Semi do Paulista mostra importância das estrangeiras



O início das semifinais do Campeonato Paulista feminino, na noite desta quinta-feira, confirmou uma tendência para a Superliga: as jogadoras estrangeiras devem desequilibrar.

Na vitória do Hinode/Barueri sobre o Osasco/Audax por 3 sets a 1 (26/24, 25/14, 17/25 e 25/20), a maior pontuadora foi a polonesa Skowronska, com 24 acertos. Ela foi a bola de segurança do time e, mesmo ainda não estando no melhor da forma física e sem o entrosamento ideal com Dani Lins, demonstrou evolução em relação à temporada passada.

– Estou muito feliz com o resultado. Agora é pensar na próxima disputa no sábado e ir para cima delas buscando a vitória – comentou Kasia, como é chamada pelas companheiras e pela comissão técnica.

Na segunda temporada na equipe de José Roberto Guimarães, Skowronska jogou pela primeira vez com as selecionáveis que retornaram do Japão após a disputa do Campeonato Mundial: Dani Lins, Thaisa e Amanda, esta última cortada às vésperas do início, mas que permaneceu com o grupo.

Skowronska comemora com Dani Lins (Gaspar Nóbrega/Inovafoto)

Vale lembrar ainda que Barueri não apresentou a segunda estrangeira para a temporada 18/19: a ponta argentina Elina Rodriguez.

Pelo lado de Osasco, a ausência de uma estrangeira não permite fazer prognósticos mais precisos sobre o futuro do time na temporada. A americana Hooker ainda não se apresentou, algo que já começa a preocupar o torcedor, devido ao tempo que ela precisará para entrar em forma e para ganhar entrosamento com as novas companheiras para a Superliga.

Sem ela, a substituta Lorenne e a ponta peruana Leyva dividiram a responsabilidade e terminaram com 17 pontos cada na primeira semifinal. Durante boa parte do jogo, o Osasco sentiu falta de uma estabilidade maior no passe

No segundo jogo, em casa, Osasco precisará vencer o jogo e o golden set para se classificar para a decisão.

Na outra semifinal, o sotaque vencedor foi italiano. A oposto Valentina Diouf marcou 28 pontos na vitória do Sesi Bauru sobre o Pinheiros, fora de casa, no tie-break, parciais de 25/21, 23/25, 19/25, 30/28 e 15/11, mantendo o time do interior paulista invicto na competição.

A jogadora italiana de 2,02m vem ganhando a confiança do técnico Anderson Rodrigues no Estadual. O primeiro passo foi ganhar a titularidade que era de Tifanny. Com um entrosamento cada vez melhor com Fabíola, Diouf parece cada vez mais à vontade na primeira experiência internacional de clubes.

Diouf foi destaque na vitória sobre o Pinheiros (Daniel Vorley/Pinheiros Divulgação)

Pelo lado do Pinheiros, a cubana Herrera foi o maior destaque, com 23 pontos. Bem mais magra do que visto na fase de classificação, a jogadora, que já foi a maior pontuadora de uma edição da Superliga pelo Minas, prova ser uma aposta acertada do técnico Sérgio Negrão. Potência no ataque já é sabido que ela tem. Em boa forma física, ela pode fazer o time da capital paulista encarar adversários mais fortes e com orçamentos bem maiores de igual para igual.

Outras estrangeiras em quadra ontem foram a cubana Palacios, titular do Sesi Bauru, mas substituída por Edinara nos sets finais, além da americana Kelsie Payne, que foi pouco utilizada pelo Pinheiros.

LEIA TAMBÉM

+ Luto na Itália pela campeã mundial Sara Anzanello



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo