Sesi joga melhor, bate Sada/Cruzeiro e fatura Supercopa



A abertura da temporada nacional masculina de clubes teve o Sesi como protagonista. Na noite deste sábado, o time paulista conquistou a Supercopa ao bater, com autoridade, o Sada/Cruzeiro, em Belo Horizonte.

O triunfo foi obtido em sets diretos, parciais de 25-22, 25-19 e 25-22. O oposto Alan, do Sesi, foi o maior pontuador do confronto, com 18 acertos, seguido pelo cruzeirense Evandro, com 15.

O resultado acabou com a hegemonia do Cruzeiro na Supercopa. Nas edições anteriores, o time mineiro levou a melhor sobre o EMS/Taubaté em 2015, depois sobre Brasil Kirin, de Campinas, em 2016, e novamente sobre Taubaté em 2017.

O placar também acabou com uma série de triunfos do time de Marcelo Mendez em decisões de títulos contra o Sesi.

– Conseguimos realizar o que pretendíamos dentro do jogo. Conseguimos trabalhar bem no bloqueio, conciliar a defesa e criar oportunidades de pontos. Além disso, mantivemos uma linha de jogo consistente e isso é sempre o mais importante. Conseguimos manter esse padrão hoje e acho que esse é o caminho da vitória – comentou o técnico Rubinho.

Comemoração do Sesi na Arena do Minas Tênis Clube (CBV Divulgação)

Realmente a atuação do Sesi foi dominante. A dupla William-Alan funcionou muito bem no ataque, aproveitando as oportunidades de pontuar após o sistema defensivo fazer sua parte. O Sada/Cruzeiro, que ainda não pôde contar com o americano Taylor Sander, que se recupera de uma lesão no ombro, “colaborou” ao não conseguir imprimir o conhecido padrão no saque. Foram muitos erros, permitindo que a boa linha de passe do Sesi, com Renato no lugar de Lipe, outro lesionado, jogasse com certa tranquilidade.

– Estudamos bem o time deles, o Rubinho nos passou as informações bem precisas e esperávamos, inclusive, um jogo ainda mais disputado, sem ser de 3 a 0, mas conseguimos marcar muito bem a equipe deles e sair com essa vitória importantíssima para começar a temporada com um título – comentou Eder, que completou 35 anos.

Pelo lado do Sada, o capitão Filipe pediu paciência para o time ganhar ritmo após as importantes saídas de Leal, Simon e Uriarte.

– Nosso time foi bastante reformulado nesta temporada, perdemos quase metade da equipe e peças novas chegaram. Isso tudo leva um tempo para ajustes, mas faz parte. E todos têm que se adaptar o mais rapidamente possível, porque a gente não pode perder tempo. Nós temos que crescer muito, porque o nível está lá em cima – disse o capitão Filipe.

LEIA TAMBÉM

+ Seleção do Mundial não premiou melhores da final



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo