Retrospectiva de A a Z do vôlei mundial



Fim de ano é sempre hora de relembrar os fatos marcantes. E, como já virou tradição aqui, nossa retrospectiva de A a Z está no ar.

Admito que em algumas letras a concorrência foi maior do que em outras e gente de peso ficou fora desta lista. Já em outras eu tive a vontade de sugerir uma mudança no alfabeto por falta de opções.

Como sempre, comentários nas redes sociais são sempre bem-vindos. E já fica aqui o nosso muito obrigado pela companhia em 2019 e os votos de um excelente “vinte vinte” para todos nós!

Alan – mostrou ter capacidade e personalidade para se protagonista na Seleção

Bruninho – com a conquista do Mundial de Clubes, faturou o único título que faltava na vitoriosa carreira

Civitanova – ganhou Italiano, Europeu e Mundial, escrevendo o nome na história

Dal Zotto – pelo sobrenome, para permitir outro com a letra R. Pegou o Taubaté em baixa e foi campeão da Superliga

vôlei

Renan comanda a Seleção e o Taubaté (DVV/Sebastian Wells)

Egonu – pelo jeito será a dona da letra E nesta retrospectiva durante vários anos. Joga demais

Fair play financeiro – uma ideia ótima na Superliga, mas que acabou burlada por times devedores. Não pode ser abandonado

Gabi – teve uma temporada de maior protagonismo na Seleção. E precisa seguir assim em Tóquio-2020 em uma posição-chave do time

Hill – coadjuvante de luxo no Conegliano e sem tantos holofotes na seleção americana. Mas é o ponto de equilíbrio de ambas

Itambé/Minas – o título da Superliga coroou o excelente trabalho de Lavarini pelo clube mineiro

Juantorena – como joga fácil o cubano naturalizado italiano. Dá gosto de ver!

Kiraly – o técnico americano tem o elenco mais qualificado do vôlei mundial para Tóquio-2020

Lorenne – a principal surpresa da Seleção Brasileira. Será que chegou para ficar?

Macris – uma ótima temporada de clubes. Na Seleção, ainda pode melhorar

Ngapeth – a prisão em Belo Horizonte é nova mancha numa carreira já repleta de polêmicas fora de quadra

Ouro – pela concorrência demonstrada neste ciclo olímpico, a cobiçada medalha deve ser a mais disputada de todos os tempos tanto no masculino quanto no feminino

Polônia – muito se espera do bicampeão mundial, com a adição de Leon ao time da dupla Kurek e Kubiak

Q – repito 2018: prometo me esforçar para encontrar algo útil no alfabeto para 2020

Ricardo Lucarelli – deu a volta por cima após uma grave lesão no tendão de Aquiles

Sada Cruzeiro – no Mundial reagiu após a maior renovação já feita no projeto em todos os tempos

Taubaté – a primeira Superliga de muitas? É o que a torcida espera depois do título de 2018/2019

Uros Kovacevic – liderou a seleção masculina da Sérvia na conquista do Europeu. Conseguirá levar os sérvios para a Olimpíada?

Vôlei Brasil – o canal, em parceria com a TV NSports, permitiu a transmissão de 100% dos jogos da Superliga. Mas ainda pode e deve melhorar a qualidade das exibições

Web Vôlei – festejamos um ano de vida, mas já nos planejamos para voos mais altos para seguir presente nas próximas retrospectivas

X – as vagas olímpicas da Rússia, anteriormente garantidas em Tóquio, podem ganhar um X por conta do escândalo de doping. A ver os desdobramentos políticos

Yoandy Leal – o primeiro ano na Seleção masculina ninguém esquece. Tem tudo para mudar o Brasil de patamar

Zhu – assim como a letra E, a Z tem tudo para se repetir aqui por muito tempo



MaisRecentes

Quem fica com as últimas vagas na Superliga masculina?



Continue Lendo

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo