Seleção feminina sofre uma das mais duras quedas



A eliminação da Seleção Brasileira na segunda fase do Campeonato Mundial feminino, nesta quinta-feira, doeu. E vai continuar doendo por muito tempo.

Foi dolorida pois aconteceu diante do Japão, um adversário ganhável em qualquer cenário, mesmo em casa, com apoio da torcida e também fazendo jogo de vida ou morte na competição.

Foi ainda mais dolorida por ter acontecido em uma virada pouco provável. Com a necessidade de ganhar por 3 a 0 para seguir no Mundial, o Brasil começou bem o primeiro set. Manteve-se no comando do placar desde o início. Abriu 22 a 17 com consistência no passe e na virada de bola com o trio Garay/Gabi/Tandara. Mas parou.

Uma opção errada de Roberta no levantamento, um ace no fundo, outro com a bola tocando na fita, uma invasão de Tandara ao atacar pelo fundo, mais um com um desafio de bola fora/bola dentro. E o emocional ficou comprometido. É algo a ser revisto, analisado e atacado. O Brasil não pode oscilar tanto em um aspecto crucial do esporte de alto rendimento. O Japão virou para 25 a 23, em um ponto de bloqueio. Fim da linha. E esqueça o restante do duelo.

Tandara em ação na eliminação brasileira no Japão (FIVB Divulgação)

A dor maior, porém, vem da campanha irregular em todo o torneio. O Brasil, em poucos momentos, teve o brilho intenso que habituou torcida e crítica. A eliminação passa pela derrota de virada para a Alemanha, para o set perdido para o México, para a atuação abaixo da crítica contra a Sérvia. Ainda assim, era possível avançar para as finais. Holanda e Japão conseguiram e estavam do lado verde-amarelo no chaveamento, bem mais fácil do que o enfrentado por Itália, China, Rússia, Estados Unidos, Turquia…

Dói pois na sequência, com tudo zerado no Mundial, as chances de todos passam a ser semelhantes. E o Brasil já demonstrou, em outras ocasiões, crescer em momentos de decisão.

O pior, porém, é não saber quando a dor vai passar. O ciclo olímpico até Tóquio-2020 vem sendo espinhoso. Muitos problemas de contusão, uma difícil reposição de jogadoras-chave nos ciclos anteriores, o crescimento de vários adversários, novas safras sem tanto brilho despontando na base… A reconstrução após a derrota para a China, nas quartas de final da Rio-2016, ainda está em processo e longe de atingir as metas traçadas.

Em 2018 a Seleção ficou fora do pódio na Liga das Nações, na Copa Pan-Americana, no Torneio de Montreux e agora no Mundial

Fica claro que trabalho não faltará para José Roberto Guimarães. Talvez o maior desafio desde que assumiu assumiu a Seleção após o Mundial de 2002, o último, antes do atual, que não havia visto o Brasil na briga por medalhas.

REPERCUSSÃO



MaisRecentes

Quem fica com as últimas vagas na Superliga masculina?



Continue Lendo

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo