“Simonster” desequilibra em mais um título do Sada/Cruzeiro



O insaciável Sada/Cruzeiro conquistou mais um caneco. Na noite desta quarta-feira, em Fortaleza (CE), vitória sobre o EMS/Taubaté por 3 a 1 (25-27, 25-22, 25-20 e 25-22) e título da Supercopa.

O nome da conquista foi o cubano Simon, o Simonster para o torcedor celeste. O central desequilibrou em várias passagens pelo saque nos sets finais, além de bom aproveitamento no ataque. Leal, com 18 pontos, foi o maior pontuador do jogo, ao lado de Wallace.

Impressiona como Marcelo Mendez consegue manter o Sada/Cruzeiro hegemônico no vôlei nacional. Quando Wallace foi para o próprio Taubaté, há duas temporadas, duvidou-se do futuro. Evandro vem dando conta do recado. O mesmo se repetiu ao fim da última Superliga com a despedida do levantador William e a chegada do argentino Uriarte. E, por enquanto, o vôlei brasileiro segue dominado por Filipe, Serginho, Leal & Cia. Até escrevi na semana passada que Taubaté diminuiu, no papel, a diferença para o Cruzeiro. Como o sérvio Ivovic ainda não estreou, a dúvida persistirá até a Superliga, mas os títulos seguem se acumulando nas prateleiras do clube mineiro.

O título no Ceará foi o terceiro do Cruzeiro na Supercopa. Na temporada, vitórias também no Mineiro e na Copa Ciudad de Bolívar. Desde 2010 a equipe disputou 35 campeonatos oficiais, chegou a 32 finais e somou 28 títulos.

– A gente não quer perder. Nós queremos continuar com esse caminho vitorioso que o Sada Cruzeiro construiu. E quanto mais prorrogarmos estas conquistas, melhor para nós – disse o campeão olímpico Evandro.

A nota triste da partida foi a arbitragem. Em vários lances erros primários. Após um deles (marcação de dois toques em levantamento de Rapha), até os cruzeirenses riram. Minutos antes um bloqueio muito dentro da equipe mineira foi marcado como fora. Irritados, jogadores perderam a paciência, com gestos e muita reclamação.

Sada/Cruzeiro: Nico Uriarte, Evandro, Filipe, Leal, Isac, Simon e o líbero Serginho. Técnico: Marcelo Mendez.

EMS/Taubaté: Rapha, Wallace, Dante, Lucarelli, Otávio, Solé e o líbero Thales. Entraram Rafael, Ruiz, Renan e Madaloz. Técnico: Daniel Castellani.



  • Senhor Omar – Trágico

    Daniel..o Cruzeiro é um time de futebol e a pressão pra vencer sempre é grande. Por mais que sejam atletas vencedores e tenham levantado muitos titulos, eles sabem que o torcedor quer ver o time sempre vencendo..e sofre muita pressao…além do mais..vencer é muito bom.

MaisRecentes

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo

Vaivém: Vôlei Nestlé confirma apresentação de peruana



Continue Lendo

Vaivém: Polonesa é esperada em Barueri



Continue Lendo