Rapidinhas do dia



– Marcos Pacheco foi confirmado como técnico do Medley/Campinas para a próxima temporada. O currículo vencedor do ex-comandante da Cimed prova o acerto dos paulistas na contratação.

Vale lembrar que no início da atual temporada o time de Campinas tentou contratar o levantador argentino Luciano de Cecco. Se tivesse conseguido, poderia ter sonhado com voos mais altos na Superliga.

– Ivan Miljkovic oficializou a sua aposentadoria. Abaixo deixo o link da carta de despedida (em inglês e com pequenos erros) para quem tiver curiosidade. Hoje não tenho tempo de traduzir e publicar na íntegra para vocês.

Na minha opinião, o sérvio é um dos maiores opostos da história do vôlei mundial. Tive o privilégio de vê-lo atuando em algumas competições e sempre me chamou a atenção a vontade e o amor de defender as cores de um país sacudido por sangrentas guerras separatistas nos últimos tempos.

http://www.worldofvolley.com/fun/blog/post/8/ivan-miljkovic/16/adio.html

– Lamentável conviver no vôlei com uma praga do futebol: os cambistas. Vi muitos cruzeirenses reclamando hoje nas redes sociais sobre a dificuldade de comprar ingressos para a semifinal contra o Vivo/Minas. Enquanto a torcida sofre, os aproveitadores revendem os bilhetes por valores muito mais altos. Vergonhoso.



  • Carlos E

    Ótima contratação do Marcos Pacheco, com certeza Campinas vai crescer muito.
    Sobre o Cecco que poderia ter chegado, com certeza ia ter sido uma ótima pra Campinas, mas pra mim faltava justamente peças em outras posições, principalmente central ( Heller nao dá mais ) e oposto ( Bob é sempre o Bob, que banca todo jogo) e o Franco é garoto talentoso, mas ainda não segura rojão.

  • GUga

    Sei que muitos são contras.. +acho que jogo de Volei, com excessão de Eventos do nivel da Liga Mundial, Grand Prix e Olimpiadas, deveria ser Porta aberta, ou um valor minimo… Embora gosto do Esporte, nao pagaria caro para passar 2h e pouca vendo um unico jogo… Questão de gosto de tals, prefiria passar 3 a 4h assisitindo uma partida de Tenis

  • Primeiramente parabéns por sua postura ética à frente desse blog. Todas as noticias que vc posta aqui são veridicas, sem disse me disse. Em relação a aposentadoria do Miljkovic, acabou a seleção da Sérvia, ele e o Grbic a carregavam nas costas.

  • klaus

    É por isso que ele não estava na pré-lista que o técnico sérvio lançou para a disputa do qualificatório olímpico europeu.Bom para as outras seleções e péssimo para a Sérvia , que decaiu muito nos últimos anos e vai sentir uma falta enorme desse grande jogador, um pouco enjoado, mas um dos melhores da história do voleibol mundial.

  • betoven

    É isso que dá, misturar time de futebol no vôlei, vem tudo junto, torcida “desorganizada”, cambistas, malandros, etc…, se bobear vai começar a sair mortes!! Deveriam de tomar providências antes que aconteça isso, e isso já um alerta!!

  • Luiz

    É tão estranho saber que aquele garoto Sérvio loirinho e com cara de moleque mesmo está se aposentando. Parece que foi ontém que eu vi a conquista olimpica daquele time não tão brilhante, porém dedicato e guerreiro. Que ele seja feliz agora. Pois muitas vezes carregou a seleção dele nas costas.

  • Luciano

    Será que com o Marcos Pacheco no comando o Medley/Campinas vai montar um time pra ser campeão. Será que a Cimed/sky vai continuar com time. O que o futuro reserva… heheh

  • Raffael

    Daniel, tente nos deixar mais informados com a movimentação do mercado( o melhor da superliga, é quando ela esta acabando…rsrs)

    • Daniel Bortoletto

      sempre terá espaço para notícia aqui. mas não gosto de especular.

  • Vitor

    Excelente a contratação do Marcos Pacheco. É um grande treinador, e tem excelente reputação no mercado, vai ajudar bastante a equipe do Medley/Campinas. Que também merece os parabéns por seguir investindo ainda mais apesar de 2 anos de “fracassos”. Quando ao de Cecco apesar de achar ele um dos melhores da posição hoje não vejo o Rodriguinho como culpado. O que faltou mesmo foi um oposto e um ponta pra segurar o passe pra liberar o Mão pro ataque. O Zanuto infelizmente não fez uma boa temporada (apesar de ser um grande jogador) e sobrecarregou ainda mais o Mão, esse sim o destaque do time na temporada. Estou ansioso pra ver a movimentação do Campinas no mercado.

    Sobre o Miljkovic eu concordo com o Daniel. Um dos melhores opostos da história. Já vi jogos dele receber 80 bolas num jogo e mesmo assim ter aproveitamento de quase 50%. Um monstro! E isso tudo com mais de 30 anos. Não é pra qualquer um. Ficou na história do vôlei.

    E não é novidade problemas com a torcida do Cruzeiro. Enquanto não houver um freio de mão nesse envolvimento de torcidas organizadas do futebol envolvidas no vôlei, o cenário não mudará.

  • César Castro

    Gente, mando abaixo uma sugestão de tradução da carta do Milijkovic. (Perdoem as falhas, por favor!)

    É difícil dizer “obrigado” e “adeus”?

    Todo começo mais cedo ou mais tarde tem seu fim. Começar a fazer algo implica que um dia aquilo vai terminar. Ir pra escola, parar de ir; ir pra faculdade, parar de ir; começar a trabalhar, aposentar-se. Mesmo nossas vidas têm um começo e um fim. Pensando assim, não se pode dizer que não se está preparado para o fim, certo?
    Passei quatorze esplêndidos anos de duros treinamentos durante o verão, torneios estressantes e finais (algumas terminaram com vitórias, outras não), voando em classe econômica por mais de onze anos, dormindo nos aeroportos, etc.
    Mas também vivi momentos maravilhosos em que conheci novas pessoas, culturas e lugares. Passei por tantas situações nas quais aprendi com os melhores do mundo a como fazer algo. Também passei por situações nas quais pude aprender a como NÃO fazer (você nem imagina quantas!!), agradeço especialmente a esse segundo grupo.
    Ganhei tantas, tantas medalhas, mas geralmente me motivava muito mais uma partida longa e bem jogada que tirava a seu final toda minha energia do que ter uma medalha em meu pescoço. Aquilo significava que havia dado o meu melhor e me deixava imensamente feliz.
    Posso dizer que, nesses quatorze anos, os verões nos quais ia para os treinamentos da seleção eram relaxantes e não estressantes. A possibilidade de jogar contra outros jogadores, às vezes melhores do que você. E aprender….
    Cada um na seleção tem diferentes motivos para estar lá: uns porque precisavam fechar contrato pra próxima temporada, outros porque não gostavam de ficar em casa, outros porque não queriam ir para os treinamentos do clube… Todos tínhamos diferentes motivos pessoais, mas antes de cada campeonato havia um único motivo em comum: alcançar a vitória!
    E era que nos levava a ganhar tantas medalhas, desde 1995 até hoje.
    Feliz? SIM, muito feliz. Feliz porque fiz algo que amava muito, de verdade.
    Triste? Não, de modo algum. Haverá tantas coisas que “tentarei” fazer o mesmo: ser o melhor. Não sei se conseguirei, mas vou tentar como tentei durante esses 14 anos.
    Meu livro na seleção chega a seu final. Eu o escrevi da primeira à última página. Cada detalhe. Alguns capítulos, duas ou três vezes. E sempre o dividi com os outros. Agora é hora de fechá-lo e colocá-lo na estante entre os outros livros.
    Minha estante está cheia de livros, cheia de livros escrito em letras douradas. Mas minha estante não está vazia… estou só começando a encher!
    Obrigado a todos vocês e a gente se vê uma horas dessas em algum lugar….do mundo!
    Ivan

MaisRecentes

A velocidade do Sesc, com Thiaguinho, impressiona



Continue Lendo

O novo conceito da FIVB para 2018



Continue Lendo

Apenas Lebes/Canoas faz o dever de casa na rodada



Continue Lendo