Sem brilhar, Brasil cumpre obrigação e bate tailandesas



A invencibilidade foi mantida. Mas a atuação não encheu os olhos. Assim defino a vitória brasileira sobre a Tailândia, neste sábado, por 3 sets a 1, parciais de 25-23, 20-25, 25-14 e 25-19, no Ibirapuera.

O quinto triunfo em cinco jogos neste Grand Prix mostrou falhas que não foram nítidas em outras apresentações. Desatenções em coberturas, erros em combinações de ataque, passe instável e dificuldades para virar as bolas com as opostos.

A tailandesa Tomkom em ação (FIVB Divulgação)

A tailandesa Tomkom em ação (FIVB Divulgação)

Com esse cardápio, José Roberto Guimarães mexeu no time por obrigação, não apenas para dar ritmo para as reservas. Joycinha saiu no primeiro set para entrada de Monique, que na parcial seguinte foi substituída por Barbara, que até então vinha sendo usada como central na Seleção. Natalia entrou na vaga de Garay, Adenízia entrou no meio de rede na posição de Carol.

Chamo a atenção para o número de Malika Kanthong, responsável por nove pontos de ataque apenas na segunda parcial.

Depois da derrota no segundo set, Zé voltou com o time que iniciou o jogo.  Talvez pensando: a cota de erros está esgotada. É hora de testar essa formação no momento mais difícil. E a aposta funcionou. O time voltou muito mais ligado, os erros diminuíram e rapidamente a ordem natural das coisas foi retomada. 8 a 3 logo na primeira parcial, vantagem foi aumentando, a ponto de permitir que as trocas para dar ritmo pudessem ser feitas, com Ana Tiemi e Jaqueline entrando na partida. Carol, com seis pontos, foi a destaque no incontestável 25 a 14.

No quarto set,  novamente o time-base foi escalado no início.  E o panorama foi parecido com a parcial anterior. Boa vantagem conquistada logo de cara, com o bloqueio anulando o ataque asiático e caminhada tranquila até o fechamento do set, já com várias reservas em quadra.

Analisando friamente, o melhor do jogo talvez tenha sido o susto tomado no segundo set. Contra rivais mais fortes, na fase final, um cochilo assim pode custar bem caro.

 



MaisRecentes

Brasil impõe primeira derrota à Turquia na Liga das Nações



Continue Lendo

Entrevista com Kerri Walsh, três vezes campeã olímpica



Continue Lendo

Vaivém: Oposto troca Sada/Cruzeiro por Ribeirão



Continue Lendo