Quarta-feira com boas notícias para o vôlei brasileiro



A Assembleia Geral Ordinária da CBV, nesta quarta-feira, aprovou medidas importantes para o vôlei brasileiro. Não poderia ir dormir sem antes fazer uma resumo dos acontecimentos.

Em tópicos, não em ordem de relevância, para tentar ajudar no entendimento:

– Quatro atletas passarão a ter direito a voto. Até então eram dois votos.
“Nós atletas saímos com uma grande vitória e aumentamos em 100% a nossa participação nas decisões. Enxergamos o momento que a CBV está passando, e está aberta a mudanças. Desde 2016 estamos mostrando vontade de colaborar. Apresentamos uma mudança inicial, e, que para muitos pode parecer pequena, para nós, é gigante. Estamos dando credibilidade. E, como atletas, temos que participar do processo não somente como questionadores, mas sugerindo soluções. Conseguimos mudanças positivas”, analisou Emanuel, presidente da Comissão de Atletas de Voleibol de Praia.

Os atletas até pensavam em ter mais votos, mas já consideram um tremendo avanço dobrar a participação

Tamo junto!!

A post shared by Gustavo Endres (@gustavollei) on

– A partir de agora, qualquer brasileiro maior de 21 anos, desde que conte com o apoio de pelo menos seis membros da Assembleia (cinco deles devem ser Federações Estaduais), pode se candidatar à presidência da CBV.
“Até bem pouco tempo atrás nomes importantes da história do voleibol não poderiam ser candidatos ao cargo, e agora podem”, disse o diretor executivo da CBV, Radamés Lattari.

É muito saudável permitir essa abertura, evitando que o mesmo “clubinho” de presidentes de federação mantenha o poder por décadas.

– Criação do Conselho Administrativo da CBV, com 13 membros. Os participantes deste conselho ainda serão definidos, mas o grupo será formado por sete presidentes de Federações (as cinco regiões brasileiras deverão ser representadas), dois representantes dos atletas, dois clubes e ainda o presidente e o vice-presidente da CBV.

Emanuel durante Assembleia da CBV (Divulgação)

“Eu vejo com bons olhos o momento que a CBV está passando em relação à gestão. Tem mostrado mais transparência, inclusive a Assembleia hoje teve uma fluidez interessante. As mudanças no estatuto, as alterações, as conversas e opiniões, tudo isto mostra a instituição está controlando bem a situação”, completou Emanuel.

– A CBV confirmou a transmissão dos dois jogos da final da Superliga Cimed Feminina pela Rede Globo.

Tudo que os clubes querem: espaço na maior TV aberta do país. E quantas vezes ouvi que a final em jogo único deveria ser mantida pois a Globo só teria espaço para uma exibição. Está provado que não era bem assim.

Por fim, é muito legal ver tantos ex-atletas engajados neste processo de mudança do vôlei brasileiro. Emanuel, o representante dos atletas da praia, André Heller, representante dos jogadores de quadra, Gustavo Endres, sempre uma voz ativa. E, aos poucos, a CBV vai se abrindo. Um processo democrático, mais transparente, com maior participação de toda a comunidade do vôlei. Não tem como ser ruim.



MaisRecentes

O “Fora, Bolsonaro!” virou mais um incêndio



Continue Lendo

12 anos. Mas parece que foi ontem em Pequim



Continue Lendo

Unir concorrentes mostra o tamanho de Rodrigo Rodrigues



Continue Lendo