Recado bem dado pelo Molico/Nestlé



O jogo mais esperado do primeiro turno da Superliga feminina não teve aquela emoção toda que se esperava.

Em casa, o Molico/Nestlé não deu chances para a Unilever (21-19, 21-16 e 21-18) e assim manteve sua invencibilidade na competição.

Com muita justiça, a sérvia Sanja Malagurski foi eleita a melhor em quadra. Ela foi muito consistente no ataque e deu a regularidade que o passe precisava para Fabíola fazer uma distribuição homogênea entre suas várias opções ofensivas. Gostei também da atuação de Bosetti, que me parece mais segura em todos os fundamentos a cada rodada.

Já as cariocas sofreram demais justamente no fundamento recepção. A pobre Fofão correu para todos os cantos da quadra para fazer levantamentos, muitas vezes de manchete, facilitando demais o bloqueio de Osasco. Para piorar, a bola de segurança com Sarah Pavan não funcionou. Na tentativa de mudar o jogo, Bernardinho manteve Mihajlovic e Gabi, colocando Regiane em quadra. Deu certo no início do terceiro set, mas não o suficiente para vencer a parcial.

O resultado também me dá uma certeza. O Molico/Nestlé não perderá o primeiro lugar na fase de classificação. Vejam que a diferença para a Unilever já é de sete pontos (37 a 30), uma distância pra lá de confortável. E talvez seja a chance de o playoff desta temporada ter uma configuração diferente, com Vôlei Amil em segundo. Mas não sou bom em previsões e temos um turno todo pela frente.

O que vocês acharam do jogo, senhoras e senhores?

PS1 – O que foi o árbitro anunciando em bom inglês o cartão amarelo (yellow card for you) e dando o vermelho para a Mihajlovic? Ela não teve ter entendido nada.

PS 2 – Um excelente Natal para todos. Que o bom velhinho possa realizar os sonhos neste dia tão especial.



MaisRecentes

Reflexão sobre o momento da Seleção é necessária



Continue Lendo

O novo capítulo de uma relação conturbada entre Brait e Zé Roberto



Continue Lendo

Coluna: A empolgante decisão da Superliga feminina



Continue Lendo