a TV que quiser será obrigada a exibir os jogos na TV aberta.

    • Felipe Lima

      Enquanto a “toda poderosa” mantiver de 70% pra cima da audiência de TV aberta, acho difícil as equipes saírem desta zona de conforto.
      Eu gostaria que os direitos de transmissão não fossem monopolizados. E isso é fácil! Coloca no estatuto da CBV.

  • @alcidesxavier

    Esou esperando o Sr. comentar o jogão de ontem!! ahaha
    Sollys rumo ao título!!

    • Daniel Bortoletto

      infelizmente não vi o jogo, Alcides

      • César Castro

        Muito bom o jogo. O Osasco engoliu o Amil.
        E o ZRG perdeu uma chance de ficar calado!

        • Luan

          César Castro,

          O que o ZRG disse?

      • Juju

        Dan, e o jogão Dinamo x Trentino?

        • Daniel Bortoletto

          pelo que li, foi um belo jogo mesmo

  • marcus

    daniel,a globo tá mais do que certa,pressionar a globo pra quê?é melhor a globo,só passando a cereja do bolo do que outra emissora passando o campeonato todo…outros jogos quem gosta acompanha pelo sportv,que passa bastante jogos

    • volei

      amigo, não são todas as pessoas que tem condições de pagar um canal de tv fechado para assistir o que gosta.
      já foi por acaso no sertão do nordeste onde muitas pessoas ainda tem a sorte de ter um aparelho de tv preto e branco?
      não fala bobagem. não deve da sua epoca quando a band transmitia toda a superliga e não passava jogos apenas de equipes de ponta, todas tinham o mesmo direito.

      • Peri

        Sobre a Band, essa foi uma época em que a emissora era voltada para o esporte. Hoje em dia, creio que ela não iria fazer da mesma forma.
        Não é querendo defender as emissoras, mas é complicado transmitir um esporte que uma partida não tem hora pra acabar. Vi um jogo feminino ontem no Sportv que começou às 18:30 e foi até às 21:00. Complicado, né?

  • A GLOBO não tem interesse em mostrar jogos de vôlei em sua grade; como se não bastasse, mudou a regra da competição fazendo que a final seja disputada em apenas 1 partida o que é injusto com as equipes. Na fórmula anterior, as finais eram disputadas em série “melhor de 3”. Outro fator é que não chamam as equipes por seus nomes, normalmente os patrocinadores. Resumindo, a GLOBO faz um mal terrível para o vôlei brasileiro e o presidente da FIV Ary “Des” Graça não vai peitar a TV. Outras emissoras já tentaram transmitir a Superliga, mas este senhor não abre mão da “parceria” e do dinheiro que isso movimenta. Empresas como Pirelli, Cimed, Banespa, Blausigel e outras saíram do esporte por não ter retorno. E assim caminha a mediocridade…

    • concordo plenamente com você, Nelson! Se as coisas continuarem assim, os patrocinadores vão deixar o esporte e o campeonato ficara uma lástima!! GLOBO MUDE A SUA POLÌTICA DE NÂO MENCIONAR O NOME DE QUEM REALMENTE MANTÉM ESSE ESPORTE DE PÉ, OS PATROCINADORES OU DEIXE OUTRA EMISSORA TRANSMITIR!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Afonso RJ

    Transmissão via WEB de Unilever 3×0 S.Caetano impecável. Altíssimo nível. Não travou uma única vez. Mais de uma câmera no ginásio com direito até a close das atletas. Locutor muito bom para uma transmissão via WEB. Para padrão TV só faltaram o comentarista e os replays. Parabéns para a CBV por essa iniciativa. Aqueles que ainda não aasistiram a essas transmissões não sabem o que estão perdendo.

    Quanto ao jogo em si, nem tem muito o que comentar. Primeiro set a Unilever entrou com o time completo, incluindo Logan Tom de titular. Mesmo com o time carioca dando uma cochiladas, massacrou por 25×12. No decorrer do segundo set o Bernardinho foi poupando algumas titularee a botando as reservas para jogarem. Natália deu lugar à Regis, Pavan a Bruna, e assim por diante. A parcial foi de 25×14. A escalação da Unilever no terceiro set foi: Roberta, Bruna, Regis, Gabi, Jucieli e a miss Luciene Escouto. E é claro, a Fabizinha. Mesmo com o time praticamente reserva, o terceiro set foi de 25×16. E essas parciais aconteceram porque o time carioca ainda dava uma desconcentrada de vez em quando. Como falei no início, nem dá para comentar o desempenho das equipes tal a disparidade técnica.

    Rio do Sul 3×2 Minas, também pela WEB com o mesmo excelente padrão da transmissão. Foi um jogo equilibradíssimo só decidido no quinto set. Como dei preferência as outros dois jogos, só vi alguns pedaços e nao deu para fazer uma idéia exata do que aconteceu. Fiquei apenas com a impressão que o time do Rio do Sul estava mais vibrante, comemorando cada ponto com mais entusiasmo que o adversário. Aliás, a postura do Minas me parece condizente com a de um time que protagonizou uma zebra vencendo a Unilever no primeiro turno, encheu-se de expectativas mas de lá para cá só perdeu. Parece que bateu desânimo.

    Por fim, Sollys 3×0 Amil. A primeira coisa que chama a atenção foi que o Amil liderou o marcador a maior parte dos três sets. No segundo set, inclusive, chegou a abrir 24 a 21 (ou coisa assim) e acabou por entregar o set. Um primeiro fator, portanto, foi que a experiência pesou.
    Quanto ao jogo em si:
    1 – A recepção so Amil é um pouco diferente, pois além da líbero e de uma das ponteiras (no caso a Pri Daroit), a oposta Ramirez também participa. A Suellen tem uma recepção excelente, e lidera as estatísticas da competição nesse fundamento, mas as outras duas deixaram a desejar. A Fernandinha teve que jogar muito com passe B, enquanto que do outro lado, a Fabíola teve toda a tranquilidade para distribuir o jogo. Nesse quesito, portanto, acho que foi mais deficiência do Amil do que méritos do saque do Sollys.
    2 – O bloqueio do Sollys foi melhor, e principalmente nos momentos decisivos. A vitória de virada no segundo set aconteceu graças a dois bloqueios seguidos da Adenísia sobre a Vasileva.
    3 – Novamente a Fe Garay foi decisiva no ataque, virando quase todas as bolas. Já disse em outro comentário e repito: No momento a gaúcha é a melhor ponteira do Brasil. Tem ponteira que tem passe um pouco melhor que o dela, mas o ataque está tão superior que compensa, e muito.
    4 – Suellen pode ser estatisticamente a melhor recepção do certame (gostaram do arcaísmo?), mas na defesa, não chega nas bolas. Falta mobilidade. O Sollys teve muito mais volume de jogo, com as defesas não só da Camila, mas também da Garay e Jacque.
    5 – O único fundamento que o Amil foi melhor foi o ataque, onde Ramirez, Vasileva e Pri Daroit, em conjunto estavam mais efetivas que o trio Sheila, Garay e Jaque (apesar da Garay ter sido a melhor das seis). Sheilla andou pisando na linha na hora do saque.
    6 – Thaisa apareceu muito pouco no jogo. Como sempre foi muito bem no saque, mas na rede foi discreta. Walewska bem no ataque, mas deixou a desejar no block. Adenísia, aquilo de sempre: caras, bocas e muito berreiro, mas justiça seja feita – foi a melhor das centrais em quadra.
    7 – Zé Roberto bem que tentou incutir um pouco mais de entusiasmo, segurança e autoconfiança no time, mas não conseguiu. No fim, deu entrevista onde deixou transparecer dizendo com outras palavras que faltou atitude para que o time mantivesse a vantagem no placar conquistada inicialmente em todos os sets, e fechasse pelo menos um. Não sei se realmente faltou atitude, mas na minha opinião, faltou pelo menos experiência ao time campineiro.

    • Luan

      Curti demais o comentário sobre a Adenízia… rs… “aquilo de sempre: caras, bocas e muito berreiro”…

    • Juju

      Me chama a atenção os jogos ruins que a Fabíola tem feito, ontem a Garay teve que atacar uma bola de mão esquerda, fora que a Sheila recebeu umas 3 bolas completamente espetada na rede e a bola da Thaísa tá baixa, a central ta atacando com o braço encolhido e muitas vezes não consegue sair do bloqueio. No jogo contra a Unilever a Fabíola também foi muito mal. O jogo do Sesi não teve tv, mas pelo live score, as vezes o Sesi abria no placar, tomava a virada e depois reagia e fechava o jogo, acho que este time gosta de emoções fortes. O time de Campinas é esforçado, mas é só isso, Vasileva erra muito sob pressão, a Ramirez tem muita raça e força e a Walewska estava em uma jornada ruim no jogo de ontem. A Unilever massacrou, sem mais o que dizer, os outros jogos não assisti.

    • Peri

      Grande análise!

      Apenas Zé Roberto acha que a sua líbero vai emagrecer. Deveria investir é na que está lesionada no SESI.

      Sobre a Garay, já tem algumas temporadas que é a melhor ponteira ofensiva do Brasil e a sua consolidação na seleção demorou demais para acontecer.

      É impressão minha ou a Walewska não está fazendo uma boa Superliga?
      A análise do Zé Roberto sobre a partida foi tão deselegante e indigna de sua própria carreira. Me assustei quando o vi dizer que havia defesas que poderia ter sido executadas até com a bunda.

  • A Superliga é transmitida também pelo canal Esporte Interativo, mas por força de contrato exigido pela PODEROSA REDE GLOBO ela não menciona o nome dos times, isso é uma vergonha!!!!!!!!!!!!!!!

  • Felipe Lima

    Uma coisa que poderia ser utilizada pra “driblar” a não-menção do nome real de uma equipe (quando é o patrocinador), seria adotar um nome “fantasia”, como por exemplo o Vôlei Futuro, que tem um monte de patrocinador estampado. Com um pouco de marketing, pode-se facilmente atrelar este nome às marcas que o patrocinam, gerando um retorno próximo do desejado. E não teriam este inconveniente da Globo não mencionar o nome da equipe.
    Pode ser até algum produto, qualquer coisa que venha a lembrar da marca. Não deve ser tão difícil achar algo que caia bem!

  • bsb

    Entra ano e sai ano e é a mesma coisa, a Globo transmite a mesma miseria de partidas. É claro que a Globo é a melhor opção em termos de divulgamento e atratividade, mas se é para ficar assim é melhor aceitar algo de menor proporção mas que trará maior visibilidade para a competição. Record ou Band seriam boas apostas que poderiam transmitir mais jogos e popularizar ainda mais a competição. Alguns sacrificios devem ser feitos para que a Superliga se torne ainda melhor.

  • Na verdade existe um grande interesse financeiro, não só por parte da toda poderosa Rede Globo, como também dos cartolas que estão por trás de tudo isso, esses canalhas não existe somente em nosso carro chefe, o futebol, mas em todo tipo de esporte, estamos cheios de aproveitadores, o Brasil não trata o esporte como uma maquina para gerar educação, cultura, saúde e outras coisas mais que o esporte pode proporcionar, um país em pleno crescimento o esporte serve como uma oportunidade para se ganhar dinheiro, pessoas muito mau preparadas na administração do nosso esporte.

  • Um campeonato de vôlei NUNCA SERÁ TRANSMITIDO em TV ABERTA, enquanto as partidas não tiverem um tempo médio definido:
    1) Limite de pontos para cada set: 25 no máximo, em vez de um zet terminar em 30 x 28, 29 x 27, chega no máximo a 25 x 24, sem vantagem de 2 pontos.
    2) Limite de tempo para cada set , dar um jeito de cronometrar como é feito no basquete e no futebol de salão;
    3) Se continuar do jeito que tá com alguns jogos levando mais de DUAS horas para terminar, não há PROGRAMÇÃO DE TV ABERTA QUE RESISTA!

  • maria anzanelo

    é incrivel que a globo só vai mostrar o jogo do rio x v. amil e do osasco nao vai mostrar nenhum jogo nesse returno é claro a globo é rio vcs podem ver o video sollys x unilever na final da superliga de 2011-2012 os comentarista todo estavao torcendo para o rio entao ja sabe sabado vai too mundo da globo puxar o saco do rio.

MaisRecentes

Bento fora da Superliga. Castro já comemora vaga



Continue Lendo

Semana positiva das Seleções adultas



Continue Lendo

Coluna: O polêmico teste na regra do vôlei



Continue Lendo