Sesi joga melhor, bate Sada/Cruzeiro e fatura Supercopa



A abertura da temporada nacional masculina de clubes teve o Sesi como protagonista. Na noite deste sábado, o time paulista conquistou a Supercopa ao bater, com autoridade, o Sada/Cruzeiro, em Belo Horizonte.

O triunfo foi obtido em sets diretos, parciais de 25-22, 25-19 e 25-22. O oposto Alan, do Sesi, foi o maior pontuador do confronto, com 18 acertos, seguido pelo cruzeirense Evandro, com 15.

O resultado acabou com a hegemonia do Cruzeiro na Supercopa. Nas edições anteriores, o time mineiro levou a melhor sobre o EMS/Taubaté em 2015, depois sobre Brasil Kirin, de Campinas, em 2016, e novamente sobre Taubaté em 2017.

O placar também acabou com uma série de triunfos do time de Marcelo Mendez em decisões de títulos contra o Sesi.

– Conseguimos realizar o que pretendíamos dentro do jogo. Conseguimos trabalhar bem no bloqueio, conciliar a defesa e criar oportunidades de pontos. Além disso, mantivemos uma linha de jogo consistente e isso é sempre o mais importante. Conseguimos manter esse padrão hoje e acho que esse é o caminho da vitória – comentou o técnico Rubinho.

Comemoração do Sesi na Arena do Minas Tênis Clube (CBV Divulgação)

Realmente a atuação do Sesi foi dominante. A dupla William-Alan funcionou muito bem no ataque, aproveitando as oportunidades de pontuar após o sistema defensivo fazer sua parte. O Sada/Cruzeiro, que ainda não pôde contar com o americano Taylor Sander, que se recupera de uma lesão no ombro, “colaborou” ao não conseguir imprimir o conhecido padrão no saque. Foram muitos erros, permitindo que a boa linha de passe do Sesi, com Renato no lugar de Lipe, outro lesionado, jogasse com certa tranquilidade.

– Estudamos bem o time deles, o Rubinho nos passou as informações bem precisas e esperávamos, inclusive, um jogo ainda mais disputado, sem ser de 3 a 0, mas conseguimos marcar muito bem a equipe deles e sair com essa vitória importantíssima para começar a temporada com um título – comentou Eder, que completou 35 anos.

Pelo lado do Sada, o capitão Filipe pediu paciência para o time ganhar ritmo após as importantes saídas de Leal, Simon e Uriarte.

– Nosso time foi bastante reformulado nesta temporada, perdemos quase metade da equipe e peças novas chegaram. Isso tudo leva um tempo para ajustes, mas faz parte. E todos têm que se adaptar o mais rapidamente possível, porque a gente não pode perder tempo. Nós temos que crescer muito, porque o nível está lá em cima – disse o capitão Filipe.

LEIA TAMBÉM

+ Seleção do Mundial não premiou melhores da final



MaisRecentes

Dentil/Praia Clube conquista a Supercopa. Mas tem muito a evoluir



Continue Lendo

Dirigente morre ao jogar torneio master em Saquarema



Continue Lendo

Coluna: Uma Superliga 100% transmitida



Continue Lendo