Quer aprender a bloquear? Ligue para o Wagão



O Pinheiros vem dando aulas de bloqueio nos playoffs da Superliga feminina.

Depois de marcar 25 pontos na abertura das quartas contra o Vôlei Amil, o time comandado por Wagão fez mais 23, ontem, na partida que deixou a série empatada em 1 a 1.

A vitória no tie-break (31-29, 25-14, 16-25, 23-25 e 15-11) foi merecida para um time que soube, dentro de suas limitações técnicas e orçamentárias, ser construído de forma competitiva.

Muito disso se deve aos estudos do treinador, que está sabendo anular o Vôlei Amil sem a levantadora Fernandinha. Mais previsível com Pri Heldes, o time de Campinas está tendo muitas dificuldades para pontuar. E assim o block do Pinheiros faz a festa.

Por outro lado, Macris soube distribuir bem as ações, ajudando todas as atacantes a passarem dos dois dígitos na pontuação.

Vale uma menção mais do que honrosa a atuação a ponta Elen. Foram 26 pontos, apenas um a menos do que a búlgara Vasileva, com um aproveitamento pouco superior a 50% no ataque. Inclusive, a jogadora está citada na minha coluna Saque, deste domingo, no LANCE!, como uma das revelações da Superliga.

Vi parte da entrevista de Zé Roberto após o jogo e ele admitiu que o Pinheiros foi melhor em grande parte do jogo, superior em vários fundamentos e, assim, merecedor da vitória.

Para o terceiro e decisivo duelo, em Campinas, na terça, às 21h, o favoritismo do novato Vôlei Amil não passa de um 52% x 48%, ou algo parecido. Promessa de mais um jogo emocionante, como foram os dois primeiros até agora.



  • Emanuella

    vou torcer para o Pinheiros e o Praia ganharem, é muito legal ver um time inferior nos talentos ganhar na base da garra, superação e muita dedicação ao time.
    O que aconteceu com a Fernandinha, não acompanha a superliga feminina tanto assim.

    • Jorge Villac

      Ele está com uma lesão nas costas, acho que é um problema crônico porque umas das razões dela ter ficado longe da seleção por tanto tempo tinha a ver com a forma física.

  • Paulo – Sorocaba

    Um time não pode sonhar com nada se tiver Pri Heldes na mão! É muito previsível, sem precisão, MUITO FRAQUINHA!
    Eu sou fã da Walewska, mas ela também não esta fazendo grandes coisas nesse playoff, Natasha/Andressa: sem comentários…
    O time fica so dependendo das extremidades, de um bom dia delas, e contra um time que bloqueia bem como o Pinheiros, essa tarefa fica um pouco mais complicada.
    Pelo lado do Pinheiros, eu gosto muito da personalidade da Ellen e das meios de rede, que são rapidas e bloqueiam bem.
    A Macris, até pela necessidade do time, joga muito rapido e sempre tenta fazer algo diferente.
    Se as veteranas de seleção realmente ficarem de fora esse ano, eu daria uma chance pra Macris e para a Ellen.
    Realmente espero que o Pinheiros vença o terceiro jogo para dar uma agitada nessa Superliga!

  • Melina

    O que esse time do Pinheiros vem fazendo é inacreditável. Mesmo com suas limitações, as meninas colocaram o Amil contra a parede nos três últimos jogos. Se fosse o time do Sollys ou do Unilever, nem falava nada, mas tendo em vista a situação do Pinheiros, diferente da dos times já citados, elas estão se consagrando como o “melhor” time da Superliga, pelo menos pra mim. É isso que eu gosto no esporte e era isso que tava faltando na Superliga: essa emoção, essa imprevisibilidade. E só o Praia e o Pinheiros foram capazes de me proporcionar isso. Não sei se elas aguentam ganhar do Amil de novo, já que elas ainda são muito jovens e talvez o Zé Roberto consiga reverter a situação, mas o desempenho delas nesse campeonato já foi incrível. É como o Wagão mesmo disse: dá pra montar um time competitivo mesmo com um investimento bem menor. Bem que ele poderia ter tido umas conversas com o Jarbas, quem sabe assim o Minas não teria feito aquele papelão (não de perder, mas sim da forma como perdeu).

  • Euri

    Nesta disputa, estou quase torcendo para o Amil… quase. Como torço para o Sollys, tenho mais medo desse time do Pinheiros, que é mais organizado taticamente e com jogadoras mais motivadas e com moral lá em cima, do que desse time do Amil, que não vai dar mais do que já deu. Infelizmente, acho que as jovens jogadoras do Pinheiros vão acabar sentindo toda a pressão de jogar um jogo decisivo. Só espero ver elas dando MUITO trabalho para o time do Zé Roberto. Vai ser um jogão.

  • Afonso RJ

    Como já era esperado, Unilever 3×0 Rio do Sul foi um jogo chatíssimo. Apenas uma menção honrosa ao time catarinense pelo brio e o espírito de luta que demonstraram durante todo o campeonato. Chegaram aonde podiam e na minha opinião, caíram de pé. Ponto negativo para o gerundismo do competente Rogério Portela. Até quando essa abominação linguística teimará em permanecer entre nós?

    Confesso que esperava outra vitória do Volei Amil. Mas parece que o time campineiro está pagando um preço altíssimo pela contusão da Fernandinha. Sem tirar os méritos do Pinheiros e da perspicácia do Wagão em ler o jogo adversário, mas o incrível número de blocks a favor do Pinheiros tem também a ver com uma certa incompetência das atacantes e da levantadora do Amil. Com poucas jogadas rápidas de meio, as centrais adversárias ficaram livres para se adiantarem para as pontas. As atacantes campineiras, por sua vez tem como principal característica o ataque na diagonal, e demonstraram até uma certa dificuldade quando tentavam um corredor. Some-se a isso, que muitas bolas eram previsíveis e levantadas com pouca velocidade ou espetadas na rede. Resultado: o bloqueio adversário deitou e rolou. A distribuição também deixou a desejar. Teve uma hora importante num set (não lembro bem qual) em que a Vasileva estava conseguindo virar tudo, e a Pri Heldes não teve a sensibilidade de explorar o bom momento da búlgara.

    Mas ainda acho que o Amil vence o terceiro jogo. A decisão será em casa e o Zé Roberto não é bobo e deve corrigir pelo menos parte dos problemas do time. Mas a menos que a Fernandinha se recupere e consiga melhorar muito a dinâmica do ataque, acho muito remota a possibilidade do time de Campinas fazer frente ao Sollys.

  • ANÁLISE

    O Wagão é um grande técnico, dá para ver que o time do Pinheiros é bem treinado. Diferentemente do MTC, SESI, SÃO BERNARDO e SÃO CAETANO que não tem técnicos. Dá gosto de ver o Pinheiros jogando. Todas as jogadoras evoluíram na mão do Wagão.

  • Milton M.

    Praia e pinheiros tem q passar!

  • Nielson Marinho

    Os erros da arbitragem, grotescos por sinal, principalmente no ataque de Vasileva que botou a bola dentro da quadra do Pinheiros a meio metro antes da linha foi fator de muita influência no jogo. Não tiro o mérito do Pinheiros, jogaram muito, mas ressalto a deficiência de Pri Heldes que é previsível e exalto Vasileva, não pipoca nas horas difíceis, é uma grande jogadora e fazer 27 pontos em um time que aplicou 23 pontos de bloqueio não é pra qualquer uma. #GoAmil

  • Guga

    Daniel,

    Seria uma boa vc dar o numero do Wagao para o Lucão e Sidão, só assim quando eles enfretarem o Musersky denovo, não ficará a ver Navios..

  • Wasley

    Quem viu o jogo Pinheiros x Sollys no 2º turno da Superliga sabia que este time tem condições de vencer o Amil. Naquele jogo, as jogadoras do Pinheiros conseguiram colocar o Osasco no bolso com uma partida perfeita. Sacaram muito bem, souberam neutralizar o ataque do Sollys com uma boa relação bloqueio x defesa e contam com um dia inspirado de todas as atacantes. Este time tem potencial para ir mais longe. Depende, no entanto, da aplicação tática e da noção de que possuem um conjunto muito bom, capaz de fazer frente a qualquer time. Se entrarem confiantes, será difícil perder…

MaisRecentes

Vaivém: Mais estrangeiras na Superliga?



Continue Lendo

Com emoção, Corinthians se garante na Superliga



Continue Lendo

Com méritos, Brasil cumpre obrigação



Continue Lendo