Seleção feminina no caminho certo para 2011



Gostei do que vi neste sábado, na vitória por 3 a 0 sobre a Itália (25/18, 25/22 e 27/25), pela última rodada da Copa Internacional de Brasília.

A formação titular, pelo jeito, vai iniciar bem o Grand Prix. Dani Lins, Sheilla, Mari, Paula, Thaisa, Fabiana e Fabi é a formação mais lógica e inteira fisicamente para este começo de temporada. Natália vai precisar de tempo para se recuperar da cirurgia na canela e ganhar ritmo de jogo.

Hoje, Mari se destacou, sendo a maior pontuadora do time. Com o passe chegando mais vezes à sua mão, Dani Lins demonstra mais segurança e, por enquanto, volta a ser titular. Espero que ela se firme de vez.

Bom ver também que Paula Pequeno está mais segura no passe e tem potencial para render muito mais no ataque. Já Thaisa parece viver seu melhor momento na Seleção, levando-se em conta os dez jogos já disputados.

Por fim, Sheilla, Fabi e Fabiana formam um tripé que dá segurança em todos os fundamentos.



  • Marcelo Souza

    Bom teste essa Copa Internacional Feminina de Vôlei que a Rede Globo “bancou”. Com certeza o Zé deve ter feito suas análies para a convocação definitiva para o WGP 2011 que se inicia a 20 dias.
    Infelizmente não assisti aos jogos do Brasil contra as peruanas (mas pelo placar até a nossa seleção sub-99 venceria com facilidade… rsrrsrs) e contra as japonesas. Hoje vendo o jogo contra as italianas deu para ter uma base de como andam nossas atletas. Dani Lins é nitido que vem evoluindo muito bem, esteve segura e distribuiu muito bem o jogo. Sheilla como sempre é o pilar desta seleção, muito consistente no ataque e perspicaz nas largadinhas. Fabiana e Thaisa indiscutivelmente as melhores meio do Brasil e com certeza figurariam entre as 5 meios do mundo, são titulares absolutas, de maneira alguma Jusciely e Adenizia tem o padrão de jogo que as duas apresentam atualmente. Mari com certeza foi a nossa melhor jogadora neste sabado, soltou o braço, bloqueou muito bem, iniciou sem ritmo e durante a partida voltou a nos mostrar que esta voltando em sua velha forma. Paula Pequeno esta aos poucos voltando a nós encher os olhos, depois de ser eleita MVP dos Jogos Olimpicos, fez a besteira de se aventurar no vôlei russo e desde então sumiu, estava lenta, pesada fez ums Superliga pifia, para nao dizer ridicula, mas aos poucos esta voltando a ser o que era antes matadora. Já a libero Fabi, fez defesas espetaculares, foi eleita a melhors libero da Copa Panamericana, mas com certeza ja vi atuações muito melhor dela, mas tem créditos na seleção. Com certeza este WGP sera um grande teste para essas meninas. Ficamos na expectativa de mais um titulo para nós o 9ª titulo do GP.

  • Ana

    “Sheilla, Fabi e Fabiana são um tripé”? Pára! kkkkkkkkk

    Gosto dessa formação da seleção, com Paula e Mari. Mesmo com erros na recepção em algum momentos elas viram no ataque. É o ideal. Mas as duas tem que estar bem no ataque. Mari, ok, mas Paula estava pífia. Ótimo que está evoluindo e melhorou muito nesses jogos. Acredito muito nas duas para Londres. Apesar da Natália ser mais forte, hoje, que Paula no ataque, a bagagem de PP ainda conta muito. Uma vaga é da Mari.

    Sheilla esteve péssima nesses jogos. Não sei se por causa dos problemas pessoais ou técnicos mesmo. Espero que evolua para o GP. Precisamos muito dela. Da grande jogadora que ela é. Thaísa é a melhor central brasileira a algum tempo. Mas como o narrador enfatizou isso, agora todos vão falar, como se fosse uma descoberta. Fabiana melhorou, mas ainda está longe do que já jogou, do seu auge.

    A grata surpresa foi a Lins, com certeza. Segura, correta. Isso acho que é também reflexo da seleção B. Todas as jogadoras estão querendo mostrar serviço porque sabem que se bobear tem boas atletas no encalço.

    Obs sobre a narração: a Leila chamou a Bosetti de “surpresa”. A ponta do time campeão italiano e a comentarista de vôlei não sabe quem é. É o cúmulo!

    • Emanuella

      eu prefiro a Natalia, a potencia dela e da Mari supera a falta de passe, e no apuro bota a Sassa para fazer o fundo de quadra. Não acho que a Paula tenha o mesmo potencial que as duas, mas o que preocupa é Sheilla, me parece bem obvio que os problemas pessoais dela estão interferindo no desempenho, fez três partidas muito abaixo da capacidade dela, isso precisa ser resolvido porque sem ela o Brasil não tem a menor chance.

  • Adriano

    A Lins jogou bem, mesmo. Tomara que siga assim. Quem sabe no Sesi, sem a pressão de jogar num time de ponta, ela pode deslanchar? Aliás, com a volta da Tiemi, acho até que a Fabíola não está tão garantida assim. O Zé pode até, eventualmente, usá-la como titular, como fez no Mundial, mas a preferência dele pela Lins é nítida. Em todas as oportunidades que teve, ele sempre tentou bancá-la no time. Depende dela, agora, corresponder à confiança que sempre lhe foi depositada.

    Acho também bacana as oportunidades pra Tandara e Ju Nogueira.

    Quanto às ponteiras, acho o seguinte: embora a Paula realmente tenha feito um bom jogo contra o Japão, a diferença entre ela e a Mari é nítida. A Mari tava sem ritmo de jogo e, ainda assim, passa muito mais confiança pra Lins. A Paula perdeu a explosão que tinha, não dá mais. Ela se segura pela experiência, é uma jogadora guerreira, raçuda. Mas, para o tipo de ponteira que ela está sendo, acho que ainda a Sassá vale mais, pode ajudar mais o time. A Jaque é uma incógnita, nunca sabemos o que esperar dela. Mas vejo, assim que se recuperar, a Natália herdando fácil a vaga dela entre as titulares. Gostaria muito, também que a Garay estivesse entre as 12 (ou 14), mas acho, pra ela, muito mais difícil, já que a posição tem muita concorrência.

  • Vilma

    Realmente a Leila de comentarista e pessima.A melhor jogadora desse torneio foi a Mari rendeu muito em todos os fundamentos.A Dani Lins foi muito bem, espero que ela renda assim em jogos mais importantes como na fase final do grand prix.A sheilla me preocupou um pouco pois não rendeu nada nessa competição, no jogo contra italia ficou varias veses no bloqueio e atacou pra fora, mas continua sendo otima jogadora.

  • Eduardo

    Achei que a seleção estava completamente instavel. O time da Itália era completamente novo e fraco. As ponteiras são muito instaveis no passe. No WGP, teremos a confirmação disso… Atualmente Jaqueline é a melhor opção de dupla de ponta com Mari. Já pensou essa seleção enfrentando USA… a Tom ia criar raiz no saque. Ou seja, nao adianta ter duas ponteiras otimas no ataque e fracas no passe. isso sem duvida como diria Marcos Freitas comprometeria as ambições desa seleção, já que tudo começa pelo passe. E pra quem duvida da Jaqueline como PONTEIRA PASSADORA E ATACANTE, por que é isso que uma ponteira faz… é so entra no site da FIVB e ver as estatisticas dela nos dios ultimos campeonatos mundiais da recpção…2º e 4º geral mundial na frente inclusive da FABI. Isso é que ser ponteira..é dar opções às levantadoras.

    • AJ

      Essas fãs da Jaque… Ainda bem que nem para o GP ela vai. Espero que tenha muitos filhinhos.

      • Ismael

        Jaque de titular não dá mais…o que ganhamos com ela ? Nada…é pq na hora de decidir ela sempre toma um bloqueio e não tem emocional para jogar decisão…sempre foi assim! Mesmo quando jogou a decisão da superliga pelo Osasco fez partidas de ruins a péssimas

  • Afonso (RJ)

    Jogo contra o Peru:
    Equipe bem fraquinha, nem sombra do que foi o Peru há anos atrás. Enquanto o vôlei brasileiro evoluiu absurdamente, as peruanas regrediram bastante. Hoje o gap é astronômico. O jogo serviu como aquecimento para o Brasil e aprendizado para as peruanas. O mais difícil para as brasileiras, creio, foi manter a concentração.

    Jogo contra o Japão:
    O Brasil começou meio inseguro e por um breve instante deu a impressão que as japonesas (com o time completo) iriam endurecer o jogo. As japonesas como sempre, defendendo muito e atacando com uma rapidez alucinante. Takeshita às vezes parece que faz mágica. Mas contra as “marretadas” principalmente da Mari e da Thaísa, mas também da Paula e da Fabizona, não há japonesa de defenda. E a brasileiras se impuseram na força do ataque e na altura do bloqueio. Fizeram um número enorme de pontos de bloqueio contra as não tão altas atacantes japonesas e venceram de 3 x 0 com relativa facilidade.

    Jogo contra a Itália :
    A Itália veio bastante desfalcada, mas conseguiu um certo entrosamento nas partidas anteriores contra o Peru e Japão. Com bloqueio alto e ataques potentes, tem um estilo jogo até certo ponto comparável com o do Brasil. Antes, achei que as japonesas fariam um jogo mais duro que as italianas, mas me enganei. Foi realmente o jogo que as brasileiras tiveram que batalhar um pouco mais. Não que tenha sido um jogo duríssimo (até que foi fácil), mas foi um teste melhor que os dois anteriores.

    Pontos positivos:
    – Como citado acima, houve uma melhora ACENTUADA no jogo da Paula Pequeno.
    – Dani Lins vem também melhorando a olhos vistos. Espero que ganhando cada vez mais confiança, não “trema” em jogos decisivos.
    – A Thaísa está “na ponta dos cascos”. Será que o silicone tem algo a ver?
    – E a Mari também vem ganhando ritmo de jogo. A “ponteira que nunca ri mas esbanja simpatia” é figurinha carimbada na seleção.
    – Tandara apareceu muito bem quando colocada em quadra, sacando forte e com precisão. A estréia na seleção principal não poderia ser melhor. Mas acho que é jogadora para o futuro.
    – Ana Tiemi vem melhorando também. Entre ela e a Fabíola, prefiro muito mais a Tiemi, desde que desenvolva o grande potencial que eu (e muitos outros) achamos que ela tem. Não sei se dá para 12, mas se não bobear tenho certeza que vai estar em 16.
    – Em termos coletivos, o show de bloqueio contgra as japonesas.

    Não diria negativos, mas pontos “não tão positivos”.
    – A Sheilla andou mandando para fora alguns ataques que normalmente não costuma errar. Achei que ela não mostrou tudo que sabe nesses três últimos jogos, apesar de jogar bem “para o time”.
    – A recepção brasileira também precisa melhorar. Não podemos depender só da Sassá, nem compensar sempre com maior agressividade no ataque. Mas ao menos serviu para exigir mais da Dani Lins, no que ela se saiu bem.

  • Ismael Colomaca

    Muito bom ver Paula e Mari jogando pelas pontas. Paula contagia e não faz com que o time deix de sorrir em nenhum momento.

    As defesas dela hj foram espetaculares!

  • Naty

    Acho que foi um bom teste sim…..a Mari no ataque simplesmente impressionante….espero que continue assim…espero que a Paula volte a jogar como antes….e a Dani Lins nao entre em “pani” quando pegar um jogo na pressao….como ela costuma fazer…..ainda acho que a segunda vaga e da Fabiola….adoro a Ana Tiemi, mas acho que ela perdeu grandes oportunidades de evoluir na carreira ficando de reserva no Osasco…..mas sempre achei que ela tinha futuro….vamos ver no que da…..

  • Marcio

    Amigos alguem aqui ainda consegue assistir os jogos ( de qualquer modalidade) com os “narradores” e “comentaristas” que estao ai? A minha TV fica o tempo inteiro sem som!! “Mute” neles kkkkkk

  • Daniel

    Começo melhor impossível.
    Dani Lins por enquanto muito bem, mas ainda é muito cedo. Ela tem um Grand Prix, um Pan e uma Copa do Mundo pra mostrar que amadureceu e ganhar a confiança do time. E basta. Se não decolar esse ano, tchau.
    E Joycinha? Ainda volta? Foi cortada? É hora da Tandara aproveitar a chance.

  • Kid

    Depois que Sheilla e Mari terminaram tudo assunto no vôlei passou a ser secundário. Esse é o maior baphão do vôlei desde a semifinal de Atlanta. Babado, confusão e gritaria.

  • Diego

    Thaísa e Dani Lins são as melhores jogadoras brasileiras na atualidade sem duvida.

MaisRecentes

Vaivém: Polonesa é esperada em Barueri



Continue Lendo

A zebra aparece em Belo Horizonte



Continue Lendo

Vaivém: Jaqueline no Hinode/Barueri



Continue Lendo