A rodada dos tie-breaks no masculino



Três dos quatro jogos de sábado, pela oitava rodada da Superliga masculina, foram de tirar o fôlego: decididos pela diferença mínima no tie-break e com vitória dos visitantes, uma marca desta competição.

Em Taubaté, no resultado mais surpreendente dos três, o Vôlei Renata derrotou o EMS/Taubaté, parciais de 25-17, 19-25, 25-18, 25-27 e 16-14. Vale citar que o campeão paulista jogou com sua força máxima e chegou a abrir 14 a 11 na parcial decisiva, o que aumenta muito o mérito dos campineiros. Leandro Vissotto, 25 pontos, e Diogo, 23, lideraram o time de Horacio Dileo. Wallace também fez 25 para os donos da casa. O VivaVôlei Cimed ficou com o levantador Rodriguinho.

Resultado para iniciar uma recuperação do Vôlei Renata, que vinha de resultados negativos. E para deixar o Taubaté mais longe do líderes Sada/Cruzeiro e Sesc, que segue com jogos a menos do que os principais rivais.

Em Ponta Grossa, o Lebes/Canoas passou de virada pelo Caramuru, parciais de 18-25, 18-25, 25-22, 25-17 e 16-14. O oposto Abouba foi titular e marcou 30 pontos para ajudar na reviravolta e voltou para o Rio Grande com o VivaVôlei Cimed. A destacar os 17 pontos de bloqueio dos paranaenses.

Os gaúchos têm mostrado força contra rivais diretos pela vaga nos playoffs e vão somando pontos importantes. Agora com 11 pontos, mesmo número do Vôlei Renata, o Canoas, oitavo colocado nos critérios de desempate, abriu seis do próprio Ponta Grossa, o nono.

Por fim, em Guarulhos, o Sesi venceu o Corinthians em um tie-break emocionante: 23-25, 25-17, 22-25, 25-20 e 22-20.

O maior pontuador foi o oposto Alan, do Sesi, com 27 pontos. O ex-Sada/Cruzeiro assumiu o protagonismo nos momentos decisivos, demonstrando, além do amadurecimento, muita eficiência. Ele colocou no chão 23 de 37 bolas recebidas. Pelo Timão Fabio anotou 20 pontos. O Troféu VivaVôlei Cimed ficou com o ponta Douglas Souza.

Com os dois pontos, o Sesi chegou a 20, mesmo número do Taubaté, mas roubando o terceiro lugar do rival. O Corinthians foi a 13 e está em sexto.

Um momento a destacar da partida. A tecnologia, que será usada apenas nas semifinais da Superliga, teria encurtado o tie-break a favor do Sesi. William acertou um ace no primeiro match point, mas o árbitro principal não aceitou a marcação do bandeirinha e deu bola fora. Todos nós sabemos que falhas são humanas, acontecem, o jogo está muito veloz, etc e tal. Mas não dá mais para abrir mão da ajuda eletrônica para minimizar os erros.

Na outra partida do dia, o líder Sada/Cruzeiro confirmou a supremacia dos visitantes e passou de virada pelo Montes Claros: 30-32, 25-21, 25-15 e 25-17. Isac marcou 17 pontos e foi eleito o melhor em quadra. Os mineiros, que em duas semanas jogarão o Mundial da Polônia, vão poder se despedir do Brasil com a sensação do dever cumprido na Superliga.



MaisRecentes

Copa altera o status da Seleção Brasileira masculina



Continue Lendo

Coluna: Vale prestar atenção na vizinhança



Continue Lendo

Coluna: Já esperava ver a Seleção em outro patamar



Continue Lendo