Rexona faz o Praia morrer na praia de novo



O Sul-Americano feminino, quem diria, terminou com uma parcial digna de… Sul-Americano feminino. Na noite deste sábado, o Rexona-Sesc conquistou pela quarta vez o título da competição ao bater o Dentil/Praia Clube, time da casa, por 3 sets a 1, parciais de 25-19, 20-25, 25-19 e 25-10 (?!?).

Além do título, o time carioca garante a vaga do continente no próximo Mundial de clubes, que será disputado em maio, em Kobe, no Japão.

Mais um título do Rexona-Sesc (Divulgação)

Mais um título do Rexona-Sesc (Divulgação)

– Quando começou a temporada a gente sabia da importância desse campeonato. E sendo em Minas só aumentou as nossas dificuldades. Enfrentar o Praia na casa deles é uma missão dificílima. O primeiro set foi duro, mas a gente conseguiu ajustar e no detalhe abrimos uma diferença para vencer. No segundo desperdiçamos muito contra-ataque e isso fez toda a diferença. Mas a partir do terceiro, colocamos a cabeça no lugar, paramos de errar, jogamos a pressão para o lado delas e nosso jogo funcionou. O quarto set foi atípico, mas que bom que deu tudo certo para a gente. Missão cumprida – analisou Gabi, que foi eleita a jogadora mais valiosa do Sul-Americano de clubes.

Me impressiona como o time de Uberlândia parece não estar pronto para ser campeão. Ontem, o título começou a escapar das mãos mineiras quando a dupla de arbitragem argentina (fraca, diga-se de passagem) deixou passar a marcação clara de dois toques da central Carol. O terceiro set estava no início, com o Praia na frente. O destempero foi claro naquele momento. Tássia chutou a cadeira do juiz principal e levou cartão vermelho. E, daí em diante, o jogo mudou. As mineiras passaram a errar em excesso, Claudinha falhou na distribuição, as atacantes passaram a não pontuar e assim viram de camarote o rival carioca fazer a festa no Triângulo.

Para alcançar o tão sonhado título nacional ou internacional o Praia precisa melhorar. Já o Rexona, líder da Superliga, não cansa de levantar troféus. Incrível como o time sabe jogar decisões.



MaisRecentes

Não sei em quem apostar na Superliga feminina



Continue Lendo

Coluna: Um por todos, todos contra Taubaté na Superliga?



Continue Lendo

Caramuru usa artifício jurídico para jogar a Superliga



Continue Lendo