Sada/Cruzeiro x Sesi na decisão da Copa



As semifinais da Copa Brasil foram bem menos equilibradas do que se esperava. Méritos para Sada/Cruzeiro e Sesi, vencedores dos duelos contra Sesc e EMS/Taubaté, respectivamente.

Na rodada dupla na Vila Leopoldina, na noite de ontem, os mineiros levaram a melhor no duelo dos líderes da Superliga por 3 sets a 1, parciais de 25-17, 20-25, 25-21 e 25-23. No jogo de fundo, os donos da casa venceram o clássico paulista em sets diretos, parciais de 25-22, 25-17 e 27-25.

Para os derrotados, a ausência de titulares pode ser apontada como um dos principais fatores: o Sesc não contou com o ponta João Rafael e o central Thiago Barth. Já o Taubaté perdeu o levantador Rapha ainda no primeiro set, após uma lesão nas costas, sendo substituído por Paulo Renan. Lucarelli segue fora, se recuperando de cirurgia.

Bloqueio do Sada, com Alemão, diante do Sesc, de Renan (Divulgação)

– Mostramos que temos um time competitivo mesmo com alguns desfalques. Se tivéssemos trabalhado um pouco melhor as bolas difíceis poderíamos ter beliscado algo a mais no jogo. A equipe deles está de parabéns e desejo uma boa sorte aos participantes da final – disse Thiaguinho, levantador do Sesc.

– O segundo levantador normalmente não está acostumado a treinar com a equipe titular e isso faz uma diferença. A saída do Rapha prejudicou bastante a equipe deles – admitiu Lucão, central do Sesi.

Block triplo do Sesi tenta parar o Ivovic, do Taubaté (Divulgação)

Maior pontuador da primeira semifinal (20 acertos), o oposto Evandro revelou uma motivação extra do Sada/Cruzeiro na partida:

– A gente estava mordido com a derrota que sofremos para o time deles no último jogo no Rio e não aceitaríamos um resultado diferente do que a vitória. Entramos com muita vontade e acredito que o principal fator para a nossa vitória foi o saque. Nos três sets que vencemos o serviço funcionou bem e na parcial que perdemos o saque não entrou. Além disso, a nossa equipe trabalhou bem como um todo nessa partida. Estamos na final da Copa Brasil e queremos voltar para casa com esse título – disse o campeão olímpico.

A final contará com um ingrediente bem especial: a presença do levantador William pelo Sesi contra o Sada/Cruzeiro, ex-time pelo qual conquistou todos os principais títulos do planeta.

– O duelo contra o Sada/Cruzeiro na final será um jogão. É mais uma grande equipe com jogadores que podiam estar jogando em qualquer seleção do mundo. Os torcedores vão poder assistir a um bom jogo – finalizou Lucão.

A final será neste sábado, às 21h30, no Ginásio da Vila Leopoldina, em São Paulo. O SporTV transmitirá.

 



MaisRecentes

O “Fora, Bolsonaro!” virou mais um incêndio



Continue Lendo

12 anos. Mas parece que foi ontem em Pequim



Continue Lendo

Unir concorrentes mostra o tamanho de Rodrigo Rodrigues



Continue Lendo