SAT: Reclamação de torcedor na final no Ibirapuera



Recebi este desabafo do leitor Rafael Campiolo, por e-mail. O divulgo na íntegra, com a reclamação sobre o tratamento que recebeu no domingo, no Ibirapuera.

Para que saibam, o LANCE! tem um canal exclusivo para esse tipo de reclamação: é o SAT (Serviço de Atendimento ao Torcedor). Normalmente, as reclamações recebidas são de torcedores de futebol. Mas nada impede de a galera do vôlei também relatar problemas, sugerir mudanças… Deixo o link aqui para vocês: http://sat.lancenet.com.br/

Boa tarde, Daniel

Sou um grande fã de voleibol, joguei vôlei universitário nos últimos 8 anos da minha vida pela Faculdade de Medicina da USP e acompanho jogos da superliga , seleção e tudo que é possível em relação ao esporte.

Gostaria de demonstrar minha indignação em relação ao fato de que ao longo dessa semana não li um comentário sequer sobre a bagunça na organização da final da superliga feminina no jornal Lance ou mesmo no seu blog.

Compramos ingressos por 40 reais e ao entrar não haviam lugares marcados como já era esperado. O que não era esperado é que o ginásio estaria com mais pessoas do que assentos e dezenas de pessoas tiveram que assistir ao jogo em pé ou sentado nos corredores o que vai contra qualquer lei de segurança em eventos desse porte.

Ao falar com os bombeiros no local, eles disseram que nada poderiam fazer que a culpa era da organização do evento.

Eu perguntei: “E se acontece algum incêndio aqui , como o pessoal vai circular se estão fechando todos os corredores de circulação?”

Acabei assistindo ao belíssimo jogo em pé sem o o menor conforto que fosse compatível com a grandeza da decisão.

Graças a Deus nenhum incidente ocorreu, mas também nunca tinha acontecido um incêndio em uma boate até verem que tudo estava errado. A semana inteira não li uma nota sobre isso em jornal algum. Penso que se o esporte quer evoluir esse é o tipo de situação que tem que ser mudada urgentemente.

Obrigado pela atenção, desculpe pelo desabafo tardio mas creio que você é o melhor canal que encontrei para expressar-me.



  • Bruna Colombo

    Aproveito a queixa do colega, registrando que, além da aparente superlotação ou o fato de não haver cadeiras numeradas ou, ainda, o exorbitante valor cobrado pelo estacionamento do Ibirapuera (R$ 50,00), foi descobrir, apesar de ter comparecido 1:30h antes do horário para o começo do jogo, que praticamente metade das cadeiras da arquibancada inferior, tanto da torcida da Unilever quanto da do Sollys, estavam reservadas, prontamente guardadas por seguranças que exigiam a pulseira da cor X! As quais, minutos antes de começar a transmissão, foram liberadas para os pobres pagantes que não conseguiram achar um lugar para sentar em virtude do BURACO provocado pelo não comparecimento ao evento dos que ganharam convites para os ditos assentos reservados! SUPER FALTA DE RESPEITO COM O TORCEDOR PAGANTE!
    Se a CBV quer um público fiel ao vôlei tem muito a evoluir no trato com o seu torcedor.

  • Raphaela

    Bruna, o mesmo ocorreu comigo. Comprei ingresso para a arquibancada inferior, cheguei ao estádio as 08:20. Entrei e fiquei surpresa em verificar que toda a lateral inferior estava reservada para familiares de atletas, sendo que as demais cadeiras estavam todas ocupadas e ainda tinha muita gente para entrar. Um completo absurdo e desrespeito. Muitos torcedores assistiram o jogo em pé ou sentados nos corredores enquanto a área reservada sequer lotou.

  • João Júnior

    Pela televisão via-se zilhões de cadeiras vazias…aparentemente, a reclamação não procede. O povo quer cadeira reservada com 12 mil pessoas no Brasil. Acho difícil, viu? Não é a cultura desse tipo de evento. Lamentável, mas um fato.

    • Bruna Colombo

      João,

      As cadeiras vazias que você viu pela televisão são justamente as que estavam reservadas e que foram “liberadas” minutos antes do começo da transmissão! Logo, os pobres mortais que compraram ingresso e que se ajeitaram pelos corredores e escadas não tiveram tempo hábil de ocupá-las pois o jogo já estava começando.

      Além do mais, a aparente superlotação refere-se às arquibancadas superiores que estavam sim entupidas e, logicamente, com o acesso bloqueado para as arquibancadas inferiores. Se você olhar o take da TV verá buracos somente nas arquibancadas inferiores e pessoas nas marquises de passagem e escadas sentadas nas arquibancadas superiores! Portanto, dizer que a reclamação não procede somente com base na imagens da TV sem ter estado de fato no ginásio não condiz com a realidade!

      • Raphaela

        De acordo Bruna. E não só na arquibancada superior estava entupida a inferior também. Ir ao banheiro era tarefa das mais difíceis, pois tinha muita gente sentada nas escadas enquanto um imenso espaço estava vazio e reservado para parentes de atletas ou funvionários da empresa patrocinadora, sei lá.

  • Joao Paulo

    Eu estive no ginásio e não havia isso que está sendo dito.
    Vi muita gente reclamando por chegar 30minutos antes e querer 5 cadeiras juntas.
    Essa reclamação não procese e é um absurdo.
    Cheguei 1h30 antes, sentei super bem acomodado e sequer paguei estacionamento.
    Quem chegou em cima da hora de fato não tem direito algum de reclamar.

    Ficou em pé apenas quem não quis se separar dos familiares por não te se programado para chegar com antecedência suficiente.

    Foi bem organizado sim e não merece uma pauta nem no jornal nem no blog.

  • Natália

    Fui ao ginásio na arquibancada suberior e haviam muitos assentos disponíveis. Vi assentos disponíveis na arquibancada inferior na parte de trás do ginásio, que via o jogo por trás e não pelo lado, ali com certeza não era reservado para familiares.
    Onde eu estava não tinha ninguém sentado nas escadas.
    Havia números nas cadeiras sim, ninguém quis respeitar. Os torcedores não respeitaram.

    Estacionamento é um problema por ali mesmo. É bem difícil.

  • Cesar

    Estive no ginásio e posso dizer que os assentos disponíveis na arquibancada inferior na parte de trás da quadra na qual se acompanha o jogo por trás estavam reservados, inclusive, foi de lá que Logan Tom e o marido da Sarah Pavan acompanharam o jogo, assim como metade da lateral que foi liberada minutos antes da transmissão da TV começar.

    É possível ver, em fotos publicas no Facebook oficial da Unilever, as cadeiras vazias etiquetadas com os dizeres RESERVADO!

  • Flávio

    E a Globo tentando imitar as apresentações de SuperBowl…

MaisRecentes

A dor de Gabi e de quem estava ao lado



Continue Lendo

Duas gratas surpresas na Superliga



Continue Lendo

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo