Quem acredita em título do Vôlei Futuro?



Time mais badalado antes do início da Superliga, o Vôlei Futuro, tanto no masculino quanto no feminino, ainda não deu provas, em quadra, de que poderá ser campeão nacional.

Entre as mulheres, o time comandado por William Carvalho ocupa o quarto lugar, vindo de uma derrota incontestável por 3 a 1 para o Pinheiros/Mackenzie, concorrente direto.

O problema no sistema de passe é claro. Paula Pequeno, apesar de toda sua exuberância ofensiva, é irregular no fundamento. Tandara, parceira na ponta, sofre para se adaptar na função, já que originalmente é oposto. Sobra assim quase a quadra toda para ser coberta pela líbero americana Sykora. Assim, seja Alisha Glass, quando voltar de lesão, ou Ana Cristina, no levantamento, os ataques se concentram com bolas altas na ponta, deixando a central Fabiana a ver navios e facilitando os bloqueios adversários.

Entre os homens, a posição na classificação é ainda pior. O time de Cezar Douglas luta pelas últimas vagas entre os oito que jogarão os playoffs. Ninguém, em sã consciência, imaginaria antes de a Superliga (o time foi campeão paulista batendo o poderoso Sesi) começar a possibilidade de o Vôlei Futuro não ficar entre os oito após contratar Ricardinho, Leandro Vissotto, Lucão e Mário Júnior. O jogo parece não fluir com naturalidade, apesar da genialidade do levantador, da força do oposto, da competência do bloqueador e da regularidade do líbero. Como no feminino, o passe não é dos melhores, com os cubanos Iznaga e Camejo e o brasileiro Dentinho se revezando no time titular.

Favorito no papel pela força dos elencos, o Vôlei Futuro ainda não mostrou cara de campeão. Você acredita em título para os times de Araçatuba?

PS: Na noite desta quinta, aconteceu um pouco do que foi escrito acima. Sem conseguir arredondar as bolas após saques do Sesi, o Vôlei Futuro foi batido com facilidade por 3 a 0 (25-18, 25-22 e 25-16).



  • Maiara

    Acredito sim. Pois o time tende a crescer. Os jogadores são conscientes e profissionais. Terão que jogar muito para recuperar os pontos perdidos, mas tem elenco e estrutura para isso.
    Eu como torcedora não vou ficar decepcionada caso isso não aconteça. Estamos começando um trabalho e que ainda (agora ou no proximo ano) vai dar frutos.
    Foram muitas criticas maldosas e que não levam a nada. Olho gordo então……demais da conta.
    Aja oração para proteger esses meninos e meninas.

  • Maiara

    Acredito sim. Pois o time tende a crescer. Os jogadores são conscientes e profissionais. Terão que jogar muito para recuperar os pontos perdidos, mas tem elenco e estrutura para isso.
    Eu como torcedora não vou ficar decepcionada caso isso não aconteça. Estamos começando um trabalho e que ainda (agora ou no proximo ano) vai dar frutos.
    Foram muitas criticas maldosas e que não levam a nada. Olho gordo então……demais da conta.
    Aja oração para proteger esses meninos e meninas.

  • não acredito que o masculino e o feminino serão campeões , mas ambos têm elenco para serem. com a volta de Lucão o masculino deverá crescer muito e no feminino a tendência é também crescer muito. prá frente volei futuro…

  • Márcia-RJ

    Não acredito nem um pouquinho que o Vôlei Futuro, feminino e masculino, será campeão. Vai dar Florianópolis e Rio de Janeiro, de novo!

  • Demétrio

    Eu… Araçatubense de coração! acredito sim. Todos os times da superliga 2011 passaram ou vão passar por um peirodo ruím, o nosso momento ruím esta passando no momento certo, na reta de chegada do mata-mata, o time jogou muito contra Montes Claros, perdeu no detalhe do ultimo set . Anota aí: a reação começa hoje! Vamos ganhar do Sesi la SP. Vamos Futuro, Vamos Futuro, Vamos ser Campeão!!!

  • Tiago

    Acredito sim – depois que os/as atletas conseguirem derrubar os respectivos técnicos. Aí quem sabe criam vergonha na cara e joguem como profissionais de verdade.

  • Vitor

    Impossível. No feminino claramente falta conjunto. É uma jogadora brigando com a outra, Tandara e Paula no passe é só desastre. Sem contar o saque da equipe que é um dos, se não o pior da Superliga. Depende muito de uma oposta, que é irregular. Alterna excelente momentos e diversos ataques na antena durante a partida. Fabiana tinha tudo pra ser a líder do time, mas parece não se entender com Ana Cristina. Ora a bola está baixa demais, ora está rápida demais, mas nunca perfeita. Sem contar na segunda central. Fernanda Grtiz e Andressa se revezam. Mas os torcedores discutem uma forma de achar que é pior, quando deveria ser o contrário. Uma pena, pois o time no papel realmente destoa.
    No masculino falta tudo. Ricardinho, o melhor levantador do mundo parece não ter opção nunca. Os ponteiros não são confiáveis e Leandro Vissotto está irreconhecível. Se eu só tivesse visto ele no Volei Futuro, estaria me perguntando o motivo para ele ser convocado. Salvo os centrais que vem atuando bem. Lucão e Michael fazem uma excelente dupla e tem total confiança do Ricardinho, mas aí precisa do passe, coisa que raramente funciona no time de Araçatuba.

    ps: O jogo entre Pinheiros/Mackenzie x Volei Futuro foi 3×1 pro time da capital, e não 3×0. Só uma observação mesmo. rs

    • Daniel Bortoletto

      Tem razão, Vitor. Parcial do jogo corrigida. Obrigado pela audiência, comentário e correção do erro.

  • Vladimir Vieira

    Bom dia a todos!! Vejo que o Volei Futuro montou ótimas equipes, no masculino eu diria, ótimo grupo inclusive, porém entregou essas equipes a treinadores medianos, com todo respeito ao passado do grande capitão William, como treinador ele é fraquinho demais, já o Cézar Douglas é um profissional mediano, parece intimidado, desligado..como exemplo dessa apatia lembro do jogo contra a CIMED, em SC no segundo set o jogo esta 19×18 para os catarinenses, que neste momento dispararam no placar, e o cara só pediu tempo quando o placar estava em 24X19….pareceia que estava fora do jogo….mas mesmo assim, acho que o time masculino pode surpreender e chegar ao título, quanto ao feminino, sem chances!!!

MaisRecentes

Brasil faz dever de casa pela classificação



Continue Lendo

O bipolar Brasil no Grand Prix



Continue Lendo

Vaivém: Campinas apresenta patrocinador e caras novas



Continue Lendo