Reclamação muito válida de um leitor



Reproduzo aqui, com consentimento do autor, um e-mail recebido na semana passada. Já retratei o tema em colunas no LANCE! e acho que a voz dos torcedores merece ser ouvida pela CBV.

Não é de hoje que as reclamações acontecem e não vejo nada sendo feito para ser melhorado.

Olá, Daniel.

Meu nome é Eduardo Bernardo, sou engenheiro de meio ambiente aqui de São Paulo, acompanho voleibol há mais de uma década (precisamente desde 1996, quando brasileiras e cubanas decidiram resolver no pugilato o que não ficou devidamente resolvido em quadra), e estou escrevendo este e-mail para expor todo meu descontentamento com a agenda de horários das partidas nas Superligas (feminina e masculina).

Gostaria de saber se há algo que nós, fãs que frequentamos os ginásios, podemos fazer para alterar o horários dos jogos na Superliga. Minha queixa é sobretudo com os jogos marcados para as 21h00. Não consigo imaginar a que tipo de público um jogo de vôlei marcado a essa hora se destina…

Decerto não é à pessoa que sai do trabalho às 17h00 ou às 18h00 (a maioria dos trabalhadores), pois ninguém esperaria 4 ou 5  horas para ver jogos que não raro acabam bem próximos da meia-noite. Também não deve ser, infelizmente, às crianças e aos adolescentes que nessas horas já estão bem próximos de ir para cama…

No meu entendimento, esse horário só é bom para quem assiste ao jogo no conforto do sofá da própria casa. Aqui em São Paulo, onde os serviços de trem e metrô param à meia-noite, quem se aventura a ver um jogo que começa às 21h00 corre sério risco de não ter como voltar para casa. Por temer isso é que deixei de ir à Vila Leopoldina para ver Sesi x Minas, pela Superliga Feminina, na última segunda-feira, já imaginando que o confronto pudesse se estender, o que acabou se confirmando, e eu, que como muitos, dependo de transporte público, tivesse de dormir na rua. Segundo a súmula do jogo, a partida acabou às 23h22min. No jogo entre Pinheiros e São Bernardo foi ainda pior: 23h35min. Curiosamente, esses dois jogos registram péssima média de público: 350 e 250 pessoas, respectivamente.

É possível que a baixa qualidade técnica de algumas equipes envolvidas contribua para a baixa frequência de público, mas creio que o horário ainda seja o fator preponderante.



  • emanuella

    concordo, esse horário é um horror, porque a gente sai do ginásio morto de cansado. Mas o esporte não existe apenas para agradar torcedores, alias passa bem longe disso, o esporte existe por causa dos patrocinadores, e para agradar os patrocinadores e necessário divulgar a marca, e para isso tem que ter transmissão televisiva. então os horário são escolhidos pela tv, que tem determinados horários vagos em sua grade de programação. não esqueça que o jogo de futebol da rede globo é as 22:00 horas de uma quarta feira, pior do que isso não existe.
    muitos times nem ingresso de seus torcedores cobram, então a renda é mesmo dos patrocinadores, que precisam estar na tv.

  • Gaca

    Sinceramente nao acho o horario de 21:00 h ruim nao… Se formos considerar que os jogos de FUTEBOL comecam as 21:45h DEPOIS DA NOVELA DA GLOBO!!! Acho 21:00h um horario EXCELENTE para o volei! Inclusive da pra levar criancas tranquilamente, chegam da escola tomam um banho, fazem um lanche e vao assistir aos jogos. Inclusive adoro esse horario de 21h porque detesto novelas e acho que as criancas so’ estao aprendendo besteiras com essas novelas, nada melhor que um jogo de volei no horario NOBRE DA NOVELA DA GLOBO!

  • Jailson

    Parece que a ditadura globo continua sem fim…Não entendo esse apatia da CBV de não trabalhar para levar o vôlei a tv aberta.

  • Gaca

    Acho que o maior problema do VOLEI nao e’ o horario que a partida comeca, mas e’ NAO SABER A QUE HORAS ELA VAI TERMINAR!!! Sets Longos e interminaveis acabam com a paciencia de qualquer um: seja do trocedor seja da TV. O volei deixa de ser transmitido em TV aberta porque acaba com a PROGRAMACAO! Muita gente que eu conheco tambem desanima assistir a um jogo no ginasio, justamente por NAO SE TER IDEIA DE QDO TERMINA!!!Acho que os sets nao deveriam ultrapassar os 25 pontos, nao deveria ser necessario ter VANTAGEM DE 2 PONTOS PARA FECHAR UM SET… Todo mundo deveria entrar em quadra sabendo que acaba em 25… Um set de 25×24 ja’ seria LONGO O SUFICIENTE, nao precisaria mais que isso… Outra coisa que acho que deveria mudar seria: ESTABELECER UM TEMPO MAXIMO PARA CADA SET. O tempo de 25 MINUTOS para cada SET e’ tambem mais que o suficiente, ou seja, chegou nos 25 minutos independente de ter chegado nos 25 pontos, os jogadores saberiam que o set iria acabar, assim como acontece na maioria dos esportes como no BASQUETE, POLO-AQUATICO, FUTEBOL, HANDBALL etc… Com isso uma partida de 3×0 acabaria APROXIMADAMENTE ate’ 1h30minutos e uma de 3×2 em ate’ 2h15minutos, Considerando um tempo MAXIMO para o TIE BREAK em 15 minutos com limite de 15 pontos… Sinceramente acho que o VOLEI deve evoluir e encontrar uma maneira de tentar CONTROLAR MELHOR O TEMPO DAS PARTIDAS!

    • Elcio

      Respeito mas não concordo com sua posição. A graça do vôlei está exatamente em não ter um tempo definido. Quando um jogo é de alto nível, 3 horas de partida passam sem a gente perceber. O Eduardo tem toda razão em reclamar dos horários (felizmente eu não tenho esse tipo de problema). Mas é uma luta ingrata: nós torcedores somos o ponto fraco da corda, ela vai sempre arrebentar do nosso lado…

  • Afonso (RJ)

    Já vi muito jogo televisionado por volta das sete, sete e meia. Acho que eles marcam jogos às nove nem tanto para adequar à grade de programação, mas porque nesse horário a audiência é muito maior.

    Realmente, para quem gosta de ir ao ginásio fica bem pior, mas ter o evento televisionado fica melhor para os patrocinadores e para um número bem maior de fãs que por um motivo ou outro não podem comparecer ao vivo. No fim acaba prevalecendo o poder econômico, que nesse caso específico está vinculado à disponibilidade da maioria.

    Mas acho que no momento o maior problema é a não utilização dos nomes verdadeiros dos times
    durante as transmissões do SporTV. Na verdade não há times chamados “Rio de Janeiro” e “Osasco”, por exemplo. Há respectivamente Unilever e Sollys. Parece que ainda não houve acordo comercial nesse ponto.

  • Afonso (RJ)

    Voltando a falar no torneio Top Volley em Basiléia, consegui assistir ao jogo da disputa pelo bronze entre o Unilever e o Volero Zurich.

    Não sei se fiquei mal acostumado depois do jogaço entre Rabita Baku x Cannes, mas a verdade é que em boa parte do tempo, o jogo me parecia uma partida entre alunas de ginásio de dois colégios de freiras, tal a quantidade de bolas passadas de graça para o outro lado com largadinhas, totózinhos e no máximo meias batidas. Rallis imensos, não pela qualidade das defesas, mas pela inoperância dos ataques. Uma tristeza a ineficiência das principais atacantes de ambos os lados. Só mesmo de vez em quando é que passava um “canudo” para o outro lado.

    Grosso modo, o nível técnico de uma partida pode ser medido pelo numero de erros por pontos disputados. Nessa partida, foram disputados 135 pontos, sendo que 38 foram erros do adversário (15 do Unilever e 23!! – quase um set – do Volero). Isso dá 28,1%. É muito. Eu diria até que é demais. No fim, fiquei com a impressão que o Unilever ganhou não porque jogou melhor, mas porque errou menos. Há uma grande diferença nisso.

    Em todo o caso, já houve avanços em relação aos jogos anteriores. Acho que esse torneio foi bem útil para o time carioca, não só para melhorar o entrosamento, mas também para uma melhor avaliação do potencial efetivo do time, seu pontos positivos e deficiências. Acho que ainda tem muito para evoluir, mas já vai voltar um pouco melhor preparado para enfrentar a pedreira de jogos contra os grandes times da superliga já nas primeiras semanas de janeiro. Vamos ver…

  • voleyball

    Concordo com a reclamação, acho que alguem com um “certo” jeitinho brasileiro deveria levar essa representação a Cbv.
    Outra coisa: Como o Sportv gosta do time do Sesi (tanto masculino, quanto feminino).
    Vai deixar um jogo dia 10/01 (volei futuro x minas) para ser jogo do sesi denovo?
    tem algum contrato exclusivo?

    essas coisas ninguem sabe como acontece…

  • Carlos Eduardo BH

    Pior é quando você marca na agenda um jogo pra ir, um exemplo é o jogo do Usiminas/Minas x Sollys/Nestlé que estava marcado pra 20 horas e como o Sportv vai passar o jogo mudaram o horário pra 18h30, mesma situação do Clássico entre Mackenzie/Cia.do Terno x Usiminas/Minas que seria 20 horas, tinha passado pra 21 horas e agora mudou o dia de Terça(24/01) para Segunda(23/01) às 18h30. Esse horário de 21 horas é ruim mesmo no ano passado nas quartas de final entre Usiminas/Minas x Pinheiros na SLF e Vivo/Minas x BMG/Montes Claros na SLM, tive que sair correndo da Arena até a Praça da Liberdade e quase que perco o último ônibus do meu bairro, tem outros que passam perto mas tinha que descer na avenida e é ruim principalmente de madrugada.

    Quem monta essa tabela não tem noção do que é pegar ônibus ou metrô, já que eles só devem andar nas BMW e Audis com ar condicionado e os outros que se lasquem !

MaisRecentes

Um líder por pontos ganhos. Outro por pontos perdidos



Continue Lendo

Camponesa/Minas quebra longa invencibilidade em Osasco



Continue Lendo

Placar RedeTV!: Futebol 2 x 0 Vôlei



Continue Lendo