Sollys/Osasco no Mundial de Clubes. Vem o tri do Brasil?



Coluna Saque do LANCE! deste domingo, 12/12.  A aventura do Sollys/Osasco no Qatar pelo título mundial.

Jaqueline, Natália, Sassá, Thaisa, Camila Brait e Adenízia terão, a partir desta semana, outra chance de conquistar um título mundial. Vice-campeãs com a Seleção no Japão, elas embarcam hoje para o Qatar, onde representarão o Brasil no Mundial de Clubes pelo Sollys/Osasco.

Pela frente, velhas conhecidas. A russa Sokolova, destaque do Fenerbahce (TUR) e algoz no Mundial de seleções, as italianas Piccinini e Ortolani, principais atacantes do Bergamo (ITA), as dominicanas Vargas, Cabral e De La Cruz, pilares do time-seleção do Mirador (DOM). Esses quatro times são favoritos disparados para a semifinal. Sollys/Osasco e Fenerbahce vão disputar a liderança do Grupo A, enquanto o Bergamo é melhor do que o Mirador no B.  As tailandesas do Federbrau e as quenianas do Kenya Prisons serão apenas figurantes. 

Para repetir o que Sadia (1991) e Leite Moça (1994) fizeram em Mundiais passados, o Sollys terá de jogar muito mais do que mostrou até agora na Superliga. Apesar das quatro vitórias em quatro jogos até aqui, o time comandado por Luizomar de Moura sofre bastante com a instabilidade. Na semana passada, por exemplo, o Sollys foi capaz de perder o primeiro set para o São Caetano e depois virar o placar, com direito a um 25 a 4 na terceira parcial.

– Tecnicamente o time ainda está longe do ideal que queremos. Tivemos altos e baixos. Mas vamos viajar para o Mundial com o sentimento de dever cumprido em deixar a equipe numa boa situação na classificação da Superliga. O Mundial de Clubes é um campeonato curto e  que não podemos bobear – comentou Luizomar, que espera contar com a volta da levantadora Carol Albuquerque no Qatar.

Para os brasileiros, o Mundial ainda terá outros atrativos. As seis selecionáveis citadas no primeiro parágrafo vão reencontrar José Roberto Guimarães, que comanda o Fenerbahce e tem como levantadora Fofão, campeã olímpica em 2008 com grande parte do time do Sollys ao seu lado.
Outro brazuca na competição é Marcos Kwiek, que dirige a seleção da República Dominicana e time do Mirador, que conta com boa parte das
selecionáveis do país. Vale a pena ficar de olho no Mundial.



  • toni guimaraes

    se a Carol Albuquerque se recuparar yenho certeza que traremos o titulo pois a Carol esta se revelando cada vez mais a melhor levantadora do Brasil atualmente, se o Ze Roberto tivesse convocado esta para o campeonato tenho cetreza que seriamos campeoes. Acorda Ze e deixe o orgulho e a vaidade de lado respeite o torcedor. Vamos em frente. Recuperacao da Carol e titulo na mao. Abracos

MaisRecentes

Vaivém: Mais estrangeiras na Superliga?



Continue Lendo

Com emoção, Corinthians se garante na Superliga



Continue Lendo

Com méritos, Brasil cumpre obrigação



Continue Lendo