Saque faz diferença em recuperação brasileira



Aces de Vissotto, Lucarelli, Isac, Riad… Foram 15 no total do fundamento, decisivo para que o Brasil derrotasse a Sérvia por 3 a 2 (25-23, 20-25, 25-21, 22-25 e 15-13), recuperando-se da derrota de sexta-feira, a primeira e única até aqui na Liga Mundial.

O saque foi o que de melhor a Seleção apresentou no jogo. Foi com ele que Riad deu show no fim do primeiro set para o time largar em vantagem. Foi com ele que Lucarelli e Leandro Vissotto, os dois maiores pontuadores do Brasil (24 e 13 pontos, respectivamente), ajudaram a fechar o jogo.

Já o bloqueio ficou devendo mais uma vez. A dupla Bernardinho/Rubinho mudou o time, iniciando com Riad e Isac, deixando Lucão e e Eder no banco de reservas. Foram cinco pontos marcados (contra um na sexta), mas ainda pouco para uma disputa longa em cinco sets. Os sérvios, que também não deram espetáculo no fundamento, fizeram quase o dobro: 9.

Em relação ao jogo de sexta, as demais novidades não citadas acima  foram o levantador William e Lipe. O time sentiu certa instabilidade no passe e na virada de bola em parte do jogo.  Ainda assim, se tivesse errado menos (foram 37 pontos dados de graça), poderia ter conquistado uma vitória mais tranquila. Perdi a conta das jogadas que a defesa fez sua parte, mas toques na rede impediram que o lance tivesse sequência.

Pelo lado sérvio, gostei do levantador Jovovic, que demonstrou coragem na distribuição nestes dois jogos. Nas mãos de um craque (Nikola Grbic), ele pode evoluir ainda mais.

Não foi uma atuação de encher os olhos, mas a forma com que o resultado foi construído pode servir de inspiração para os jogos com Itália e Austrália na sequência da primeira fase, deixando o time brasileiro mais estável para as finais no Rio de Janeiro.

GALERIA DE FOTOS DO DUELO: http://www.lancenet.com.br/minuto/FOTOS-Confira-Selecao-Brasileira-competicao_5_1375712421.html



MaisRecentes

Vaivém: Oposto troca Sada/Cruzeiro por Ribeirão



Continue Lendo

Vaivém: Sesc confirma “substitutas” de Fabi



Continue Lendo

Vaivém: Leal, Solé, Grebennikov e Bartsch de casa nova



Continue Lendo