Supercopa abre temporada masculina mais imprevisível no Brasil



Sada/Cruzeiro e Sesi disputarão, neste sábado, às 20h30, na Arena do Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte, o título da Supercopa.

A competição abre a temporada nacional de clubes no país. Uma temporada, depois das mudanças nos elencos, bem imprevisível e com promessa de equilíbrio entre as principais forças.

No cenário brasileiro, quatro equipes estão alguns degraus acima das demais: os dois participantes da Supercopa, Sesc e EMS/Taubaté. Foram os quatro semifinalistas da Superliga 2017/2018, alguém vai dizer. Verdade. Mas com importantes mudanças na formação dos times, o que embaralha as cartas para os próximos meses.

O Sada/Cruzeiro, praticamente hegemônico na última década, passou por modificações drásticas. O levantador argentino Uriarte, o  ponta cubano naturalizado brasileiro Leal e o central cubano Simon saíram. Não é pouca coisa trocar três peças-chave em posições tão importantes.

Conversei com o técnico Marcelo Mendez, na quarta-feira, em São Paulo, sobre isso. E a frase dele deixa bem claro o trabalho de reconstrução que precisará ser feito.

– Você vai começar a ver nosso melhor time a partir de dezembro.

Le Roux com Cachopa e Leozinho no treino do Sada (Divulgação)

É o tempo que o comandante argentino, em sua décima temporada no Brasil, precisará para colocar o americano Taylor Sander e o central francês Le Roux aptos ao estilo Sada/Cruzeiro de se jogar. Tempo para fazer o entrosamento deles com um levantador novo como Fernando Cachopa.

É a maior transformação que os mineiros enfrentam desde a saída de Wallace e William, por exemplo. Lá atrás, quando os dois craques deixaram o time, as dúvidas sobre a manutenção no topo eram enormes. E Mendez conseguiu. Por isso não dá para duvidar novamente.

Já o Sesi, vice-campeão da Superliga e da Copa do Brasil na temporada passada, volta a encarar o algoz, uma já conhecida pedra no sapato, na disputa por um título. Para o técnico Rubinho, as principais mudanças no elenco foram o central Lucão e o ponta Douglas Souza, agora no rival EMS/Taubaté.

A reposição foi feita com outros dois selecionáveis: Eder e Lucas Lóh. Com a política de não contratar estrangeiros, até que o Sesi conseguiu estancar a sangria. Para a Supercopa e início da Superliga, o time perdeu também Lipe, que lesionou o tornozelo na segunda partida das finais do Paulista. Um baixa importante para Rubinho.

Vejo um Sesi, para este jogo, mais dependente da dupla William-Alan. A parceria, que tão bem funcionou na última Superliga, é decisiva para fazer o jogo do time paulista fluir.

William em ação na final da última Superliga (CBV Divulgação)

– Sempre é bom enfrentar uma equipe como o Sada. Cada jogo desse nível é um aprendizado diferente. Aliás, todos os jogos contra o Sada são importantes porque se trata de uma equipe que mais tem vencido no cenário nacional – analisou Alan, que venceu a Supercopa dois anos atrás defendeu o próprio clube mineiro.

Já aumentando o horizonte da análise, a imprevisibilidade da temporada 2018/2019 se deve também ao Sesc e ao Taubaté. O time do Rio ganha muito com a chegada de Wallace. Na verdade qualquer time do mundo ganharia com um campeão olímpico deste quilate. Com a manutenção do restante da espinha dorsal (Thiaguinho, Tiago Brendle, Maurício Souza, Maurício Borges – quando retornar de lesão) e a adição do ponta búlgaro Rozalin Penchev, Giovane Gavio tem todo o direito de sonhar com voos mais altos na segunda temporada na elite.

Já Taubaté, que perdeu Wallace, foi ao mercado com força. Tirou Lucão e Douglas do Sesi, apostou em Leandro Vissotto e Abouba, dois opostos com bom desempenho por Vôlei Renata e Canoas, respectivamente, na Superliga 17/18), fechou com a dupla argentina Uriarte e Facundo Conte e terá Lucarelli de volta após lesão grave no tendão de Aquiles. O argentino Daniel Castellani, que manteve a hegemonia no Paulista, ainda precisa de tempo para dar entrosamento aos recém-chegados do Mundial e para deixar Lucarelli na ponta dos cascos. Fazendo isso também tem tudo para brigar pela Superliga.

LEIA TAMBÉM

+ Minas e Dentil/Praia Clube conhecem rivais no Mundial de clubes



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo