Rexona-Sesc fatura a Superliga feminina 2016/2017



12 títulos de Superliga feminina em 20 anos de projeto.  Dois números que resumem melhor do que qualquer palavra a passagem do Rexona pelo vôlei brasileiro. Neste domingo, a vitória por 3 a 2 sobre o Vôlei Nestlé, na Jeunesse Arena, no Rio de Janeiro, encerrou com chave de ouro o projeto iniciado em Curitiba.

A Unilever deixa uma herança riquíssima para o Sesc, atual copatrocinador, e a partir de agora o responsável pela manutenção da equipe liderada por Bernardinho. E também um exemplo, ou case de sucesso, para todo o esporte nacional.

O clima de despedida, porém, não diminuiu a festa por mais uma conquista. Antes do início da partida, balões (ou bexigas, como preferir) levantaram um bandeira com o número 11, a então quantidade de títulos. Para a torcida local, maioria entre os 12.532 presentes no ginásio, um prenúncio do resultado final.

O time carioca deu um cartão de visitas logo no início do primeiro set. Pressão no saque, sem erros e assim abriu 5 a 1, forçando o tenso rival a pedir tempo. As jogadoras mais experientes do Vôlei Nestlé nitidamente pediam calma para as companheiras. Aos poucos, com Tandara entrando no jogo no ataque, as paulistas foram cortando a diferença. Empataram em 11 a 11 e viraram no 15-14, após ace de Bia. A reação, porém, parou por aí. O Rexona já na sequência empatou, virou e abriu: 19-15. Luizomar ainda tentou uma tripla troca (Paula, Carol Albuquerque e Gabi), mas a primeira parcial já tinha dono: 25 a 19 para o Rexona.

Gabi foi a única, entre as reservas, a seguir em quadra por Osasco, substituindo Malesevic. O passe melhorou um pouco, mas o Vôlei Nestlé não conseguia volume de jogo para transformar defesas em pontos de contra-ataque. E essa falha  custou caro, com o Rexona permanecendo sempre bom vantagem confortável de três, quatro pontos de frente. Luizomar de Moura trocou Bjelica por Paulo para tentar ganhar poderio ofensivo e chegou ao empate em 12 a 12. Exatamente como na parcial anterior, a virada aconteceu no 15 a 14, após erro de Drussyla. A diferença é que o jogo ficou ponto lá, ponto cá. Até uma marcação polêmica da arbitragem, em um ataque de Gabi mudar a reta final. A bola, como mostrou o replay da TV, foi direta para fora. Mas o ponto foi dado para Osasco, com alegação de toque no bloqueio. Muita reclamação do time carioca, que na sequência passou a errar e acabou perdendo por 25 a 22.  Que falta faz a tecnologia na arbitragem! É cara, mas necessária.

O terceiro set começou com o Vôlei Nestlé na frente, graças principalmente aos ataques de Paula, que entrou bem na partida, dividindo a responsabilidade ofensiva com Tandara. Até que um ponto fez a Jeunesse Arena explodir como se festejasse um gol de título. Após uma série de defesas do Rexona, o time carioca foi premiado pelo esforço ao ver Dani Lins errar o levantamento. E a torcida carioca, em maior número, se inflamou.  O jogo seguiu parelho, com o Osasco na frente até o 17º ponto. Aí apareceu Drussyla para fazer a equipe de Bernardinho virar. E desta vez foi a vez do Vôlei Nestlé reclamar de uma marcação de bola dentro, que teria sido fora no 20 a 17. Para vocês verem: a tecnologia ajudará os dois lados. É um bem para o espetáculo. 25 a 22 para o Rio no placar.

O quarto, que poderia ser o set final, começou com mais uma reclamação de Bernardinho com a arbitragem. O Osasco, no tudo ou nada, abriu rapidamente 8 a 4. E a cômoda vantagem foi aumentando. O Rexona tentou mudar o panorama com a entrada da holandesa Anne Buijs, da levantadora Camila Adão, da oposto Helô. Mas a diferença era muito grande para ser desfeita. 25 a 18 para as paulistas e decisão no tie-break.

Um set para decidir o campeão. O esperado entre duas forças do vôlei mundial. E o Rexona, aos gritos de “campeão voltou”, abriu rapidamente 4 a 1, obrigando Luizomar de Moura a pedir tempo. Uma bola de Tandara na antena aumento a vantagem para 5 a 1. Juciely cravou e fez 6 a 1. O título foi se aproximando. Carol e Bjelica entraram na inversão de 5-1. Mas a reação do Vôlei Nestlé não aconteceu. Final de tie-break: 15 a 6. Final de Superliga com mais um título do Rexona, de Bernardinho, de Fabi, de Juciely, de Gabi… Final de um ciclo de um patrocinador campeão.



MaisRecentes

Supercopa abre temporada masculina mais imprevisível no Brasil



Continue Lendo

Itália e Sérvia na primeira final europeia do Mundial feminino



Continue Lendo

Minas e Dentil/Praia Clube conhecem rivais no Mundial



Continue Lendo