Panorama da Seleção feminina após dois cortes



O funil olímpico ficou um pouco mais apertado na Seleção feminina após os cortes da ponta Mari Paraíba e da levantadora Naiane.

Agora, o técnico José Roberto Guimarães tem 15 jogadoras para 12 vagas na Rio-2016. Vamos ao panorama posição por posição:

LEVANTADORAS: Dani Lins (nome certo), Roberta e Fabíola (disputam uma vaga)

OPOSTOS: Sheilla (nome certo) e Tandara (dúvida)

PONTAS: Fernanda Garay, Natália, Gabi e Jaqueline (certas)

CENTRAIS: Fabiana, Thaisa e Juciely (certas). Adenízia (dúvida)

LÍBEROS: Camila Brait e Léia (dúvidas)

Essas estão garantidas na Rio-2016 (FIVB Divulgação)

A base titular para Rio-2016 reunida em uma foto (FIVB Divulgação)

Zé Roberto, durante boa parte desta temporada, disse que a versatilidade seria um dos pontos analisados para definição das últimas vagas. E outro aspecto é segurança que a escolhida passa para o restante do grupo.

Analisando pelo primeiro viés, ele testou Adenízia, atualmente a quarta central, como oposto em algumas inversões de 5-1. Na reta final do Grand Prix, porém, o técnico usou Gabi na posição, já que não tinha Tandara, lesionada. No atual momento, sinto que nenhuma das duas leva vantagem. É preciso considerar também que Natália, em uma emergência, pode ser tranquilamente deslocada para a posição de Sheilla, abrindo espaço para Jaqueline ou Gabi na ponta.

Citei tal possibilidade ao pensar em um corte tanto de Adenízia quanto de Tandara. Se isso acontecer Zé Roberto poderia levar Léia e Camila Brait e, neste caso, pesa a questão da segurança que cada uma passa. Uma decisão “parecida” com a de Karch Kiraly nos Estados Unidos, que surpreendeu ao levar três levantadoras, abrindo mão de uma ponta. Léia ganhou pontos com a segura atuação na final do Grand Prix justamente contra as americanas. Ela e Camila revezaram durante as finais na Tailândia. E, no balanço geral, o Brasil ganhou mais consistência na defesa com Léia. Nas estatísticas, uma vantagem considerável da jogadora do Minas, em terceiro lugar nas estatísticas do fundamento, com Camila Brait apenas em 17º.

Por fim, no levantamento, não senti Roberta muito segura nas inversões durante a fase final. Assim cresce a possibilidade de Fabíola, que treina em Saquarema após nascimento da filha, ficar com a vaga de reserva de Dani Lins.

 



MaisRecentes

Vaivém: Sesc confirma renovação de ponteiras



Continue Lendo

Seleção mantém embalo e não toma conhecimento das dominicanas



Continue Lendo

Vaivém: Site crava volta de Hooker ao Osasco



Continue Lendo