Sada/Cruzeiro chega mais uma vez. Qual o segredo deste time?



Pelo segundo ano seguido em seis participações, o Sada/Cruzeiro está na final da Superliga masculina.

De forma incontestável, venceu como visitante o Vivo/Minas por 3 sets a 0, com um impiedoso 25-15 na terceira parcial, nesta manhã.

Me chama a atenção como o time comandado pelo argentino Marcelo Mendez joga fácil. Parece não precisar fazer força para pontuar. Não se desespera quando está atrás do placar. Não desperdiça chances no momento de abrir vantagem ou fechar sets.

Para jogar assim é preciso ser muito obediente taticamente. E isso o time celeste é, e de sobra. Contra o Vivo/Minas, o Sada/Cruzeiro apostou em um saque flutuante e com esta fórmula minou o passe do rival. Lucarelli, jovem com potencial enorme, foi caçado e ficou mais limitado no ataque. Manius foi trocado por Bruno Temponi. Marcelinho, quando pôde, jogou com o jovem e talentoso central Otávio. Filip começou bem, inclusive vibrando mais do que o normal, mas perdeu intensidade. E assim os cruzeirenses foram abrindo caminho para a decisão.

Algumas coisas sobre o atual vice-campeão nacional já foram ditas. Mas merecem ser repetidas. William é um levantador especial. Surpreende com bolas chutadas pelo meio mesmo com o passe ruim. Tem uma sintonia quase perfeita com o oposto Wallace, maior pontuador e melhor jogador da semifinal. O Mago, apelido recebido na passagem pelo Bolívar (ARG), também costuma acionar os pontas Filipe e Maurício nas passagens de rede com bloqueio mais falho dos adversários. E usa e abusa das jogadas rápidas com Douglas Cordeiro, um central que dificulta muito a marcação com seu estilo peculiar de atacar. Quando Serginho garante passe na mão e dá volume de jogo na defesa, William deita e rola. O capitão é a alma deste time, sem estrelas badaladas, mas com uma coesão acima da média no esporte.

Outra coisa que faz muita diferença em esporte coletivo. No Sada/Cruzeiro não tenho a impressão de que um jogador quer aparecer mais do que outro. Todos sabem o papel que possuem e a importância para o time. E assim se constrói um grupo vencedor.

 



MaisRecentes

Vaivém: Renan acerta volta para a Itália



Continue Lendo

Vaivém: Argentina marca golaço ao acertar com Marcelo Mendez



Continue Lendo

Vaivém: Kim, Boskovic e Larson no mesmo time



Continue Lendo